Não vingou

Cinco motivos explicam por que o Se Joga fracassou na Globo

Programa não funcionou e continuou perdendo para Record

Cinco motivos explicam por que o Se Joga fracassou na Globo
Apresentadores do Se Joga - Foto: Divulgação/Globo

Publicado em 20/05/2020 às 04:59:00

Por: Redação NT

O Se Joga estreou no ano passado gerando muita expectativa na Globo, porque era enxergado como o substituto do Vídeo Show (1983-2019) e representava a estreia de Fernanda Gentil no entretenimento. Em menos de um ano, o programa não emplacou e corre sérios riscos de ser cancelado.

Nos bastidores da emissora, uma parte da equipe do programa foi realocada e alguns já se despedem dos colegas de produção em grupos de WhatsApp. A emissora nega o fim do Se Joga, porém, o NaTelinha apurou que ela já pensa numa nova atração para substituí-lo na programação vespertina.

No ultimo domingo (17), em uma live do portal Bahia Notícias, Paulo Vieira informou que a atração havia acabado. "O programa (Se Joga) não volta. Acho que essa notícia já foi dada. Não volta, pelo menos já me deram o tchau", contou o humorista.

A Globo justificou a afirmação de Paulo Vieira da seguinte forma: "Na verdade, o Paulo quis dizer que o quadro [Isso é Muito Minha Vida] dele no Se Joga se encerrou (na verdade, já havia sido encerrado antes da pandemia). O programa, assim como o Mais Você, não tem previsão de retorno à grade, diante do atual cenário de saúde pública". O NaTelinha apurou que a declaração do comediante gerou um desconforto entre os apresentadores do vespertino.

Em março, o Se Joga saiu do ar junto ao Encontro com Fátima Bernardes. A Globo ampliou o tempo dedicado ao jornalismo para a cobertura da pandemia da Covid-19 e os números cresceram no período da tarde. O Jornal Hoje tem tido índices que giram entre 14 e 16 pontos, quase o dobro do programa vespertino. A emissora ainda não anunciou planos de retomar a atração, ainda que o programa de Fátima já tenha voltado ao ar.

Mas o que aconteceu para a atração não ter dado certo? A reportagem lista cinco motivos que podem ter feito a produção não alcançar a audiência desejada pela Globo.

Confira:

Audiência

O Se Joga tinha como função recuperar a audiência perdida no horário e manter a liderança isolada, freando o crescimento do Hora da Venenosa, quadro apresentado por Fabíola Reipert no Balanço Geral.

Contudo, apesar da grande divulgação e expectativa em torno do programa, a emissora não viu seus números crescerem no Ibope – sempre girando entre 7,0 e 9,0 pontos – e as derrotas para a Record se tornaram frequentes – o jornalístico da Record costuma a manter os dois dígitos no horário dedicado ao mundo das celebridades.

Em dezembro, o Se Joga completou 50 edições desde a estreia e, neste período, o vespertino criado pela Globo perdeu para o Hora da Venenosa em 48 confrontos. O programa comandado por Fernanda Gentil, Fabiana Karla e Érico Brás amargou a vice-liderança em 96% do tempo.

De acordo com dados da Kantar Ibope a que o NaTelinha teve acesso na época, o Se Joga tinha era um dos programas com a participação mais baixa de televisores sintonizados na Globo, tendo uma média de 19,6% de share, enquanto o Hora da Venenosa tinha 23,3% entre setembro e dezembro de 2019.

Até o SBT já se favoreceu pelo mau desempenho do Se Joga. The Thundermans, série infanto-juvenil do canal de Silvio Santos, anotou 7,4 no dia 6 de dezembro, enquanto a atração global consolidou com 6,9, ocupando a terceira colocação.

Fofoca do bem

Para bater o Hora da Venenosa, o Se Joga prometeu falar da vida das celebridades, principalmente daqueles que faziam parte do casting da Globo. Porém, se Fabíola é conhecida por ser irônica e provocativa ao noticiar o mundo dos famosos, Fernanda Gentil alegou que a atração global faria “fofoca do bem”.

O estilo de falar da vida dos famosos era light, mostrando apenas o que os artistas queriam e sem nenhum tipo de polêmica. No fim, a “fofoca do bem” não agradou o público e o telespectador se manteve na Record.

Fernanda Gentil

Fernanda Gentil ganhou muito prestígio pelo seu estilo no jornalismo e sua ida ao entretenimento gerou expectativa. Contudo, a demora para desenvolver o Se Joga e a informação que pesquisas internas da Globo indicavam rejeição do público mais velho com a apresentadora, preocupou os especialistas e foi cogitada uma possível ida dela para a geladeira.

Mas em agosto, a emissora confirmou o programa e anunciou que Fernanda dividiria o palco com Érico Brás e Fabiana Karla. A jornalista não conseguiu se encaixar na proposta do Se Joga – ficou nítido na gritaria praticada pelo trio – e viu Fabiana ganhar espaço na atração, tornando-se a cara da produção.

Atração retalhada

Com três apresentadores, já ficou difícil encontrar uma identificação. A cada edição, o programa foi atirando para todos os lados, apostando nos mais variados quadros, como entrevistas com celebridades, aulas de inglês, papo sobre sexo, quadros de humor com Marcelo Adnet, Dani Calabresa e Paulo Vieira, entre tantas outras coisas.

A tentativa era fisgar o público com algum quadro e mantê-lo como carro-chefe. Sem foco, nada agradou e a atração apenas ficou marcada como um retalho e sem uma identidade.

Nome

No meio de tanta bagunça, o caso que representa o quanto o programa já nasceu de maneira equivocada é o seu nome. Quando a Globo solicitou o título da atração no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), responsável pelos registros de marca no Brasil, descobriu que Naldo Benny também tentava ter direito de uso da marca.

A Globo não foi autorizada em ficar com o registro do nome, mas a decisão não se deu por conta da disputa com o cantor, já que o processo do funkeiro ainda está em análise e o indeferimento se deu por conta de duas marcas já registradas anteriormente.

No despacho, o instituto explicou a decisão: “A marca reproduz ou imita os seguintes registros de terceiros, sendo, portanto, irregistrável de acordo com o inciso XIX do Art. 124 da LPI: Processo 908953828 (SE JOGA BETH ROMERO) e Processo 904761347 (Grupo Se Joga). Art. 124 - Não são registráveis como marca: XIX - reprodução ou imitação, no todo ou em parte, ainda que com acréscimo, de marca alheia registrada, para distinguir ou certificar produto ou serviço idêntico, semelhante ou afim, suscetível de causar confusão ou associação com marca alheia”, diz trecho do documento.

Os registros apontados pelo INPI como impeditivos para a Globo chancelarem o Se Joga no INPI estão regulares e possuem o direito por vários anos, segundo levantamento da reportagem. A Globo está recorrendo.

publicidade




LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!