Tal Mãe, Tal Filha

Gilmore Girls: A série com cara de novela das sete da Globo

Série fez muito sucesso na década passada e chegou a ganhar retorno em 2016

Gilmore Girls: A série com cara de novela das sete da Globo
Gilmore Girls daria uma ótima novela das sete para o público carente - Foto: Divulgação

Publicado em 14/06/2020 às 06:15:27

Por: Daniel César

Enquanto o telespectador acompanha as reprises no horário nobre da TV brasileira, muita gente se questiona quando voltarão as tramas inéditas. Sem saber os rumos da pandemia do coronavírus, há quem se questiona se serão necessárias outras produções repetidas para preencher o espaço vazio. Neste cenário de incertezas existem séries que não são conhecidas do grande público e que se encaixariam perfeitamente nas faixas, como Gilmore Girls.

A série da antiga WB (que depois viria a se tornar CW) ficou no ar por sete temporadas entre 2000 e 2007 e contou com 153 episódios, ou seja, mais ou menos o tamanho que a gente vê nas atuais novelas das 18h ou 19h. O estilo debochado e o universo peculiar da pequena cidade fictícia de Star Hollows, transforma a trama numa ótima pedida para a faixa das 19h.

Criada por Amy Sherman-Palladino (vencedora do Emmy e do Globo de Ouro por The Marvelous Mrs Maisel), a produção acompanha a vida de Lorelai Gilmore (Lauren Graham), uma mulher na casa dos 30 e poucos anos e que se virava para criar sozinha a filha, Rory Gilmore (Alexis Bledel), uma adolescente.

A série se parece muito com uma novela das 19h não apenas pelo humor ou pelo universo próprio, mas também pela quantidade de personagens, algo raro em produções americanas, com direito a vários núcleos paralelos com histórias próprias e desenvolvimento de conflitos que não eram exclusivamente das protagonistas.

Gilmore Girls tinha uma narrativa que impunha diálogos rápidos, que lembram as novelas de Carlos Lombardi, com muito bom humor e referências ao mundo pop, no melhor estilo Maria Adelaide Amaral. Além disso, a atração caminhava o tempo todo entre o humor e o drama em questão de segundos.

E o Brasil já foi referenciado pela série, o que por si só já transmite certa familiaridade. Em determinado momento de um episódio, Lorelai – a rainha das referências – solta uma pergunta peculiar. Com a mãe não conversando com ela, a protagonista questionou: “Ei, o que aconteceu com Xuxa?”, se referindo a rainha dos baixinhos que chegou a ter um programa nos EUA.

Gilmore Girls não chega a ser inédita para o público brasileiro, uma vez que já foi exibida à exaustão na Warner Channel na década passada e chegou a ir ao ar no SBT com o nome de Tal Mãe, Tal Filha. E a produção fez tanto sucesso e atraiu milhões de fãs que, pouco depois de anunciar a compra dos direitos de exibição, a Netflix conseguiu juntar o elenco para um Revival e em 2017 o público pôde rever as meninas Gilmore e todo o universo de Star Hollows em mais quatro episódios, que acompanharam as personagens anos depois do desfecho da série.

Por conta do universo único, do humor refinado com diálogos cortantes e da incrível capacidade de ir para o drama com direito a muito romance, Gilmore Girls é uma grande novela das sete. E quem tiver interesse pode acompanhar todos os episódios na Netflix.


Siga o NaTelinha nas redes sociais

Reportar erro

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!