Olhar TV

"A Dona do Pedaço" estreia abraçando o dramalhão, mas peca pela correria

Colunista analisa a estreia da nova novela das 21h da Globo

Maria da Paz e Amadeu se conheceram, se apaixonaram, transaram, casaram e ele morreu: tudo num capítulo só - Fotos: Reprodução/Twitter/Reality Social

Thallys Bruno
i

Thallys Bruno

Thallys Bruno Almeida é um grande fã de teledramaturgia brasileira e adora escrever sobre novelas e séries. Agora está no NaTelinha. Siga-o no Twitter: @thallysbalm

Publicado em 20/05/2019 às 22:41:37 Atualizado em 20/05/2019 às 23:57:11

Walcyr Carrasco está de volta ao horário das 21h. A presença do autor na teledramaturgia da Globo tem sido uma constante nos últimos anos, em função de sua capacidade de criar grandes sucessos em todos os horários. “A Dona do Pedaço”, que estreou nesta segunda-feira, tem a missão de levantar o horário nobre da emissora, prejudicado pelo pífio desempenho de “O Sétimo Guardião” (2018-19), inconsistente e apagada trama de Aguinaldo Silva.

Desta vez, a nova novela aposta em uma pegada assumidamente popular, com bastante romance, humor e dramalhão, aflorando bastante as emoções em contraste ao clima sombrio da novela anterior.

Desta vez, o autor vai contar a história de Maria da Paz Ramirez (Mirella Sabarense/Juliana Paes), herdeira de uma família de matadores da pequena Rio Vermelho (fictícia cidade ambientada no Espírito Santo). Sem querer seguir o destino do pai e apaixonada pela culinária (gosto herdado da avó, Dulce, vivida por Fernanda Montenegro), ela se apaixona por Amadeu Matheus (Marcos Palmeira), do clã rival.

Eles chegam a se casar em meio a uma suposta trégua, mas o rapaz leva um tiro em pleno altar e ela, ameaçada de morte, foge para São Paulo, onde se descobre grávida e, para sobreviver, começa a fazer bolos e vender na rua.
O sucesso dos bolos é tão grande que ela abre uma série de confeitarias à medida que o tempo passa. No entanto, a relação com a filha Josiane (Agatha Moreira) é repleta de problemas: a garota odeia o estilo humilde e espalhafatoso da mãe e, com a ajuda do playboy Régis (Reynaldo Gianecchini), irá prejudicar a boleira.

Ao mesmo tempo, as sobrinhas de Maria, Fabiana (Maria Clara Baldon/Nathalia Dill) e Virgínia (Duda Batista/Paolla Oliveira), também entram na mira dos Matheus. A primeira, capturada, é deixada em um convento e vira noviça, enquanto Virgínia, ao fugir com a mãe, Zenaide (MaeveJinkings), se perde nas ruas de Vitória, é encontrada e adotada por uma família rica e, ao crescer, se torna Vivi Guedes, uma digital influencer de sucesso. Fabiana reconhece a irmã através de um amuleto dado pela avó às duas e, com inveja da vida de sucesso que Vivi tem, decide se vingar da blogueira.

A pegada popular da história se reconhece logo no núcleo principal, com inspirações no clássico Romeu e Julieta, de Shakespeare, que norteia a guerra entre. Já a trama da filha gananciosa que tem vergonha da mãe humilde reedita um famoso clichê da teledramaturgia, que tem rendido comparações com a trama de Raquel (Regina Duarte) e Maria de Fátima (Glória Pires) em “Vale Tudo” (1988) – esta, bastante presente na novela das 19h, “Verão 90”. Também se pode perceber na trama de Maria da Paz um “quê” de Candinho, personagem otimista vivido por Sérgio Guizé em “Êta Mundo Bom” (2016), novela das seis do mesmo autor.

E o primeiro capítulo deixou claro que a novela irá mesmo abraçar o dramalhão rasgado. Um belo prólogo mostrou a paixão da menina pelos bolos e abriu caminho para uma segunda fase que mais parecia um faroeste, escancarando a rivalidade das famílias. Durante um passeio pelo campo, Maria da Paz se encantou por Amadeu e a paixão foi tão avassaladora que o peão já a elegeu como a mulher de sua vida.

Aliás, ressalve-se que neste entrecho o autor pareceu confundir agilidade com correria, pois em um mesmo episódio os dois já se beijaram, transaram, convenceram suas famílias a dar uma trégua e se casaram, embora Amadeu levasse um tiro de alguém escondido à espreita. É desse desencontro que vai se formar a saga heroica da mocinha, no entanto, ficou difícil engolir uma composição tão apressada – um defeito, aliás, cometido em novelas anteriores como “Tempo de Amar” (2017-18), “Pega Pega” (2017-18) e “Segundo Sol” (2018), que também pecaram pela paixão súbita inesperada de seus mocinhos – que, nas três, acabaram apagados por outros personagens.

No elenco, Juliana Paes já mostrou a que veio e acertou o tom de sua mocinha, repleta de emoções à flor da pele. Mirella Sabarense, embora tenha ficado pouco tempo, chamou atenção pela naturalidade. Fernanda Montenegro, mais uma vez em parceria com Walcyr, deixou claro o acerto do autor em investir em um tipo diferente, longe da imagem de dondoca elegante deixada por alguns de seus papeis anteriores (especialmente com Gilberto Braga e Sílvio de Abreu). Ao mesmo tempo, também foi um prazer rever Nívea Maria, Luiz Carlos Vasconcellos e Jussara Freire, esta última de volta à Globo após alguns anos na RecordTV. Por outro lado, Marcos Palmeira esteve apenas correto, o que não chega a ser um defeito em meio à excelência dos outros nomes.

Apesar da ressalva à construção do casal, o autor acertou em optar por um estilo mais rasgado logo de cara. A despretensão, comum às novelas de Walcyr às 18h, dá sinais de que pode funcionar bem melhor do que o ocorrido em suas novelas anteriores das 21h, “Amor à Vida” (2013-14) e “O Outro Lado do Paraíso” (2017-18), que começaram prometendo muitas inovações, mas falharam miseravelmente na metade do caminho.

“A Dona do Pedaço”, logo em seu primeiro capítulo, deixou claro: o público não deve esperar uma novela com texto refinado, ambientações sisudas ou profundas abordagens. O momento é o estilo popular sem medo de ser tachado de cafona, com os dois pés no dramalhão e boas doses de faroeste nesta primeira fase. A julgar pelo poder do autor de conquistar o público e das falhas da fórmula soturna da malfadada “O Sétimo Guardião”, a mistura pode ficar deliciosa.

Os próximos capítulos dirão se o sabor deste “bolo” continuará agradável.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!