Em 100 dias

De romantização da escravidão a assédio: BBB 22 chega ao fim cheio de controvérsias

Os participantes do reality show da Globo se envolveram em diversas polêmicas


Montagem de momentos polêmicos do BBB 22
Eliezer e Natália Deodato foram alguns dos participantes que tiveram seus nomes envolvidos em polêmicas - Reprodução/TV Globo
Por Jéssica Alexandrino

Publicado em 26/04/2022 às 07:15:00,
atualizado em 26/04/2022 às 07:53:18

Após 100 dias, o BBB 22 chega ao fim nesta terça-feira (26). Pra alguns, o jogo foi morno e os participantes não renderam tanto quanto o esperado, mas se teve uma coisa que não faltou nesta edição foi polêmica. Falas e atitudes vistas como problemáticas deram o que falar nas redes sociais e movimentaram a web do início ao fim do programa.

Logo no dia da estreia da temporada, Natália Deodato foi acusada de romantizar a escravidão após dar sua opinião sobre o período. "Sou preta. Realmente tem a história que a gente veio e viemos como escravos, sim. Por quê? Porque a gente era eficiente. Por quê? Porque a gente era forte. Por que é que a gente veio como escravo? Porque a gente era bom no que a gente fazia. Por isso, porque talvez se colocasse uma pessoa lá pra fazer aquilo, talvez não conseguiria", disparou, em conversa com colegas de confinamento.

Com a repercussão das declarações, a equipe da sister se posicionou e disse que, apesar de sentir na pele o preconceito, ela ainda não tem conhecimento suficiente para falar sobre o seu lugar. "Temos certeza que quando ela sair, irá refletir sobre sua trajetória dentro da casa e aprender com seus erros", dizia um trecho do comunicado de desculpas.

Poucos dias depois, foi a vez de Rodrigo Mussi perder o sono depois de usar uma expressão pejorativa. "Porra, Eli, estou tentando dormir, mas estou lembrando do pinto do traveco que você ficou com medo lá, irmão", comentou ele, sendo repreendido por Vyni e Maria, que levaram o brother a pedir desculpas e dizer que não sabia que o termo não era legal. O paulista, que já estava deitado, se levantou e foi desabafar com outros companheiros de reality, que o aconselharam a conversar com Linn da Quebrada, pra poder entender um pouco sobre o assunto. Já de manhã, a artista reforçou o que os outros já haviam dito e ele lamentou ter falado algo que pode ofender alguém. O erro também gerou um pedido de desculpas da equipe do gerente comercial nas redes sociais.

Ainda em janeiro, Eslovênia errou o pronome de Linn da Quebrada, se referindo à cantora como "ele", sendo corrigida na mesma hora. A pernambucana chegou a comentar o ocorrido com Lucas Bissoli, mas cometeu o mesmo erro dois dias depois, na primeira festa do programa. "Aqui não, amigo", soltou, voltando atrás e dando ênfase na palavra "amiga". "Amiga, não dá para ficar mais errando", alertou Lina. Já no fim de fevereiro, enquanto as duas faziam dupla em uma prova do líder, a ex-miss novamente se referiu à colega com um termo masculino. "Amigo, tu tem que me dar o lado certinho", disse a modelo, chamando a atenção de alguns telespectadores, que achavam que ela fazia de propósito. Affair de Eslô, Lucas também levou bronca de Linn após tratá-la pelo pronome errado. "Vamos dançar vocês dois", chamou ele, se dirigindo a ela e a Natália. "Vocês dois?", reagiu a cantora, visivelmente chateada com a situação. O capixaba conversou com a amiga, que chegou a desculpá-lo, mas chorou pelo constrangimento que passou.

Um dos participantes mais queridos pelo público, Pedro Scooby também se envolveu em uma polêmica. No início de fevereiro, o surfista conversava com Jade Picon e Douglas Silva quando contou que bateu em Dom, seu filho mais velho, depois dele ter sido malcriado. "Fui falar uma parada e o Dom me respondeu. Ele estava aqui assim [ao lado], minha mão só fez assim, na cara dele. Irmão, o beiço já ficou igual do Patolino [risos]. Nunca mais ele me respondeu na vida. Dor no coração porque bati nele, mas foi reação na hora", lembrou. Muitos internautas criticaram a atitude do ex de Luana Piovani e não gostaram dele ter reproduzido a história com naturalidade.

Racismo também foi uma pauta levantada nesta edição do Big Brother Brasil. Laís foi acusada de ter imitado um macaco depois de comentar suas diferenças com Natália com Maria, Eslovênia e Bárbara. Em nota, a equipe da sister disse que "o ocorrido consistiu meramente na reprodução da corrida atrapalhada da participante Bárbara". A gaúcha também causou burburinho após quase utilizar uma expressão racista em conversa com as amigas no quarto do líder. "Eu não confio numa pessoa que é incoerente desse jeito. Ele fez aquele samba do crioulo doi...", disse, se referindo às atitudes de Douglas Silva em um Jogo da Discórdia. Bárbara percebeu que quase falou o que não devia e chegou a dizer que a expressão é horrorosa. A assessoria da loira também se pronunciou contra o termo e disse que tinha certeza de que ela também se retrataria se estivesse fora da casa.

Assédio também foi pauta levantada pelo público do BBB 22

Eliezer se envolveu em duas situações em que a palavra "assédio" foi levantada pelo público do BBB 22. A primeira foi quando ele "perseguiu" Jessilane na piscina em uma das festas do programa, enquanto a professora tentava escapar e pedia para que ele parasse. A produção do reality interviu e mandou um alerta de advertência para o brother, que parou na mesma hora e ficou preocupado pelo aviso. "Eli, tá tudo bem. Eu já falei que tá tudo bem e que era brincadeira", disse Jessi, tranquilizando o colega. A cena repercutiu e internautas reprovaram a atitude de Eli, que também foi comentada pela equipe da baiana. "Não é não! Até quando o não vai ser relativizado? Todos sabemos que brincadeiras existem entre homens e mulheres, porém, no momento em que um dos dois pede para parar, o que passar dali não faz mais parte de uma brincadeira. O que aconteceu na noite de ontem foi, visivelmente, uma invasão do espaço e da privacidade da Jessi, que se mostrou incomodada e que incomodou muitos de nós", dizia a nota.

Alguns dias depois o jogo virou e Eli passou de acusado para vítima. Enquanto tirava fotos para o Feed BBB, Vyni tentou filmar as partes íntimas do amigo e levou uma advertência da produção. Na sala, o cearense se aproximou do pênis de Eliezer com o celular em mãos e a câmera ligada. Era possível ver o ângulo da filmagem do participante no telão do cômodo. Eliezer "se cobriu" com as mãos e Vinicius pedia para tirar. Na web, internautas também viram a situação como assédio.

Participe do nosso grupo e receba as notícias mais quentes do momento.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Participe do grupo
Mais Notícias