Reportar erro
Exclusivo

Globo muda critério de aprovação de novelas para economizar

Novas regras vão gerar economia para o canal

Thelma Guedes e Duca Rachid
Globo mudou forma de pagar novelistas, como Thelma Guedes e Duca Rachid - Foto: Reprodução
Daniel César

Publicado em 25/03/2021 às 04:15:00,
atualizado em 25/03/2021 às 10:32:12

A Globo mudou seu principal critério para aprovação de novelas e a decisão não passa pela área criativa e muito menos como estratégia artística, mas pelo departamento financeiro, como forma de economizar custos. A partir de agora, qualquer projeto só ganha o sinal verde do canal após dois blocos de capítulos estarem aprovados pelo setor de dramaturgia, diferente do que ocorria antes, quando a sinopse aprovada já gerava mudança financeira na vida dos autores.

Segundo apurou o NaTelinha, os novelistas possuem uma cláusula contratual chamada de aplicação, o que significa que, quando está produzindo algo com aprovação da emissora, seu salário tem um adendo de 30% no mês. Esse adicional foi criado na era Boni como forma de incentivar os autores por conta do faturamento alto que as novelas passaram a receber entre os anos 80 e 90.

Não era raro, até o início deste ano, que projetos recebessem o aval para serem produzidos, ganhando equipe e aplicação com apenas um argumento aprovado. Foi o caso de Amor à Vida (2013), quando Walcyr Carrasco recebeu direito a equipe e a aplicação, aumentando seu salário quase um ano antes da trama ir ao ar. Os exemplos de casos assim se multiplicam, como aconteceu ainda com Gloria Perez em A Força do Querer (2017), que ganhou equipe na fase de pesquisa da sinopse.

Mas isso acabou com a nova gestão de dramaturgia da Globo, comandada por José Luiz Villamarim. A partir de agora, nenhum roteirista terá sinal verde para produzir sua novela sem antes entregar dois blocos de capítulos para serem analisados pelo departamento. Isso significa dizer que, após o argumento e a sinopse, o novelista terá de escrever 12 capítulos por conta própria antes de ter a garantia de que a produção será levada adiante.

O NaTelinha conversou com três autores que estão na fila com histórias prontas e em fases diferentes e todos confirmaram a informação. Segundo eles, a ordem agora é de que equipe somente poderá ser formada depois que os dois primeiros blocos estiverem aprovados. Além de ter que trabalhar sozinhos nos primeiros capítulos da história, os roteiristas também não receberão aumento nessa fase do projeto.

Globo economiza com mudança

Globo muda critério de aprovação de novelas para economizar

A mudança vai gerar alta economia na Globo, principalmente porque a gestão passada aprovou dezenas de projetos, colocando os roteiristas em aplicação e que acabaram não sendo postos no ar. Fontes da Globo confirmam que o departamento comercial fez um levantamento que indicou um prejuízo de mais de R$ 5 milhões nos últimos 10 anos por conta de projetos que não foram produzidos, mas que foram pagos a aplicação para os criadores.

A reportagem pediu dois exemplos e recebeu de fontes o projeto de Maria Adelaide Amaral para a faixa das 23h, O Selvagem da Ópera, e que foi cancelado já com parte do elenco escalado. A autora teria passado pelo menos 10 meses recebendo a aplicação.

Outro caso é o da novela das 21h de Duca Rachid e Thelma Guedes, que seria produzida em 2017, mas acabou cancelada por Silvio de Abreu, gerando prejuízos com as aplicações da dupla.

Como vai funcionar

Globo muda critério de aprovação de novelas para economizar

Na prática, mesmo que uma sinopse receba sinal verde, uma novela só terá garantias de produção após os dois primeiros blocos estiverem escritos e aprovados. Isso vale para autores novatos e medalhões, como Gloria Perez e Walcyr Carrasco, por exemplo.

A expectativa da Globo com a decisão é enxugar a folha e manter a despesa na linha de produção. No caso de Olho por Olho, próxima trama de João Emanuel Carneiro, ele já está recebendo a aplicação desde o ano passado, mas com a suspensão das gravações a trama acabou sendo adiada. Neste caso, a emissora optou por manter os 30% a mais para os novelistas envolvidos em projetos aprovados, já que eles seguem trabalhando.

Procurada pelo NaTelinha, a Globo não se manifestou.

TAGS:
Mais Notícias