Coluna Especial

Há 28 anos, Globo ajudou TV de Portugal a ser líder de audiência

Os bastidores da criação do canal português SIC e a influência da Globo

Há 28 anos, Globo ajudou TV de Portugal a ser líder de audiência
Logotipos da Globo e SIC de Portugal - Foto: Divulgação

Redação NT com Fernando Morgado

Publicado em 09/10/2020 às 06:59:17 ,
atualizado em 09/10/2020 às 14:02:18

O ano era 1987. Enquanto a RTP, empresa de comunicação controlada pelo governo lusitano, comemorava seus 30 anos de transmissões regulares, ganhava corpo o movimento que desembocaria no surgimento da TV privada em Portugal. Este foi um dos últimos países da Europa a permitir a operação de canais puramente controlados por empresários. À frente desse movimento, estava o ex-primeiro ministro e fundador do jornal Expresso, Francisco Pinto Balsemão.  

Balsemão sabia que, além de capital, precisaria de muito conhecimento para montar uma televisão comercial. E esse conhecimento não existia em Portugal, onde o mercado era monopolizado pela RTP que, por ser pública, tem objetivos completamente distintos daqueles que encaram a comunicação como negócio. Por isso, nem todos os que trabalhavam na RTP, especialmente em cargos de direção, serviriam para o novo projeto.  

Foi então que Balsemão veio ao Brasil em busca de um sócio que pudesse ajudar. Ele teve reuniões com os donos das maiores redes. Um encontro quase lhe tirou o ânimo: foi com Adolpho Bloch, fundador da TV Manchete. "Você quer ter um ataque de coração, quer passar noites inclementes, quer sofrer? Então meta-se num projeto de televisão!", disse Bloch. Seu pessimismo não era de todo injustificado: em 1987, a Manchete completava quatro anos no ar já soterrada em dívidas. Fazer frente ao poderio da Globo era algo quase impossível, apesar da Manchete ter conseguido emplacar alguns grandes sucessos na época, como a novela Dona Beija e as transmissões dos desfiles das escolas de samba cariocas.

A reunião com Roberto Marinho transcorreu em um clima bem mais agradável, ainda que o dono da Globo também não sentisse total confiança de que a empreitada portuguesa poderia dar certo. Naquele momento, Marinho perdia milhões de dólares com a Telemontecarlo, rede comprada em 1985 que não competia nem com o Estado, controlador da Rai, nem com Silvio Berlusconi, dono da Mediaset. Após um intenso trabalho de convencimento, Balsemão conseguiu atrair a Globo para o conjunto de sócio-fundadores da empresa que acabou batizada de Sociedade Independente de Comunicação, SIC.

SIC tinha identidade visual da Globo

Através da SIC, os brasileiros deixaram uma importante contribuição para a criação da TV privada em Portugal, notadamente nas áreas técnicas e de programação. Os profissionais da Globo foram os responsáveis pelo desenho final da grade de estreia da SIC que, se não foi capaz de vencer a RTP logo nos primeiros anos, pelo menos criou um enorme impacto no telespectador lusitano, que estava acostumado a outro ritmo de televisão. Em tempo: a SIC conseguiu se firmar na liderança geral de audiência apenas em 1995. Não por acaso, foi justamente nesse ano que as telenovelas brasileiras finalmente saíram da televisão pública para o canal de Paço de Arcos.

Um dos elementos que mais chamou a atenção nos tempos iniciais da SIC foi sua identidade visual, assinada pelo designer alemão Hans Donner. Radicado no Brasil desde os anos 1970, Hans é o responsável pela identidade visual da Globo, tendo revolucionado o broadcast design no mundo. Aliás, o clipe que abria a programação da SIC era, na verdade, um compilado de várias vinhetas globais produzidas entre 1981 e 1992.

 

E foi justamente em 1992, mais precisamente no dia 6 de outubro, que a SIC entrou oficialmente no ar. O fato foi notícia em todo o Brasil, graças, claro, ao destaque dado pelos veículos de comunicação controlados por Roberto Marinho. O jornal O Globo, por exemplo, publicou na época a seguinte manchete: "Público português ganha nova opção com primeira TV privada".

A Globo foi sócia da SIC até 2002. Neste ano, o conglomerado brasileiro enfrentava uma gravíssima crise financeira, provocada pelas dívidas contraídas para o desenvolvimento da TV a cabo no Brasil. Para se capitalizar, a família Marinho se viu obrigada a vender diversos ativos, incluindo aviões, banco de investimentos, canais de TV no interior, fazendas, hotel, imóveis, operadora de telefonia celular, seguradora e a participação de 15% que detinha no capital da SIC. Apesar disso, a Globo segue sendo uma das principais parceiras da empresa, que, mesmo diante das profundas mudanças sofridas pelo setor de mídia, permanece como uma referência importante tanto no mercado português quanto internacional.


Sobre Fernando Morgado - Consultor e palestrante. Professor das Faculdades Integradas Hélio Alonso. Membro da Academia de Artes e Ciências da Televisão, entidade realizadora dos prêmios Emmy. Coordenador-adjunto do Núcleo de Estudos de Rádio da UFRGS. Possui livros lançados no Brasil e no exterior, incluindo Comunicadores SA (2019) e o best-seller Silvio Santos - A Trajetória do Mito (5ª edição em 2017). É um dos autores de Covid-19 e Comunicação - Um Guia Prático para Enfrentar a Crise (2020), obra publicada em português, espanhol e inglês. Mestre em Gestão da Economia Criativa e especialista em Gestão Empresarial e Marketing pela ESPM. Site: fernandomorgado.com


Siga o NaTelinha nas redes sociais

Reportar erro

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!