Canal Like

Aviões segue sucesso de Carros e agrada sem ser chato ou didático demais

Aviões segue sucesso de Carros e agrada sem ser chato ou didático demais
Aviões veio depois do sucesso de Carros - Divulgação

Publicado em 05/03/2020 às 13:09:00

Por: Canal Like

Você lembra do que gostava de brincar quando criança? Tem dois brinquedos que nunca saem de moda, entre todas as gerações: as bonecas e os carrinhos. Não foi à toa que a animação Carros fez tanta bilheteria e rendeu milhões de dólares em produtos licenciados. Para expandir essa franquia super lucrativa, a Disney desengavetou o projeto Aviões. O longa seria lançado direto em DVD, mas acabou chegando às salas de cinema brasileiras.

O mundo de Aviões segue a linha de Carros, com veículos de transporte como personagens e o sucesso improvável do protagonista, que faz a gente torcer por ele mesmo sabendo como a estória vai terminar. Aviões também acontece numa cidazinha do interior dos Estados Unidos muito parecida a Radiator Springs, de Carros.

Dusty é um aviãozinho que trabalha pulverizando plantações e alimenta o sonho de participar de grandes corridas internacionais. Só que ele tem medo de altura e não tem melhor design para ser um campeão. Mas como diz a sabedoria popular, “quem tem amigos, tem tudo”, e o Dusty conta com o companheirismo de Chug. O amigo pede ajuda a Skipper, que não levanta voo há muito tempo por causa de um acidente. No entanto, ele aceita ser o mentor de Dusty nesta jornada.

Todos os aviões do filme são baseados em modelos reais. Dusty, por exemplo, é um Air Tractor AT-402 e Skipper é um Chance Vought F4U Corsair. No original, os atores Val Kilmer e Anthony Edwards dublam os aviões Bravo e Echo. É uma homenagem ao clássico Top Gun, de 1986, em que eles interpretavam pilotos da Força Aérea. E na versão em português, Ivete Sangalo empresta a voz para a aviãzinha baiana Carolina Santos Duavião, a paixonite do mexicano El Chupacabra.
O sobrenome da personagem de Ivete é uma menção ao nosso Santos Dumont, pioneiro da aviação.

A certeza de sucesso de Aviões era tão grande que a Disney produziu a sequência ao mesmo tempo. Em Aviões 2: Herois do Fogo ao Resgate, Dusty descobre que está com um problema mecânico sério. Ou seja, adeus corridas! Ao mesmo tempo, o aeroporto pega fogo e um velho amigo, caminhão bombeiro, não consegue apagar.

Para evitar que o aeroporto seja interditado, Dusty assume uma nova missão. Ele sofre algumas adaptações e frequenta a escola de bombeiros, onde é treinado e realocado para a brigada aérea de incêndio. O seu mentor é o helicóptero veterano Blade Ranger, que tem um passado glorioso. No dia-a-dia do combate ao fogo, Dusty entende o verdadeiro significado da palavra herói. Ganha também um par romântico: a engraçada hidroavião Dipper, dublada pela comediante Tatá Werneck na versão brasileira.

A substância vermelha que jorra dos aviões foi utilizada pelo Serviço Florestal dos Estados Unidos por 50 anos para criar uma linha de contenção em torno do incêndio. E o nome do caminhão de bombeiros Pulaski homenageia Ed Pulaski, um guarda florestal dos Estados Unidos. Ele é o inventor de uma ferramenta muito útil, metade machado, metade enxada, que pode ser usada tanto para cavar o solo quanto para cortar madeira.

A franquia aviões não tem o mesmo acabamento visual dos blockbusters da Pixar nem dos clássicos Disney, mas distrai a criançada com um roteiro leve e personagens carismáticos. Os dois filmes deixam mensagens interessantes de sacrifício em nome da amizade e um discurso ecológico, sem ser chato ou didático demais.

 




publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!