TVxTV

Felipão das novelas, Walcyr Carrasco fisga o público com armadilhas em Êta Mundo Bom

Novela tem todas as armadilhas criadas pela obra de Walcyr Carrasco

 Felipão das novelas, Walcyr Carrasco fisga o público com armadilhas em Êta Mundo Bom
Novela Êta Mundo Bom é o Palmeiras 2018 das telenovelas - Foto: Divulgação

Daniel César

Publicado em 23/08/2020 às 09:55:52,

Em tempos de tentativa de censura contra Fina Estampa, outro debate tem sido deixado de lado nas famigeradas redes sociais que costumam debater tudo: o estrondoso sucesso da reprise de Êta Mundo Bom. A novela de Walcyr Carrasco está sendo exibida na faixa do Vale a Pena Ver de Novo e virou fenômeno de audiência, deixando para trás produções como Avenida Brasil e Por Amor. Mas o que faz uma novela tão criticada por especialistas ter tanto sucesso por duas vezes?

continua depois da publicidade

Walcyr Carrasco pode ser criticado por muitos pontos em comum em suas novelas. Ele não é o autor mais criativo do mundo, não liga muito para aliterações - o nome chique para repetições - e parece não se preocupar nem um pingo para a opinião de críticos e especialistas, seu foco é o sucesso. Mas de uma coisa o bem sucedido novelista não pode ser chamado: mentiroso.

Se tem uma coisa que ele não faz é mentir para seu público. Quem vê o teaser da maior parte das novelas dele já sabe do que se trata: entretenimento descartável. Uma injeção de morfina para esconder a dor do dia a dia. Walcyr não é o médico que vai trazer uma obra-prima e curar os males do mundo. Não é nas novelas dele que teremos grande crítica social ou fotografia do povo brasileiro. É uma Banheira do Gugu com a marca da Globo.

continua depois da publicidade

E dito isto, ele conhece como ninguém as armadilhas para fisgar o telespectador e usa todas elas sem a menor vergonha na cara em Êta Mundo Bom. O termo pode parecer pejorativo, mas não é. Trata-se de um elogio. Nenhum outro autor de novelas do Brasil atual entende tão bem as expectativas do público quanto Walcyr Carrasco e ele usou isso muito bem na novela das seis protagonizada por Débora Nascimento e Sérgio Guizé.

continua depois da publicidade

Esqueça o humor pueril, quase feito para crianças recém-nascidas de um berçário. Esqueça os diálogos constrangedores que remetem a estudantes de Ensino Fundamental fazendo uma redação sobre as férias. Nada disso interessa a quem interessa. Enquanto críticos e detratores da obra walcyriana apontam os problemas, o público se deleita é com as soluções. O público - este é o alvo do autor -, se deleita com as artimanhas criadas por ele.

continua depois da publicidade

Êta Mundo Bom faz mais do mesmo que Walcyr descobriu em sua chegada na Globo e consolidou principalmente a partir de Morde e Assopra. É bem verdade que antes disso ele escreveu sucessos incontestáveis, como Alma Gêmea, mas também errou a mão no quesito alcance do público, como em Sete Pecados. Foi em sua segunda imersão no horário das sete que o novelista precisou usar a cachola e reverter um fracasso iminente. E ali ele descobriu a pólvora usada na novela das seis reprisada atualmente no Vale a Pena Ver de Novo.

continua depois da publicidade

Para se ter uma novela com audiência - e essa é a busca do autor - é preciso histórias que encontrem o coração do público. Seja pelo ódio, como as decisões erradas de dona Irene (Gloria Menezes) em A Favorita, seja pelo amor, como o público abraçando a paixão de Jade (Giovanna Antonelli) por Lucas (Murilo Benício) em O Clone, ou até mesmo pela compaixão, como é o caso do perdão dado à Camila (Carolina Dieckmann) em Laços de Família. O problema é que nem sempre um autor consegue alcançar isso em suas obras, já que são muitos fatores envolvidos.

continua depois da publicidade

Walcyr achou a solução e o usa com a maestria de um técnico de futebol ultrapassado num país em que a modernidade ainda não chegou. Em Êta Mundo Bom, como em vários outros trabalhos, ele criou dezenas de histórias fortes, personagens cheio de dramas exagerados e que nem sempre fazem sentidos. Não precisa ter ligação. Não precisa ter lógica. Muito menos precisa ter espaço. No começo, ele apresenta os dramas superficialmente sem nenhum comprometimento com a história. Quando o público reage interessado em alguma, ele agarra aquela criação e abandona todo o resto.

continua depois da publicidade

Em Êta Mundo Bom isso fica nítido com a história de Maria (Bianca Bin). O drama da pobre donzela grávida e sozinha virou o centro da trama graças à interpretação da atriz e a falta de empatia do público para com outros personagens. Rapidamente, Walcyr alçou a personagem à protagonista prática e escanteou todo o resto. Uma piadoca aqui, um chorinho ali e pronto, a novela está feita.

E ele é esperto, sabe como fingir que a história está andando. Assim como Mano Menezes faz com seus times no futebol, que jogam 15 minutos de tirar o fôlego, fazem o placar e depois só se defendem, as novelas de Carrasco invertem a lógica. Ele enche a novela inteira de cena desnecessária e faz os cinco minutos finais com grandes sequências e acontecimentos chocantes. Você sempre tem a sensação que Êta Mundo Bom aconteceu algo importante, não é? Armadilha.

continua depois da publicidade

E Êta Mundo Bom é um fenômeno, assim como A Dona do Pedaço também foi e O Outro Lado do Paraíso mais ainda. Tal qual Felipão venceu o Brasileirão de 2018 com o Palmeiras e Fábio Carille em 2017 com um Corinthians de futebol pragmático, mas eficiente, Walcyr Carrasco domina a dramaturgia brasileira. Está dando errado? Chama ele que o homem resolve. E isso deverá durar algum tempo, ao menos até aparecer um Jorge Jesus nas nossas novelas.

continua depois da publicidade