Análise

Irregular, Eu, a Vó e a Boi tem seu trunfo na rixa entre protagonistas

“Crônicas do rancor” escritas por Miguel Falabella divertem, mas tropeçam em tramas paralelas

Irregular, Eu, a Vó e a Boi tem seu trunfo na rixa entre protagonistas
Boi e Turandot são inimigas íntimas em Eu, a Vó e a Boi (Fotos: Globoplay/Divulgação)

Publicado em 03/12/2019 às 05:53:00 ,
atualizado em 03/12/2019 às 10:45:25

Por: Walter Felix

Uma sequência de postagens no Twitter, em que o internauta Eduardo Hanzo narrava a longeva rivalidade entre sua avó e uma vizinha, inspirou a série Eu, a Vó e a Boi. A ideia de levar a “thread” para a ficção partiu da novelista Glória Perez, que direcionou o projeto a Miguel Falabella. Com apenas seis episódios, a produção estreou na última sexta-feira (29), no Globoplay.

Eu, a Vó e a Boi narra as desavenças entre Turandot (Arlete Salles) e Yolanda, a Boi (Vera Holtz), que moram frente a frente. A história, contada sob o ponto de vista do neto das duas, Robilou (Daniel Rangel), é definida pelo garoto como “as crônicas do rancor”.

O ódio recíproco é o sentimento mais intenso na vida das duas senhoras. Viúvas e aposentadas, elas usam todo o tempo livre para acirrar a guerra declarada há várias décadas. Tanto que contaminam a todos, desde familiares aos demais que vivem da rua Tudor Afogado.

Presidente da associação de moradores, Yolanda se recusa a iniciar as obras para o tapar um valão, que cresce a cada dia bem em frente à casa da inimiga. Turandot, por sua vez, deu à rival o apelido de “boi”, por considerar “vaca” um xingamento muito machista.

A rivalidade entre elas só cresceu quando Norma (Danielle Winits), filha de Turandot, se casou com Montgomerry (Marco Luque), filho da Boi. Da união, nasceu Robilou e o caçula Matdilou (Matheus Braga). Turandot também é mãe de Celeste (Giovana Zotti), que vive um noivado eterno com Cabello (Edgar Bustamante), o dono de uma pizzaria cujo principal ingrediente costuma ser fios capilares do cozinheiro.

Já no clã da Boi vive Marlon (Magno Bandarz), um boa-vida que é sustentado pela juíza Belize (Eliana Rocha), de 75 anos. A vizinhança conta ainda com Orlando (Otávio Augusto), dono de um relicário e guardião de vários segredos, e Demimur (Valentina Bulc), amiga de infância de Robilou que volta para balançar seu coração.

Festival de bizarrices com pitadas de lirismo

Com dinamismo, a direção artística de Paulo Silvestrini faz um bom casamento com o texto de Miguel Falabella. A fotografia de Dudu Miranda emprega tons escuros à história que, apesar de cômica, trata de sentimentos sombrios como ódio, rancor e amargura.

Como em outros trabalhos, o autor imprime lirismo a diversas passagens. Um destaque é a cena em que a detetive Seu Rocha (Alessandra Maestrini) se revela soprano e entoa O Mio Babbino Caro, de Puccini, chamando atenção de toda a vizinhança. A produção também se mostra eficiente na bonita sequência em que Rocha ganha um beijo de Norma nos bastidores de sua primeira apresentação.

Outro bom momento, divertido, é o duelo entre as protagonistas rivais com mangueiras de regar planta, no melhor estilo bang bang, com direito a trilha de faroeste ao fundo.

Falabella também gosta de fazer de suas tramas um desfile de nomes exóticos: Matdilou, Demimur e Ardósia Rocha são alguns deles. Se esse filão ainda faz rir, certas piadas e personagens que também trazem a marca do autor já não soam naturais como outrora. Por vezes, parece que Falabella aposta em um simples festival de bizarrices, sem perceber que isso, por si só, não é suficiente para manter interesse em sua nova criação.

Não orna com a trama principal, não diverte e nada acrescenta à série o envolvimento entre Matdilou, adolescente de 17 anos, e Mary Tyler (Stella Miranda), uma senhora que quer ser garotinha. Há também personagens sem grande função, como a venezuelana Milagros (Paula Cohen). Essas e outras figuras fazem com que a narrativa se desvie do foco principal.

Repetição de fórmulas

O autor também tenta repetir fórmulas que já deram certo em sua biografia. Prova principal desse artifício é Norma, vivida por Danielle Winits. Na personagem, há muito de Copélia (Arlete Salles), de Toma Lá Dá Cá, e Darlene (Marília Pêra), de Pé na Cova. Sem, é claro, o frescor e a graça que as duas irrepreensíveis veteranas traziam a esses papéis.

Para agravar o problema, Winits repete voz e trejeitos de outros de seus trabalhos na TV e no cinema. O elenco, de forma geral, deixa a desejar. Tanto que, à medida em que certos coadjuvantes vão ganhando destaque, a atuação de Winits parece ser o menor dos problemas.

A (única) grata surpresa fica por conta de Giovana Zotti, estreante em teledramaturgia. Sua atuação tragicômica como Celeste, a filha de Turandot que completa “bodas de prata de noivado”, se destaca entre os coadjuvantes. Uma pena que a trajetória da personagem caia na armadilha da personagem que “altera” sua orientação sexual por pura carência e desilusão amorosa.

Argumento veio do Twitter e é o destaque da produção

O melhor da série fica mesmo por conta de Arlete Salles, Vera Holtz e das armações de suas personagens para prejudicar uma à outra. Boi, por exemplo, em vez de socorrer a vizinha, grava os gritos de dor de Turandot quando ela sofre um acidente doméstico. Já Turandot vai à forra cortando a energia da casa da rival quando Boi precisa respirar com ajuda de aparelhos.

Não à toa, são justamente esses os entrechos inspirados pela thread de Eduardo Hanzo, o que prova que a ideia de levar a história para a dramaturgia foi acertada. Carecia, contudo, de maior crivo, cuidado e criatividade na hora de acrescentar tramas e personagens paralelos a esse fio condutor.

Por fim, Eu, a Vó e a Boi deixa seu recado a um Brasil que, assim como Turandot e Boi, tem sido dominado por uma implacável onda de ódio e intolerância. Pouco a pouco, o sentimento entre as protagonistas destrói tudo que está à volta. Com uma eficaz analogia na cena final, conseguimos nos ver à beira de um valão, tal qual os moradores da rua Tudor Afogado.



Melhores do Ano NaTelinha 2019: Vote e eleja os destaques do ano na televisão!


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!