Olhar TV

Indicações do Melhores do Ano do Faustão revertem lógica da "supremacia das 21h"

Premiação equilibra novelas, mas também tem escolhas e ausências questionáveis

Indicações do Melhores do Ano do Faustão revertem lógica da
Faustão divulgou os seus Melhores do Ano no último domingo (10) - Reprodução

Publicado em 11/11/2019 às 10:31:33

Por: Thallys Bruno

Neste domingo, foram anunciados os concorrentes de mais uma edição do Melhores do Ano, a tradicional premiação do Domingão do Faustão às produções da Globo. Nos últimos anos, se observou uma maciça presença de candidatos do horário das 21h, casos de A Força do Querer (2017), O Outro Lado do Paraíso e Segundo Sol (ambas de 2018). Porém, as indicações deste ano acabaram, surpreendentemente, mostrando um maior equilíbrio entre produções.

A Dona do Pedaço, de Walcyr Carrasco, teve o maior número de indicações, com nove atores: Juliana Paes (atriz), Reynaldo Gianecchini (ator), Agatha Moreira e Paolla Oliveira (atrizes coadjuvantes), Malvino Salvador e Sérgio Guizé (atores coadjuvantes), Carol Garcia e Glamour Garcia (atrizes revelação) e Rafael Queiroz (ator revelação). Um número expressivo, no entanto, inferior às 18 vagas emplacadas pela novela de Glória Perez (na qual Juliana e Paolla também participaram) ou as 14 da obra de João Emanuel Carneiro.

Já Bom Sucesso, de Rosane Svartman e Paulo Halm, surpreendeu pela entrada de cinco de seus principais nomes: Grazi Massafera (atriz), Fabiula Nascimento (atriz coadjuvante), Armando Babaioff (ator coadjuvante), João Bravo e Valentina Vieira (ator e atriz mirim). Ainda assim, é difícil entender a ausência de Rômulo Estrela, que vem fazendo um impecável trabalho como o sedutor apaixonado Marcos; e de Bruna Inocêncio, ótima como Alice, filha mais velha de Paloma.

Bem como a indicação de Renato Góes, apagado como o mocinho Jamil da problemática Órfãos da Terra (que ainda emplacou Alice Wegmann em Atriz e Kaysar Dadour em Ator Revelação). Como entender a escolha de Nany People pela péssima O Sétimo Guardião? Ou da pequena Maria Alice Guedes, de Malhação Vidas Brasileiras? Ou mesmo de Orlando Caldeira, o garçom Catraca de Verão 90 (também representada por Jesuíta Barbosa, intérprete do vilão Jerônimo)?

No entanto, o mais crasso erro é a total ausência de representantes de Espelho da Vida, novela das 6 de Elizabeth Jhin que antecedeu a trama de Duca Rachid e Thelma Guedes. Nomes como Vitória Strada (Cris/Júlia), Alinne Moraes (Isabel/Dora), Irene Ravache (Margot/Hildegard), Rafael Cardoso (Danilo/Daniel), João Vicente de Castro (Alain/Gustavo Bruno), Felipe Camargo (Américo/Eugênio) e Clara Galinari (Priscila/Teresa) não receberam nenhuma menção sequer. É certo que a novela enfrentou problemas de audiência e se recuperou em sua segunda metade, no entanto, não é justo ignorar um ótimo elenco desta forma. O cenário é semelhante ao de sua antecessora Orgulho e Paixão (2018), que também não emplacou nenhum nome na edição passada da premiação.

O cenário das séries, por sua vez, apresenta um quadro mais justo. A categoria de Atriz foi muito bem representada por Adriana Esteves, pela Stela de Assédio (série lançada ano passado no Globoplay e exibida este ano na TV aberta); Letícia Colin, ótima na comédia vivendo a Marilyn da divertida Cine Holliudy; e Marjorie Estiano – sempre impecável em mais uma temporada de Sob Pressão, pela qual foi indicada ao Emmy deste ano (em relação à edição de 2018). Na seleção de atores, Antônio Calloni (irrepreensível como o asqueroso Roger Sadala, na mesma Assédio) e Júlio Andrade (sempre genial na pele do Dr. Evandro da já citada Sob Pressão honram a categoria, que ainda conta com Rodrigo Lombardi (indicado pelo Adriano, de Carcereiros).

No mais, as categorias musicais não apresentam muitas novidades, como as presenças constantes de Ivete Sangalo e Luan Santana em, respectivamente, Melhor Cantora e Melhor Cantor; ou Renata Vasconcellos e Sandra Annenberg em Jornalismo – desta vez acompanhadas por Maju Coutinho, que recebeu o desafio de assumir o Jornal Hoje no lugar de Sandra, deslocada para o Globo Repórter. A seleção de Personagem do Ano, como na edição anterior, não será aberta para votação e premiará os três intérpretes: Antônio Fagundes (indicado pelo Alberto de Bom Sucesso), Cláudia Raia (lembrada pela Lidiane Pantera, de Verão 90) e Tony Ramos (mencionado pelo vilão Olavo de O Sétimo Guardião).

A nova edição do Melhores da Globo, como é pejorativamente chamada a festa da firma promovida por Faustão, vinha nos últimos anos mais propícia a ser apelidada de Melhores da Atual Novela das Nove, devido à presença maciça de atores de tramas do horário das 21h em detrimento de outros horários ou novelas exibidas no começo da temporada. Porém, este ano, percebeu-se um avanço com a presença de intérpretes de outras faixas, tornando a competição um pouco mais equilibrada e evitando uma disparidade tão maciça. Ainda assim, sempre haverá injustiças e indicações sem propósito, algo comum aos prêmios populares.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!