Opinião

Cameron Boyce e Rafael Miguel: O fenômeno das redes sociais bombarem após morte

Porque as pessoas passam as seguir seus ídolos na web como, Cameron Boyce e Rafael Miguel, depois de morrerem? Confira

Cameron Boyce e Rafael Miguel: O fenômeno das redes sociais bombarem após morte
Montagem NaTelinha

Publicado em 14/07/2019 às 05:33:28 ,
atualizado em 14/07/2019 às 11:58:42

Por: Redação NT com Danilo Strano

Em um mundo onde já não é necessário postar conteúdo de qualidade para ter audiência, não nos assustaria tanto o fato de que perfis de personalidades que já morreram tenham tanto engajamento. Mas por que isso acontece?

O caso mais recente teve como protagonista o ator Cameron Boyce, de apenas 20 anos, que faleceu no último sábado, 6 de Julho. O ator, conhecido por protagonizar algumas séries do Disney Channel, teve uma convulsão causada por um quadro de epilepsia e não resistiu.

Porém, suas redes sociais, em especial o Instagram, chamaram a atenção na última semana. Por mais improvável que pareça, o perfil de Cameron teve um aumento de mais de 100% em sua base de seguidores, chegando aos 15,2 milhões no dia 10 de Julho. O número de likes em suas fotos, que raras vezes ultrapassava 1 milhão, chegou a 9,7 milhões na foto mais recente.

No Brasil, o jornalista Paulo Henrique Amorim, que faleceu no último dia 10, teve um crescimento de 32% na base de seguidores no Instagram em menos 24h após sua morte ser anunciada.

A mesma situação aconteceu, em escala menor, pouco tempo antes com o ator brasileiro Rafael Miguel. O perfil no Instagram do ator cresceu significantemente após sua morte, e continua crescendo.

Uma provável explicação para o aumento no engajamento do conteúdo dos dois atores é o grande número de mensagens e homenagens para ambos. Mas por que segui-los?

Marina Joyce 

Um episódio não tão fatal comoveu a internet em 2016, quando a Youtuber Marina Joyce chegou aos trending topics no twitter com a hashtag #SaveMarinaJoyce. Os seguidores da Youtuber encontraram vários pedidos de socorro escondidos em seus vídeos e mobilizaram a internet para denunciar os supostos abusos. O número de inscritos de Marina triplicou até que, para alívio de todos, foi confirmado de tudo não passou de um boato que Marina, ao ver o crescimento de seu canal, não fez questão de desmentir.

Esse tipo de situação nos lembra um pouco o segundo episódio da segunda temporada de Black Mirror, White Bear, onde uma multidão de espectadores não move um dedo para ajudar a protagonista que está, aparentemente, sendo perseguida até a morte.

Já vimos diversos casos de depressão entre os influenciadores pelo simples fato de que as pessoas esquecem que esses profissionais são pessoas de verdade, que leem as críticas negativas sem fundamento e cheias de ódio e absorvem isso para si.

A questão a ser levantada é: As redes sociais estão nos tornando meros espectadores? Por que agimos como se estivéssemos assistindo a um filme onde nenhuma das pessoas envolvidas é real?

________________________________________________________________________________________________________________________________

*Danilo Strano é sócio e diretor de planejamento da empresa Tubelab (Agência de marketing de influenciadores e desenvolvimento de conteúdo digital). 

__________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!