Ano difícil

Um Lugar ao Sol e A Usurpadora: O que deu errado nas novelas em 2021

Foi um ano difícil para a dramaturgia brasileira


Cena de Um Lugar ao Sol com Lara chorando
Novela Um Lugar ao Sol foi uma das coisas que deu errado em 2021 - Foto: Reprodução/Globoplay

O ano de 2021 marcou o retorno das novelas inéditas para a TV brasileira após o hiato por conta da Covid-19. Mesmo assim, foi muito complicado e muita coisa acabou não saindo como as emissoras planejaram. Um exemplo clássico é a produção das 21h, da Globo, Um Lugar ao Sol que, mesmo sendo elogiada pela média da crítica, derrubou os índices de audiência a números nunca vistos. Assim como a nova A Usurpadora, exibida em horário nobre no SBT, mas que fracassou do primeiro ao último capítulo.

Quando se pensa no que deu errado na dramaturgia em 2022, é impossível ignorar Um Lugar ao Sol. A novela de Lícia Manzo, protagonizada por Cauã Reymond, Andreia Horta e Alinne Moraes vem conseguindo bons elogios da crítica, mas em termos de audiência, o resultado é desastroso. A primeira produção inédita da faixa das 21h desde o início da pandemia, amarga o pior desempenho da faixa na história, com média de 22,7 pontos em 39 capítulos.

Parte da audiência fugiu com a reabertura de eventos no país após longo tempo de restrições, mas dificilmente alguém imaginaria que, após tantas reprises, uma novela inédita iria tão mal no Ibope. Assim como a novela das 19h, Quanto mais Vida, Melhor!, que segue sem conquistar o telespectador e amarga média de apenas 20,1 pontos até aqui. Os índices baixos também são explicados, internamente na Globo, pelo período em que as produções foram ao ar: a partir de novembro.

Quem também não conseguiu fazer funcionar foi Nos Tempos do Imperador. Gravada parte antes da pandemia e muito durante, a continuação de Novo Mundo não apenas fracassa na audiência, como vem reunindo inúmeras polêmicas, como o racismo reverso, que foi muito criticado quando a cena acabou indo ao ar.

A Usurpadora no SBT

Um Lugar ao Sol e A Usurpadora: O que deu errado nas novelas em 2021

Mas não foi apenas a Globo quem teve o que se lamentar em 2021, já que o SBT também sofreu muito com sua dramaturgia. A começar pela aposta ousada de exibir novela latina em pleno horário nobre e com uma estreia muito conhecida: A Usurpadora. A trama que narra a história das irmãs Paulina e Paola ficaram marcadas na mente dos brasileiros por conta da outra versão, dos anos 90. Mas a aposta não deu certo e a produção amargou um índice ínfimo de audiência. Tanto que a faixa, reservada para novas novelas latinas, acabou sendo cancelada logo depois. 

A emissora ainda teve de lidar com a debandada geral de público em suas produções infantis. As reprises de Chiquititas e, mais recentemente, de Carinha de Anjo, não chegaram nem perto dos áureos tempos da faixa e amargaram o terceiro lugar na audiência o tempo todo.

O que deu certo

Um Lugar ao Sol e A Usurpadora: O que deu errado nas novelas em 2021

Quando se fala no que deu errado na dramaturgia, é impossível ignorar que também houve o que deu certo. Gênesis, a novela bíblica da Record, mostrou-se um acerto, mesmo cum proposta diferente de narrativa. A produção recolocou a emissora na vice-liderança e conquistou momentos de altos índices no Ibope. Se as produções da Globo ficaram em baixa, o mesmo não se pode dizer dela.

Já as séries também tiveram uma trajetória de alta em 2021, tanto na TV aberta quanto no streaming. É o caso de Cidade Invisível e Sintonia, ambas da Netflix, além de Manhãs de Setembro, da Prime Video e Filhas de Eva, no Globoplay. Por falar na plataforma da Globo, a inserção de novelas antigas foi outro acerto, assim como - ao menos em termos de audiência - a nova temporada de Verdades Secretas.

Participe do nosso grupo e receba as notícias mais quentes do momento.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do Telegram.

Participe do grupo
Mais Notícias