Reportar erro
Exclusivo

Odaílson de Quanto Mais Vida, Melhor casou de forma virtual com o carro do ovo passando na porta

Thardelly Lima teve dez dias para organizar sua mudança da Paraíba para o Rio de Janeiro

Thardelly Lima como Odaílson de Quanto Mais Vida, Melhor! de camisa florida com garrafa de água na mão
Odaílson (Thardelly Lima) faz de tudo para conquistar Deusa (Evelyn Castro), em Quanto Mais Vida, Melhor! - Reprodução/TV Globo
Jéssica Alexandrino

Publicado em 16/12/2021 às 04:21:00

Thardelly Lima está fazendo os telespectadores de Quanto Mais Vida, Melhor! darem boas risadas com seu simpático Odaílson. Para dar vida ao motorista de Guilherme (Mateus Solano), o ator teve 10 dias para organizar sua mudança da Paraíba para o Rio de Janeiro, onde ficaria por um ano se dedicando à novela das sete da Globo. Como ele e a então namorada gostariam de se casar antes dessa empreitada, a solução foi fazer os votos matrimoniais de forma virtual, em outubro de 2020. "De convidados, eram só nossos pais, irmãos e cunhados, com quem já estávamos juntos na quarentena. Foi tudo muito lindo, delicado e simbólico. A parte mais engraçada foi o carro do ovo passando no momento em que o juiz fez a pergunta crucial 'Thardelly, você aceita Helena como sua legítima esposa?'. Corta para 'Vai passando o carro do ovo na sua porta'. A gente transmitiu o casamento para amigos e parentes por meio de uma live. Nesse momento foi uma gargalhada generalizada. Nunca vamos esquecer isso", conta, aos risos, em entrevista ao NaTelinha.

A resposta positiva da equipe de produção da trama de Mauro Wilson veio após dois dias de testes. No primeiro, Thardelly estava concorrendo a outro papel, mas perguntaram se ele poderia voltar no dia seguinte porque queriam testá-lo em outro personagem, junto com uma atriz.

"No caso, era Evelyn Castro. Nos conhecemos no dia do teste e foi tudo muito incrível. Fizemos as cenas que nos deram e já rolava muita risada na sala. Lembro que tinha muita gente assistindo, parecia um anfiteatro. A pedido da direção, improvisamos mais de uma cena. Eles davam o texto pra gente ler rapidinho e logo em seguida já encenávamos. A gente se divertiu muito", lembra.

A parceria de Odaílson e Deusa, personagem de Evelyn, já ganhou a torcida do público da novela, que já está até shippando o casal, que vive uma relação de gato e rato. "A galera na internet já jogou um #deulsailson. Me divirto muito assistindo as cenas porque a gente já gravou tudo e não sabemos como foram editadas. Nós improvisamos bastante, tivemos liberdade para isso, daí a cada capítulo é sempre uma grata surpresa. Morro de rir acompanhando a novela em tempo real pelo Twitter. A galera é muito criativa nos comentários, tô amando esse público", diz, sem dar muito spoiler do que vem por aí na vida dos funcionários dos ricaços da história.

"Deusa e Odaílson são o retrato falado daquele início conturbado e desconfiado de muitos relacionamentos. Odaílson tá muito emocionado. Deusa deu a mão e ele já queria o braço, mas ela não é moleza não! Esse estica e puxa vai render muito. O que posso adiantar é que a ciumeira e a sofrência estão só começando", promete.

Sobre sua parceira de cena, com quem teve uma identificação instantânea, Thardelly é só elogios. "Evelyn foi um presentão! Aquela ali tem um chip ilimitado de criatividade. Gênio! A gente criou um ambiente muito saudável de trabalho que, naturalmente, se estendeu pra vida. Ela é daquelas amizades que a gente não quer perder de vista", exalta.

Odaílson de Quanto Mais Vida, Melhor casou de forma virtual com o carro do ovo passando na porta
Odaílson (Thardelly Lima) cantando uma música de seu ídolo, Jorge Vercillo, para Deusa (Evelyn Castro) - Reprodução/TV Globo

Bacurau foi o passaporte para o Odailson de Quanto Mais Vida, Melhor! entrar na Globo

Thardelly Lima começou a fazer teatro em 1997, mas sua trajetória no audiovisual começou há apenas cinco anos. Dos 11 filmes dos quais participou, Bacurau foi o divisor de águas. "Foi Bacurau que jogou meu nome na roda, na mesa e nas vitrines. Inclusive, foi meu passaporte para fazer o teste de Quanto Mais Vida, Melhor!", destaca, falando do longa de 2019, dirigido por Kleber Mendonça Filho.

Antes de entrar para o elenco fixo da atual novela das sete, o ator fez uma pequena participação como um zelador em Amor de Mãe (2019). Sobre praticamente emendar uma trama na outra logo de cara, ele revela que ficou bastante apreensivo.

"Costumo brincar que só faltava fazer novela pra fechar a tríplice aliança do ator, que é fazer teatro, cinema e televisão. Só faltava isso! Nos primeiros dias foi assustador. No teatro, meu friozinho na barriga dura só antes de entrar em cena. Depois que começa o espetáculo, já era! Mas, no início das gravações da novela, minha Nossa Senhora dos Desmaiados, o friozinho não era só na barriga, era no corpo todo, acho que até nos cabelos. [risos] Acho que só lá pro segundo mês é que fui começando a me acostumar com tudo. Aí, depois disso, foi só ladeira abaixo, no melhor sentido da frase", conta.

Thardelly se sente feliz de poder falar com seu sotaque paraibano enquanto interpreta Odaílson e afirma que isso agrada o povo do seu estado. "Todos os dias recebo mensagens de conterrâneos vibrando por eu manter o meu sotaque. Eles se reconhecem na minha fala e se sentem representados. Eu vibrei muito e comemoro isso até hoje. Considero uma vitória, não só minha, mas de toda uma região, minha nação Nordeste! Representatividade é isso", ressalta.

"Acredito que o sotaque do personagem, seja ele médico, professor, astronauta, bombeiro, empresário ou cientista, não tem significado nenhum para a trama. A não ser que seja uma obra específica, na qual o sotaque desse personagem seja imprescindível para aquele contexto. A grande questão é que já deu essa história de sotaque neutro. De neutro, eu só conheço sabão e detergente! O Brasil é maravilhoso por sua diversidade, cada lugar tem sua peculiaridade na fala e neutralizar isso é perder a oportunidade de deixar o Brasil se conhecer e se reconhecer"

Thardelly Lima

Em Quanto Mais Vida, Melhor!, o motorista se define como metade paraibano e metade tijucano, se referindo ao bairro da Tijuca, na Zona Norte do Rio, onde mora. "Amo a Tijuca! Vejo muito da minha cidade, Cajazeiras, na Tijuca. O comércio, as pessoas, os botecos, a gente sente o carinho e o pertencimento dos moradores por aquele lugar", vibra o ator.




Participe do nosso grupo e receba as notícias mais quentes do momento.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Participe do grupo
Mais Notícias