Olhar TV

Dramaturgia e jornalismo foram as forças da Globo no Melhores do Ano NaTelinha 2019

Coluna analisa os vencedores de premiação do NaTelinha, que contou com mais de um milhão de votos

Dramaturgia e jornalismo foram as forças da Globo no Melhores do Ano NaTelinha 2019
Melhores do Ano NaTelinha contou com mais de um milhão de votos em 22 categorias

Publicado em 18/12/2019 às 17:54:02

Por: Thallys Bruno

O NaTelinha divulgou na manhã desta quarta-feira (18) os resultados do Melhores do Ano NaTelinha 2019. Com mais de um milhão de votos, a edição deste ano trouxe uma mudança de cenário: se no ano passado a Record foi a maior vencedora, agora a Globo dominou todas as categorias, com ênfase especial na teledramaturgia e no jornalismo.

Nas categorias novelísticas, não deu outra: Bom Sucesso, novela das 19h de Rosane Svartman e Paulo Halm, garantiu os prêmios de Melhor Novela e de Melhor Atriz/Melhor Ator para seus protagonistas Grazi Massafera e Rômulo Estrela, intérpretes do casal principal (Paloma e Marcos). A vitória é fruto do bom trabalho de toda a equipe ao desenvolver um enredo popular com inteligência, pautado na literatura e sem precisar subestimar a inteligência do público – não à toa é o melhor sucesso do horário desde a aclamada Cheias de Charme.

 

A grandiosa Fernanda Montenegro foi aclamada como Coadjuvante do Ano, por sua impecável participação na reta inicial de A Dona do Pedaço, como a matadora matriarca Dulce – um grande desempenho no ano em que a intérprete chegou aos seus 90 anos de idade. Na categoria de revelação, Kaysar Dadour, participante do BBB18, venceu por seu trabalho como o capanga Fauze, homem de confiança do vilão Aziz na problemática Órfãos da Terra. Kaysar conseguiu contornar bem a péssima condução do enredo e aproveitou todas as oportunidades.

Sob Pressão, ainda mais afiada na terceira (e quase última) temporada, garantiu o título de Melhor Produção Dramatúrgica Além das Novelas, especialmente pelo décimo episódio, que contou com um show absoluto de Marjorie Estiano e pela estreia arrebatadora de Júlio Andrade como diretor, em três longos planos-sequência sem qualquer corte (um para cada bloco). Em Melhor Produção de Streaming, a força da Netflix (que concorreu com Sintonia, O Mecanismo e a elogiada Coisa Mais Linda) não foi suficiente para barrar a nova temporada de Sessão de Terapia, que trouxe a estreia de Selton Mello como protagonista – devido à impossibilidade da participação do grande Zécarlos Machado, contratado da Record.

Ainda na TV paga, a quarta temporada do Lady Night, embora mais curta devido à gravidez de Tatá Werneck (que enfrentou enjoos durante as gravações), manteve o tom afiado e escrachado da humorista, que deu à luz sua filha em outubro. O talk show garantiu mais uma vez o prêmio de Melhor Talk Show, derrotando o consagrado The Noite, os novatos Programa da Maísa e Que História é Essa, Porchat (grande revelação do segmento) e o ótimo Conversa Com Bial.

O ano também não deixou de lado as polêmicas e os babados: Na categoria 2019 foi o ano de..., Sandy e Junior foram agraciados pela memorável turnê de comemoração de 30 anos de carreira da dupla, finalizada em 2007 e que lotou estádios e arenas país afora relembrando os grandes clássicos dos irmãos. Em relação à grande polêmica do ano, a escolhida foi a falsa acusação de abuso sexual movida por Nájila Trindade contra o jogador Neymar – que causou até mesmo a saída do repórter Mauro Naves da Globo.

O SBT, por sua vez, mostrou que o entretenimento é mesmo a sua grande vitrine, tanto que quatro das seis categorias foram destinadas justamente a esta área. As polêmicas recentes envolvendo Silvio Santos (como a acusação de racismo por manipular o resultado de um quadro, ou o favorecimento explícito ao presidente Jair Bolsonaro e aliados) não abalaram o prestígio do comunicador, eleito como Melhor Apresentador pelos leitores do NaTelinha. Eliana, por sua vez, repetiu o trunfo do ano passado e foi novamente coroada como Melhor Apresentadora, apesar do conteúdo de seu programa não ser muito convidativo. Desta vez, seria mais justa a vitória de Ana Maria Braga, cada vez mais consolidada no Mais Você.

O Fofocalizando, eleito Melhor Programa de Fofocas de 2019, atravessou um ano em que as brigas internas dos seus integrantes foram mais importantes que as notícias e o mundo da fama em si. A situação foi agravada especialmente pelos conflitos internos entre Leo Dias e seus colegas, além de polêmicas do colunista com personalidades como a atriz Bruna Marquezine e a cantora Anitta. A outra vitória do SBT no segmento foi com o reality Fábrica de Casamentos, comandado pela talentosa Chris Flores, egressa da fase áurea do Hoje em Dia, na Record.

No jornalismo, embora o SBT também ensaie uma maior aproximação com o governo Bolsonaro (ainda que não maior do que a Record), a credibilidade de alguns de seus profissionais não foi afetada. Tanto que Roberto Cabrini e seu Conexão Repórter foram escolhidos como Melhor Programa Jornalístico; enquanto Patrícia Vasconcellos, correspondente da emissora de Silvio Santos em Nova York, foi escolhida a Melhor Correspondente, vencendo, entre outros, o jovem Pedro Vedova e o veterano Jorge Pontual.

A representante global da categoria foi Sandra Annenberg, consagrada em Melhor Âncora. A apresentadora, surpreendentemente, deixou o Jornal Hoje em direção ao Globo Repórter, sendo substituída por Maria Júlia Coutinho, que vem conquistando seu espaço no vespertino. Mesmo em um programa que oferece pouco para seu talento – sem contar a recente notícia do fim do Como Será, seu espaço sobre educação e cultura nas manhãs de sábado –, Sandra continua recebendo o carinho da audiência e merece a aclamação. A Globo ainda conseguiu vitórias expressivas no campo esportivo, com as escolhas do Esporte Espetacular, vencedor em Melhor Programa Esportivo; e do comentarista Walter Casagrande, escolhido como melhor profissional do meio.

A Record, por sua vez, teve seus méritos no âmbito local. Duas vitórias vieram da Record Bahia (antiga TV Itapoan): o Balanço Geral BA e seu apresentador José Eduardo, o Bocão, foram consagrados em Melhor Jornalístico Local e Apresentador Local. O estilo popular e direto ao ponto de Bocão tornou a faixa do almoço um dos piores pesadelos da Rede Bahia (afiliada Globo), com médias que não raramente atingem os 20 pontos. Por sua vez, o humorístico Que Arretado, da TV Clube (afiliada Record em Pernambuco), foi o vencedor de Melhor Programa Local, superando concorrentes como o baiano Dendê na Mochila (TV Aratu, emissora do SBT) e a revista eletrônica gaúcha Masbah! (do SBT RS).

No saldo geral, houve uma grande mudança de cenário em relação ao ano passado. A Record não conseguiu repetir o mesmo desempenho nacional (que deu a vitória a nomes como Marcos Mion, Luiz Bacci e Reinaldo Gottino) e viu o jogo virar em favor do Grupo Globo, que dominou a premiação com onze categorias (nove da aberta, um do Multishow e um do Globoplay) e fez valer a força de sua dramaturgia, enquanto o SBT confirmou seu talento nato para o entretenimento.

O NaTelinha agradece a todos os internautas que votaram e deseja a todos um Feliz Natal e um 2020 cheio de paz, alegrias, sucesso e felicidades!




publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!