Sofrimento

Atuação da semana: Simone Spoladore cria mocinha convincente em Éramos Seis

Atriz tem emprestado ares de tristeza para a personagem

Atuação da semana: Simone Spoladore cria mocinha convincente em Éramos Seis
Simone Spoladore vem brilhando em cena de Éramos Seis. Foto: Divulgação

Publicado em 03/11/2019 às 05:12:30

Por: Daniel César

A volta de Simone Spoladore à Globo tem se mostrado uma escolha acertada na escalação de sua Clotilde em Éramos Seis. A irmã solteirona de Lola (Glória Pires) tem recebido várias cenas de sofrimento e tristeza no período em que decidiu terminar tudo com Almeida (Ricardo Pereira).

Interpretar uma personagem dentro de uma trama protagonizada por Glória Pires não é sempre tarefa fácil, ainda mais quando o papel é de contar a história de amor para arrebatar o coração do público. Disputar os olhares de público e crítica com a experiente atriz é um exercício hercúleo e que poucos têm capacidade para conseguir.

Mas Simone Spoladore se mostrou uma escolha acertada. Se sua Clotilde levou um tempo para engrenar, a atriz soube esperar o momento certo para oferecer sua dose de composição na fase em que a personagem cresceria e ganharia envergadura. 

Numa novela em que a proposta da direção é a sutileza, Simone trilha um caminho que se assemelha muito a da protagonista ao baixar o tom de voz e mostrar a posição de submissão das mulheres da época ao aparecer quase sempre alguns centímetros menor em cena. Quase sempre com os olhos menos abertos do que a maioria, a atriz construiu uma mocinha em que o sofrimento se dá na expressão constante de uma mulher que sofre por amor.

Para o público conservador de uma novela das 18h, certamente o acerto da escalação foi uma grata surpresa, já que a atriz não era vista na tela da Globo em muito tempo. Mas quem acompanha o universo da dramaturgia e sabe que existe vida inteligente fora da Globo, não houve qualquer novidade no trabalho de Spoladore.

A atriz experimentou seu talento a pelo menos dois trabalhos diferentes nos últimos. Em Magnífica 70, da HBO, ela viveu uma anti heroína que tinha uma interpretação explosiva e que não se importava de passar do ponto da sensualidade quando a cena pedia.

Um pouco antes, ela foi a protagonista de Pecado Mortal, única imersão de Carlos Lombardi na dramaturgia da Record. Ao se submeter ao ácido e ágil texto do novelista, a atriz mergulhou para compôr uma Patrícia cheia de nuances e com mil caras e bocas, sem nenhuma moderação como se vê agora.

Simone Spoladore percebeu que uma Clotilde crível passava obrigatoriamente por uma composição livre de histrionismo, oferecendo ao telespectador respostas menos evidentes e através de uma leitura mais simbiótica do texto sutil com a interpretação naturalista.

Por conta de um retorno difícil à tela da Globo em que ela matou de peito e vem fazendo um golaço, Simone Spoladore é a atuação da semana.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!