Sandro Nascimento
Reportar erro
Coluna do Sandro

Sem Faustão e com Huck, Globo monta grade tampão e causa espanto no mercado

Globo toma decisões no improviso para suprir falta do Domingão do Faustão

Faustão Silva segurando microfone na Globo, à esquerda, e Luciano Huck sorrindo para fotos no palco do Caldeirão, à direita, montagem NaTelinha
Faustão acerta com a Band e Luciano Huck assume seu lugar na Globo - Foto: Montagem
Sandro Nascimento

Publicado em 26/07/2021 às 05:00:10,
atualizado em 26/07/2021 às 13:41:57

A saída de Fausto Silva da Globo teve um impacto mais intenso nos bastidores da emissora do que na programação de domingo. No comunicado enviado à imprensa na última quinta-feira (22), o canal expôs uma situação interna que feriu algo que sempre a distanciou dos seus concorrentes: o profissionalismo. Para suprir a ausência do Domingão do Faustão, que permaneceu no ar por 32 anos, a Globo aposta agora no improviso e em programas tampões.

Na nota, a emissora informou as mudanças na grade vespertina do final de semana. No sábado, decretou o fim do Se Joga, quatro meses depois do seu retorno que nunca foi justificado. Em seu lugar, a partir do dia 4 de setembro, uma sessão de filmes e a permanência do Caldeirão sem Huck e, faltando um mês e meio para sua estreia, com um novo apresentador ainda não escolhido.

Aos domingos, Tiago Leifert encerra sua curta colaboração na grade tampão e passa o cargo para Luciano Huck, que comandará o novo Domingão, após o futebol. Além disso, Fernanda Gentil será a nova aposta à frente de um game previsto para estrear em outubro. “Em janeiro, Huck estreará a temporada 2022 do Domingão com muitas novidades”, encerrou o comunicado.

Resumindo, a Globo colocará no ar um Domingão improvisado até o fim do ano. Para em 2022, formatado pela equipe, Luciano estrear de fato o novo projeto. No mercado televisivo, a coluna conversou com alguns executivos e diretores nos últimos dias, quando uma frase se repetiu e chamou atenção: pela primeira vez a Globo demostrou estar perdida.

A Globo não preparou o futuro, mas formou ótimos folguistas e nenhum titular para assumir a grade nos fins de semana. Ana Furtado, André Marques, Patricia Poeta... Tudo folguista. Ao mercado, mostra que, ao contrário do que todos pensavam, eles não tinham plano B.

Nos seus 56 anos, a emissora sempre foi referência no mundo em administrar televisão de qualidade. Do sinal recebido na casa do telespectador ao seu know how em produzir dramaturgia, entretenimento e jornalismo. Sempre projetando decisões futuras baseadas em competentes pesquisas de consumo de mercado. Um modelo de negócio, inclusive, que já foi exportado.

Comunicado da Globo feriu história da emissora

Dito isso, ter um canal como a Globo no Brasil é motivo de celebração. Movimentos partidários, como Globolixo, são bobagens lideradas por pessoas que nunca deixaram de assistir ao Jornal Nacional e novela das 21h. A Globo, assim como o SBT, Record, Band e RedeTV!, atende interesses econômicos,  institucionais e políticos de seus donos.

Ninguém fica no ar como líder de audiência, absoluto, em um país com mais de 200 milhões de pessoas, por tanto tempo se não for pela competência. Porém, o comunicado enviado expôs uma fragilidade na emissora que destoa da sua história.

Ao menos, poderiam ter segurado um pouco mais até a decisão do novo apresentador do Caldeirão e evitado um ruído negativo maior no mercado. Com a saída intempestiva de Fausto Silva, agora a Globo faz seus improvisos, como sempre fizeram a RedeTV!, Band, SBT e Record.