Visão Panorâmica

Atual temporada de "Malhação" é a melhor novela das sete desde "Cheias de Charme"

Emanuel Jacobina criou um grande enredo, mas para o horário errado

Atual temporada de
"Malhação - Toda Forma de Amar" é uma boa novela - Foto: Reprodução/Globo

Publicado em 02/07/2019 às 18:01:43

Por: Naian Lucas

Malhação – Toda Forma de Amar” passou dos 50 capítulos e já é possível fazer uma análise mais aprofundada sobre a temporada escrita por Emanuel Jacobina. A história gira em torno de Rita (Alanis Guillen) e ela se divide em duas situações: a luta pela guarda da filha e o testemunho do assassinato de um jovem da Baixada Fluminense.

Partindo dos dois argumentos, fica claro que a premissa passa longe de um assunto do universo jovem, ou seja, não deveria ser exibida na faixa. Contudo, o que importa é a abordagem e está claro que a temporada, infelizmente, não dialoga com o público adolescente.

Há temas que fazem parte do cotidiano dos jovens brasileiros, porém, o eixo da produção é uma história adulta. Ponto. Vamos iniciar pela briga pela Nina: Lígia (Paloma Duarte) e Joaquim (Joaquim Lopes) são pais adotivos da criança. Rita tenta recuperar a guarda da menina, pois seu pai a roubou e entregou para adoção.

Uma situação dessa não é comum, mas disputa de guarda de criança acontece na vida de milhões de pessoas no mundo, sendo majoritária adulta. Não há espaço para uma abordagem com olhar adolescente, até porque a protagonista é maior de idade, assim como Lígia e Joaquim são os integrantes adultos da temporada.

O outro ponto da história: o assassinato de um jovem da Baixada Fluminense. A região de Caxias é uma das mais violentas do Rio de Janeiro e a milícia tem ganhado espaço nos locais mais pobres do estado. O tema poderia acontecer numa visão adolescente, basta lembrar que a ditadura militar já foi retratada com esse olhar no filme “O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias” (2006). Mas não é esse o caso.

Primeiro que o responsável pelas investigações é Marco Rodrigo (Julio Machado), um policial. Segundo que as testemunhas do crime pouco falam do assunto, ou seja, eles só se preocupam com o episódio quando são abordados sobre o tema ou perseguidos por algum miliciano.

Jacobina é um autor que conhece bem a faixa de “Malhação”, seu texto é cheio de humor e os personagens são carismáticos. Esse alívio cômico tira a seriedade necessária que a trama central apresenta. Os núcleos paralelos até conversam com os adolescentes, mas nada que apague a força do eixo protagonista da novela.

Com mais de 50 capítulos no ar, fica nítido o bom trabalho desenvolvido pela produção. O autor, volto a repetir, é um craque e conhece o formato como poucos. Os diálogos são bons e engraçados. A história não teve nenhuma barriga e é extremamente movimentada.

Claro que não dá para ser maluco e dizer que os capítulos apresentados poderiam passar logo após os jornais locais da noite. Seria preciso ajustes, como um vilão desde o início e maior espaço a Rita e Filipe (Pedro Novaes). Mas “Malhação – Toda Forma de Amar”, com uma mexida aqui e outra ali, tem uma premissa para o horário das 19h. O que não tira o mérito da atual temporada ser deliciosa de assistir, o que a torna a melhor novela das sete desde "Cheias de Charme".


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!