Segundo revista

Globo cobra mais caro por cotas de futebol em 2021 mesmo sem Libertadores

Emissora confia em Rodrigo Maia para barrar MP de Bolsonaro

 Globo cobra mais caro por cotas de futebol em 2021 mesmo sem Libertadores
Os narradores Cleber Machado, Galvão Bueno e Luis Roberto, da Globo - Foto: Divulgação/TV Globo

Redação NT

Publicado em 01/10 às 18:00:00

Mesmo sem a Copa Libertadores da América, que migrou para o SBT, a Globo elevou o preço das cotas de patrocínio para anunciar nas transmissões de futebol em 2021. A emissora carioca tentou reduzir em 30% o valor do contrato com o torneio continental, porém a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol), recusou a oferta de US$ 45,5 milhões e aceitou uma menor, da rede de Silvio Santos, válida até 2022.

continua depois da publicidade

Segundo a revista Veja, a Globo divulgou às agências de publicidade que pretende arrecadar R$ 311 milhões em cada uma de suas seis cotas de patrocínio. O valor atual por patrocinador gira em torno de R$ 307 milhões.

O pacote oferecido às empresas prevê a transmissão de 63 jogos ao vivo em 2021, o que representa 22 partidas a menos que na atual temporada. Com isso, a emissora quer faturar R$ 1,87 bilhão.

continua depois da publicidade

Globo confia em Rodrigo Maia para barrar MP de Bolsonaro

A Globo, nos bastidores, acredita que a Medida Provisória 984, conhecida como MP do Mandante e apoiada pelo presidente Jair Bolsonaro, irá caducar. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), não se interessa em colocar o texto para a apreciação dos parlamentares.

A MP daria aos clubes o direito de vender os direitos de transmissão das partidas "em casa", prejudicando o acordo milionário já firmado com a Globo, por isso o apoio de Bolsonaro. Com a ajuda de Maia, a emissora se vê em condições de se sair mais favorecida e, por isso, elevou o valor das cotas.

continua depois da publicidade

Os patrocinadores atuais (Vivo, Itaú, Casas Bahia, Chevrolet, Ambev e Hypera Pharma) ainda têm a preferência para fechar acordo pelo pacote do próximo ano.

TAGS: