Coluna do Sandro

O que está por trás da megafusão da Globo?

Em setembro de 2018, Globo iniciou o Projeto Uma Só Globo, que vai unir todas as empresas num único CNPJ

O que está por trás da megafusão da Globo?
Divulgação/Globo

Publicado em 07/11/2019 às 14:36:47 ,
atualizado em 07/11/2019 às 17:43:13

Por: Sandro Nascimento

Desde setembro de 2018, com o projeto Uma Só Globo, o Grupo Globo vem promovendo a maior mudança estrutural desde a sua fundação, há 94 anos. Com a ajuda da consultoria Accenture, o conglomerado de mídia brasileiro e um dos maiores do mundo irá unir em um único CNPJ as empresas TV Globo, Globosat, Globo.com, DGCORP (Diretoria de Gestão Corporativa) e Som Livre. O processo vem acarretando em demissões e tensão entre seus funcionários. Mas o que está por trás dessa megafusão?

Em primeiro lugar, com esse movimento, a Globo vem buscando corte de despesas fixas em alinhamento com seu lucro líquido. Em segundo, ganhar mais dinamismo e se preparar para enfrentar a concorrência das novas plataformas de mídia que surgem, e que como tendência mundial, estão cada vez mais concentradas.

Podemos citar o exemplo da The Walt Disney Company , que comprou inúmeras empresas, dentre elas a DreamWorks, e mais recentemente a Fox,  e vai lançar seu projeto de streaming na próxima semana para enfrentar a Netflix, o esperado Disney+. Caminho também seguido pela americana CBS, que se fundiu com a Viacom e passou a reunir, em um único conglomerado, os filmes da Paramount Pictures e os canais MTV, Nickelodeon, Showtime e Comedy Central.

É isso que a Globo está propondo: uma megafusão das suas áreas de negócios pra reduzir despesas e ter ganho de volume, tanto de produção quanto de conteúdo, com o intuito de reunir forças para competir com os avanços de grupos de mídia internacionais no país.

Neste momento, você pode estar se questionado os motivos que fizeram a Globo a não iniciar este processo de união das suas empresas antes. É simples. A  Globo sempre teve uma preocupação de não pasteurizar a imagem dos veículos. Ou seja, não dar a impressão que todas as empresas da Globo eram as mesmas coisas. Isso reforçaria muito a teoria de monopólio da comunicação.

Porém, há um custo alto para não ter essa cara de monopólio. A falta de sinergia entre as empresas do grupo chegou a um momento que ficou caro demais e passou a ter a necessidade de corte.

Na última terça-feira (06), a TV Globo demitiu cerca de 100 funcionários. O NaTelinha apurou que este processo de redução deve chegar a 20% dos contratados. Além disso, até o fim do ano, uma nova lista de grandes demissões será disparada. Segundo apurado pela coluna, a maior parte será realizada neste período, para não comprometer os resultados do exercício de 2020, que terá seu balanço demostrativo publicado em 2021.

Sobre as demissões, a Globo foi procurada e enviou a seguinte nota: "Não comentamos questões internas. Todas as grandes empresas modernas passam por processos na busca de eficiência e evolução constante e, nesse contexto, é natural que se façam ajustes. Na Globo não é diferente".

Uma Só Globo

Liderada pela executiva Rossana Fontenele, atual diretora-geral de Planejamento e Gestão da TV Globo, com grande prestígio entre os sócios e subordinada ao presidente executivo do Grupo Globo, Jorge Nóbrega, o projeto Uma Só Globo vem sendo pensado há muitos anos.  

Seu pontapé inicial ocorreu quando lançaram, em 2000, o Essência Globo, que teve com meta unir a cultura das empresas, juntando todos os funcionários numa mesma medição de valores. Antes disso, cada empresa do Grupo Globo tinha missão, visão e valores diferentes. Foi tudo unido, inclusive as rádios, que neste primeiro momento ficou de fora do projeto Uma Só Globo, junto com o Infoglobo.

Além do econômico, este processo de mudança estrutural de negócios da Globo tem o impacto cultural.  De acordo com pessoas ouvidas pela coluna, no Grupo Globo, a Globosat era considerada mais jovial, avançada e moderna, enquanto a TV Globo tinha aspectos de repartição pública. O Essência Globo serviu para iniciar uma transição cultural para o  projeto Uma Só Globo, que tem previsão de ser concluído até 2021.

Outra sinalização dessa necessidade de fusão de negócios foi quando a TV Globo e a Globosat, em 2014, começaram a produzir episódios inéditos do Sai de Baixo no modelo de parceria. Poucos entenderam esse formato, já que pertenciam ao mesmo grupo, mas o empecilho é que a TV aberta e o Canal Viva possuem CNPJs diferentes, juridicamente são empresas distintas. Outro exemplo: a exibição do talk show de Tatá Werneck, Lady Night, na grade da TV Globo, sendo uma produção do Multishow, da Globosat.

Uma Só Globo vai reduzir a demanda de pessoal na área de apoio e permitir que pessoas hoje trabalhem pra Globosat, para TV Globo, Som Livre, sem ganhar dois ou três salários.

Ao fim de todo o processo, não apenas Uma Só Globo que surge, mas uma nova Globo, mais enxuta e mais preparada para o futuro, tendo força para enfrentar os lançamentos da Netflix, Disney+, Prime Video e Apple TV; hoje, as maiores concorrentes do poderoso conglomerado de mídia brasileiro.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!