Luto

Canal Like exibe programa especial em homenagem a Zé do Caixão

Canal Like exibe programa especial em homenagem a Zé do Caixão
Zé do Caixão tinha 83 anos - Divulgação

Publicado em 22/02/2020 às 11:55:03

Por: Canal Like

O cineasta José Mojica Marins, popularmente conhecido como Zé do Caixão, faleceu na última quarta-feira (19), aos 83 anos. Ícone do cinema de terror, Mojica dedicou sua vida ao gênero e tornou-se referência no Brasil e no exterior nas décadas de 1960 e 1970. Ao longo da carreira, dirigiu mais de 40 filmes e atuou em mais de 50 produções. Como ator, protagonizou filmes como “À Meia-Noite Levarei Sua Alma” (1964), “Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver” (1967) e “Encarnação do Demônio” (2008), entre outros clássicos do horror nacional.

Para homenagear um dos diretores mais relevantes do cinema nacional, o Canal Like (530 da Net/Claro) vai reexibir no sábado (22), à meia-noite, o programa “Listas”, gravado em 2018, no qual indica longas inesquecíveis do mestre do terror. A atração também poderá ser vista na íntegra no YouTube do Like.

Hugo Bonemer e Maytê Piragibe contam que, aos 12 anos, Mojica ganhou uma câmera, juntou os amigos, e realizou o seu primeiro filme, sobre invasão extraterrestre. Engana-se quem pensa que o cineasta começou a carreira com longas de terror. Seus dois primeiros filmes foram dos gêneros faroeste e religioso. Até a noite em que ele teve um pesadelo e sonhou que um homem de capa preta e cartola o arrastava para o próprio túmulo. Mojica conta que acordou em pânico e perdeu o sono, mas anotou tudo. Logo o personagem ganhou o nome de Josefel Zanatas - o Zé do Caixão.

Em 1964, lançou “À Meia-Noite Levarei Sua Alma”. O longa introduz o universo do coveiro sádico e cruel, de unhas enormes, temido e odiado pelos moradores do vilarejo. Zé do Caixão pretende gerar um filho perfeito para dar continuidade ao seu sangue, mas a esposa não consegue engravidar. Na busca pela mulher ideal, ele é capaz de matar qualquer um que atrapalhar os seus planos. Ele violenta a mulher do amigo e a moça, enfurecida, planeja se suicidar, voltar do mundo dos mortos e levar a alma do Zé do Caixão.

As filmagens duraram três semanas e uma parte foi bancada com a arrecadação dos alunos da escolha de interpretação do Mojica. O cineasta tinha uma escola de atores, de onde ele escolhia o elenco para os filmes que produzia. “À Meia-Noite Levarei Sua Alma” fez um sucesso enorme e a criatura ficou tão famosa que passou a se confundir com o criador. Para todos os efeitos, José Mojica Marins virou definitivamente o Zé do Caixão.

Em 1967, foi lançada a continuação “Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver”. Nessa sequência, Zé do Caixão aprimora as suas maldades e fica ainda mais sádico. A busca da mulher ideal continua. Ele rapta seis jovens, que passam por sessões de tortura. Zé do Caixão acaba assassinando uma moça grávida, a população se revolta e resolve matar o coveiro.

Mojica gostava de chamar suas obras de fitas, e “Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver” é a sua fita campeã de popularidade. Foi filmada em preto e branco, com exceção da sequência colorida do inferno de gelo que causou sensação. Porém, teve problemas com a censura do Regime Militar e precisou mudar o final do roteiro. Em vez de reafirmar o seu ateísmo, Zé do Caixão passou a fazer um discurso temente a Deus.

O próximo filme da lista sofreu vários cortes e até hoje foi exibido apenas nos festivais e em sessões especiais. “O Despertar da Besta” também é conhecido como “Ritual de Sádicos”. A história começa em preto e branco, num programa de televisão onde o Doutor Sérgio apresenta sua tese maluca. Ele acredita que as perversões sexuais são causadas pelo consumo de droga e usa quatro voluntários como cobaia.

Mojica aparece nesse momento como outro psiquiatra convidado do programa, especialista em depravação. Doutor Sérgio é contestado pelos colegas de profissão e resolve fazer um experimento. Os quatro viciados são colocados de frente para o cartaz de “O Estranho Mundo de Zé do Caixão”, uma compilação de três contos do terror que Mojica lançou em 1968. Nesse momento, a película fica colorida e a imagem do Zé do Caixão desperta os delírios e perversões de cada um.

Em “Delírios de um Anormal”, de 1978, Mojica volta a ter um psiquiatria como personagem principal. Doutor Hamílton é aterrorizado por pesadelos em que o Zé do Caixão tenta roubar a sua esposa. Adivinhem para quem ele vai pedir ajuda? Para José Mojica Marins, que tenta fazer Hamílton entender que Zé do Caixão não existe, é pura ficção.

O diretor voltou ao set de filmagem depois de trinta anos afastado, para rodar “Encarnação do Demônio”, de 2008. O longa forma uma trilogia macabra junto com “À Meia-Noite Levarei Sua Alma” e “Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver”.




publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!