Olhar TV

Amor de Mãe vai fundo no realismo, sem deixar de ser novela

Novela das 21h de Manuela Dias mostra grande ruptura com A Dona do Pedaço

Amor de Mãe vai fundo no realismo, sem deixar de ser novela
Regina Casé, Juliano Cazarré, Jéssica Ellen e Thiago Martins em cena - Fotos: Divulgação/TV Globo

Publicado em 02/12/2019 às 11:33:41

Por: Thallys Bruno

A maternidade é um tema recorrente na teledramaturgia e suas diferentes formas de lidar com a mesma sempre chamaram a atenção do público. É este apelo universal que norteia Amor de Mãe, novela das 21h de Manuela Dias, estreante na faixa mais nobre da Globo. Com a responsabilidade de manter o horário aquecido após o grande sucesso de A Dona do Pedaço, de Walcyr Carrasco, a história se iniciou no dia 25 de novembro e já dá indícios de que seguirá um caminho diferente de sua antecessora – sem, contudo, deixar de ser novela.

O roteiro da autora é pautado em três diferentes protagonistas: Lurdes (Lucy Alves/Regina Casé), Thelma (Adriana Esteves) e Vitória (Taís Araújo). A primeira, uma babá oriunda do interior do Rio Grande do Norte, se muda para o Rio de Janeiro com seus filhos na esperança de encontrar um deles, Domênico, vendido pelo pai. A segunda, por sua vez, é dona de um restaurante, descobre que tem um aneurisma incurável e só vê sentido na vida ao lado do filho Danilo (Chay Suede), que, apesar de amar sua mãe, luta para se livrar de sua superproteção. E a terceira, advogada conceituada, trabalha para o corrupto Álvaro (Irandhir Santos) e não consegue engravidar do marido, o que acaba com seu casamento. Até que, após uma noite de sexo sem compromisso com o ambientalista Davi (Vladimir Brichta), ela se descobre grávida.

Os filhos de Lurdes também trazem importantes conflitos próprios: Érica (Nanda Costa) se apaixona pelo ricaço Raul (Murilo Benício), mas se recusa a levar o relacionamento adiante enquanto ele estiver casado. Ryan (Thiago Martins) trabalha com musicalização infantil e se apaixona pela tenista Marina (Erika Januza), uma mulher focada e bem resolvida. Magno (Juliano Cazarré) lida com o coma de sua esposa Leila (Arieta Corrêa) e a doença da filha Brenda (Clara Galinari) e se vê atraído por Betina (Isis Valverde), enfermeira que cuida das duas; além de ter se envolvido numa briga com o irmão desta, Genilson (Paulo Gabriel), a quem agrediu após vê-lo estuprar uma mulher – a partir disso, ele tem certeza que matou o rapaz.

Os primeiros capítulos da novela deixaram claro que há uma visível ruptura entre o estilo de Manuela Dias e a vibe mais “circense” da obra de Carrasco. Apostando em imagens de impacto e realismo, as primeiras cenas não pouparam emoção, graças ao excelente texto da autora e à inspirada direção de José Luiz Villamarim. Entre as principais sequências que merecem destaque, está a que Lurdes mata o então marido ao descobrir que ele vendeu Domênico – abrilhantada pelo talento espetacular de Lucy Alves. Ainda assim, fica claro que o folhetim não foi totalmente abandonado – e que há espaço também para o drama e o humor, como se viu em uma hilária cena em que Lurdes acha dinheiro no mar ao lado de Thelma.

O enredo ainda mostra uma visível preocupação em fugir o máximo possível do maniqueísmo de “mocinhos” e “vilões”. Cada protagonista carrega suas virtudes, porém, não deixa de ter os seus “podres” – como quando Lurdes abandona o cadáver do marido ao fugir para o Rio ou acoberta a agressão de Magno contra Genilson; ou mesmo o constante conflito de Vitória entre a honestidade e a corrupção, visto em uma sequência em que ela atua em defesa de Álvaro mesmo ciente de sua culpa – e, com isso, garante a absolvição. No entanto, também há vilões declarados no enredo – como o próprio Álvaro e o interesseiro Sinésio (Júlio Andrade), irmão de Thelma, que faz de tudo para vender o restaurante.

O elenco, repleto de nomes talentosos, chama a atenção pela acertada escolha de suas protagonistas. Regina Casé, após 18 anos de sua última novela (“As Filhas da Mãe”, 2001/2002), volta a protagonizar uma trama das 21h e brilha absoluta, fazendo de Lurdes uma protagonista muito real e humanizada. Adriana Esteves, de imenso talento já comprovado em outras obras, novamente se entrega com perfeição. E Taís Araújo, mesmo vivendo a ponta mais controversa do protagonismo, esbanja competência e versatilidade. Ainda merecem elogios nomes como Irandhir Santos, Vladimir Brichta, Jéssica Ellen, Chay Suede, Nanda Costa, Isis Valverde, Murilo Benício e Magali Biff; que, mesmo com aparições menores, já demonstram mostrar a que vieram. Bem como a primorosa participação especial de Júlio Andrade, que deixa a novela mais cedo devido ao seu retorno à série Sob Pressão, renovada para mais duas temporadas.

Manuela Dias é a primeira autora a ser lançada na faixa desde a veterana Maria Adelaide Amaral (em 2016, com a malfadada A Lei do Amor) – a despeito da constante renovação de autores em outras faixas da programação. Ex-colaboradora das autoras Duca Rachid e Thelma Guedes em novelas como Cordel Encantada (2011) e Joia Rara (2013-14), Manuela ganhou suas primeiras chances como titular em 2016, quando assinou as elogiadas séries Ligações Perigosas e Justiça. Sua primeira investida no formato telenovela estava inicialmente cotada para substituir a problemática O Sétimo Guardião (2018-19), porém, devido ao texto considerado muito culto, foi adiada para depois de A Dona do Pedaço, que fez grande sucesso com personagens de muito apelo popular, a despeito da condução rasa do enredo.

Agora, a autora tem uma grande prova de fogo nas mãos e o desafio de Amor de Mãe é manter o interesse do público do horário, mesmo enfrentando o verão, as festas de fim de ano e o Carnaval. A nova novela das nove mostrou uma visível ruptura com o estilo de Carrasco e, ao longo dos capítulos, evidenciou sua preferência por uma linguagem um pouco mais elaborada. No entanto, também há a impressão de que não irá se distanciar totalmente do bom e velho folhetim – e os episódios iniciais deixaram claro que é uma mistura que pode ser feita com qualidade.

Se o nível inicial apresentado se mantiver ao longo dos próximos meses, o público será bem recompensado.



Melhores do Ano NaTelinha 2019: Vote e eleja os destaques do ano na televisão!


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!