Reportar erro
Caso Henry

Datena detona mãe de Henry sobre suposta participação na morte do filho: "Maldita"

Apresentador deu sua opinião sobre crime que assustou o Brasil

Datena com o dedo levantado durante o Brasil Urgente
Datena critica mãe de Henry sobre suposto assassinado - Foto: Reprodução
Redação NT

Publicado em 08/04/2021 às 17:05:00,
atualizado em 08/04/2021 às 17:30:41

Durante o Brasil Urgente desta quinta-feira (8), José Luiz Datena deu sua opinião sobre o caso Henry e soltou o verbo contra a mãe do menino, Monique Medeiros, e o padrasto dele, o vereador Dr. Jairinho. O apresentador relembrou a morte do menino, que, segundo os investigados havia falecido após cair da cama, no mês passado. Contudo autoridades do Rio de Janeiro apontam indícios de que Henry foi assassinato pelo padrasto e que a mãe do menino sabia da violência contra o filho.

Ao anunciar a prisão dos dois investigados no suposto crime, Datena não poupou palavras e disparou contra a mãe do menino. "O padrasto e a mãe foram pra cadeia. Maldita mesmo! Igual o caso dos Nardoni em que o pai é pior que a madrasta. Canalhas", afirmou o jornalista ao conversar com Cátia Fonseca sobre o caso Henry, relembrando também o assassinato da menina Isabella Nardoni, cometido pelo pai e madrasta dela em 2008.

Veja o vídeo a partir do minuto 13:

O jornalista não tem papas na língua e sempre dá sua opinião durante o Brasil Urgente. Recentemente, Datena mandou indireta ao vivo e chamou pra briga.

Sem citar nomes, o apresentador repudiou pessoa que não quer que ele fale o que pensa durante a atração. Datena é conhecido por ter suas opiniões fortes e critica empresários e políticos de diversos partidos e ideologias.

Datena repreende delegado ao vivo

Em outra ocasião, o apresentador puxou a orelha do delegado Osvaldo Nico Gonçalves por conta de uma resposta que não foi bem recebida pelo apresentador. O jornalista mostrava um vídeo de supostos membros do PCC mandando fechar um baile funk por conta da aglomeração. Na gravação, aparece um homem dando tiro pra cima pela avenida de um bairro de São Paulo. Ao citar a inusitada ação de suspeitos, ele indagou o delegado de polícia.



Mais Notícias