Botou banca

Netflix desafia Rússia e se nega a adicionar canais estatais do país

Rússia é um dos 190 países que a Netflix está disponível


Logo da Netflix na bandeira russa
Netflix na Rússia: serviço pode ficar ameaçado - Foto: Ilustração

A Netflix anunciou nessa segunda-feira (28) que não irá adicionar canais estatais russos ao serviço de streaming no país. A negativa ocorre depois dos ataques na Ucrânia. "Diante da atual situação, nós não temos planos de adicionar esses canais ao nosso serviço", explicou um porta-voz da empresa.

No país transcontinental, a Netflix começou a operar em outubro de 2020 e começaria a seguir aos regulamentos locais nesta terça-feira (1º). Como empresa de serviço audiovisual e com mais de 100 mil inscritos no país, ela seria obrigada a distribuir 20 canais de notícias, entretenimento e esportes com sinal aberto.

Não houve esclarecimento se a Netflix falou com alguma autoridade russa sobre o acaso. Não se sabe, ainda, de que maneira a empresa será afetada na Rússia. Outras gigantes como Facebook, Instagram e TikTok também se manifestaram que vão criar restrições a canais estatais.

Ucrânia sofre bombardeio da Rússia

Este é o sexto dia de guerra no leste europeu. A segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv, já foi tomada pelos russos. Kiev ainda continua sob bombardeio. Mais de 500 mil pessoas já fugiram do país e a expectativa é que haja refugiados em massa nas próximas horas.

Enquanto isso, até uma das TVs locais tem ensinado os moradores a se armarem. Uma emissora ucraniana mostrou como se faz coquetel molotov. Outra rede do país vem transmitindo seu noticiário de uma garagem, para evitar que jornalistas e funcionários sejam alvos de ataque.

Desde que o conflito da Rússia com o país se instalou, na última semana, emissora vem bolando estratégias para continuar protegendo seus empregados e informando a população sobre o que vem acontecendo no país.

Participe do nosso grupo e receba as notícias mais quentes do momento.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Participe do grupo
Mais Notícias