Análise

Hilária, “Cine Holliúdy” se mantém fiel ao espírito dos filmes

Coluna Olhar TV analisa a estreia do seriado "Cine Holliúdy" na Globo

Hilária, “Cine Holliúdy” se mantém fiel ao espírito dos filmes
Foto: Marcos Rosa/ TV Globo

Thallys Bruno
i

Thallys Bruno

Thallys Bruno Almeida é um grande fã de teledramaturgia brasileira e adora escrever sobre novelas e séries. Agora está no NaTelinha. Siga-o no Twitter: @thallysbalm

Publicado em 09/05/2019 às 06:00:27

Com o encerramento do “BBB19” e a suspensão da faixa de “superséries” (novela das 23h) neste ano – em virtude do cancelamento de uma sinopse e do adiamento de outra –, a Globo decidiu aproveitar o espaço e montar uma linha de shows essencialmente baseada em seriados, com o lançamento das novas temporadas de “Carcereiros” e “Sob Pressão”, a estreia da elogiada “Assédio” (originalmente destinada para a plataforma GloboPlay) e um novo produto no campo do humor: “Cine Holliúdy”, a divertida série de Halder Gomes baseada no filme homônimo de 2013.

Iniciada na última terça-feira (06), a obra baseada no longa do diretor cearense – que por sua vez deriva de um curta-metragem lançado em 2004 e ganhou recentemente a continuação “A Chibata Sideral”, – retrata de forma hilariante e engraçadíssima a saga de Francisgleydisson (Edmilson Filho), um homem apaixonado pela sétima arte que tenta resistir com seu cinema contra o avanço da popularização da televisão no interior nordestino.

A série toma algumas liberdades em relação ao filme, a começar pela equipe, cujo roteiro final passa pelas mãos dos experientes Márcio Wilson e Cláudio Paiva e a direção artística é comandada por Patrícia Pedrosa, tendo o próprio Halder como um dos diretores.

Também se diferencia a ambientação, desta vez focada na fictícia cidade de Pitombas, sertão do Ceará – enquanto nos filmes o enredo é baseado em Pacatuba, município real, vizinho à capital Fortaleza.

Ainda assim, o grande espírito dos filmes segue vivo e divertido: é justamente a luta de Francis pela resistência de seu cinema frente à chegada da TV, patrocinada pelo prefeito Olegário (Matheus Nachtergaele), um típico “coronel” do interior, casado com Maria do Socorro (Heloísa Perissé). Ao mesmo tempo em que conta com o melhor amigo, o engraçadíssimo Munízio (vivido pelo excelente Haroldo Guimarães) para manter o cinema, ele se encanta pela belíssima Marilyn (Letícia Colin), enteada do prefeito, e que também se envolverá na paixão do protagonista pela sétima arte, com estilos para todos os gostos e públicos.

As confusões envolvendo o duelo entre a TV e o cinema e os tipos pitorescos da região, que tanto divertiram nos dois longas, seguem hilárias na série, cujo roteiro valoriza o dialeto cearense – curiosamente, o estado é um dos grandes celeiros de humoristas brasileiros, como os experientes Renato Aragão, Tiririca e Tom Cavalcante e o saudoso Chico Anysio.

Elenco talentoso

No talentoso elenco, todos se destacam, desde nomes menos conhecidos, como o próprio Haroldo Guimarães, que forma uma impagável dupla com o talentosíssimo Edmilson Filho, assim como Carri Costa e Solange Teixeira, que vivem Lindoso (vendeiro e opositor do prefeito) e a esposa Solange, apaixonada pelas novelas; até talentos consagrados como Heloísa Perissé, Frank Menezes, Matheus Nachtergaele (excelente em tipos nordestinos) e Letícia Colin (belíssima e esbanjando versatilidade). Pontue-se ainda a ótima narração do cantor Falcão, que interpreta o cego Isaías nos dois filmes e ainda dueta com Elba Ramalho na abertura, um engraçado repente exaltando as qualidades da TV e do cinema.

Cabe aqui destacar uma ressalva: por ser exibida antes da densa e dramática Carcereiros, desenha-se um cenário de programas diametralmente opostos e sem uma interligação um com o outro. Seria mais adequado que a série fizesse uma dobradinha de humor com o “Lady Night”, de Tatá Werneck; enquanto “Carcereiros” poderia fazer uma dupla dramática com “Sob Pressão”.

Ainda assim, “Cine Holliúdy” estreou divertindo o público e mostrando o imenso valor artístico da comédia nordestina, dando também espaço a nomes raramente vistos na televisão e que protagonizam grandes momentos com seus tipos pitorescos em meio à disputa entre a resistência do cinema e a popularização da televisão. Toda a equipe merece elogios por, em meio às modificações estruturais, manter vivo o espírito dos filmes, saber fazer o público gargalhar com as situações apresentadas e valorizar a obra de Halder Gomes – haja visto sua excelente audiência de estreia.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!