Reportar erro
No ar

Aline Midlej se apaixonou ao vivo pelo marido: "Baita história de amor"

Jornalista da GloboNews se casou em dezembro com o diretor Rodrigo Cebrian

Aline Midlej na bancada do Jornal Nacional, na Globo
Aline Midlej estreou no rodízio de apresentadores do Jornal Nacional em setembro - Foto: Divulgação/Globo
Redação NT

Publicado em 17/10/2021 às 13:40:00

O romance entre Aline Midlej com o diretor de TV Rodrigo Cebrian, hoje casados, começou no ar, durante uma transmissão da GloboNews. Em entrevista divulgada neste domingo (17), a jornalista contou que os dois se apaixonaram ao vivo. Desde setembro no "rodízio" do Jornal Nacional, na Globo, ela também falou sobre sua vivência enquanto mulher preta e como o racismo influenciou sua vida.

“Estamos juntos há três anos. Conheci o Rodrigo na GloboNews. A gente se apaixonou no ar”, relatou Aline Midlej em entrevista ao jornal O Globo. Eles se conheceram quando o diretor foi ao Jornal das Dez, comandado pela jornalista, divulgar uma nova atração. “Naquele momento, rolou um lance, senti o clique total. Pensei: ‘Gente, que homem interessante’”, acrescentou ela.

“Na época, eu estava casada havia quatro anos e tinha acabado de oficializar a união. Sempre fui muito correta. Como toda mulher, tinha questões, mas não olhava para isso, tocava a vida. Começamos, eu e Rodrigo, a falar sobre trabalho e acabei me apaixonando. Terminei meu casamento para me casar com ele. É uma baita história de amor.”

Aline Midlej

Segundo Aline, o fim do casamento anterior abalou toda a família. Após um período de namoro, ela e Rodrigo foram morar juntos, na pandemia. O casamento foi em dezembro. “Minha escolha, que considero corajosa, quebrou padrões e impactou todos à minha volta, fez todo mundo pensar. A vida está aí para a gente se arriscar. Dói, é difícil, mas vale a pena.”

“A construção do meu eu negro foi um processo”, conta Aline Midlej

Aline Midlej se apaixonou ao vivo pelo marido: \"Baita história de amor\"

Ainda em entrevista ao jornal O Globo, Aline Midlej falou sobre sua vivência com o racismo. “Percebia [na infância] ser exceção no prédio em que morava, sempre fui a única negra na escola particular, no clube. Tive poucos namorados negros porque não convivia com eles. A construção do meu eu negro foi um processo. Vivi o racismo, que considero escancarado e não velado, num olhar, numa reticência corporal.”

“Em outras emissoras, nos anos 2000, passei pelo desafio da estética. Certa vez, deixei meu cabelo enrolado e me pediram para mudar o penteado. Fiz uma versão meio enrolada, meio lisa. Hoje, a minha resposta para esse ‘pedido’ estaria na ponta da língua, eu ia rir alto”, garantiu Aline. Ela começou a carreira na Band.



Participe do nosso grupo e receba as notícias mais quentes do momento.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do Telegram.

Participe do grupo
Mais Notícias
Outros Famosos