Reportar erro
Top Five

Cinco motivos que explicam o fracasso do novo TV Fama

Programa não emplacou com os novos apresentadores

Alinne Prado, Júlio Rocha e Lígia Mendes comandaram o novo TV Fama, que não funcionou
Novo TV Fama não deu certo - Foto: Reprodução
Redação NT

Publicado em 10/06/2021 às 04:00:01,
atualizado em 10/06/2021 às 09:20:04

A RedeTV! anunciou em março os afastamentos de Nelson Rubens e Flávia Noronha da apresentação do TV Fama e que as entradas de Alinne Prado, Lígia Mendes e Júlio Rocha no programa ocorreriam em abril. Porém, cerca de dois meses depois, a atração sofreu duas baixas e não emplacou na audiência, além de não alcançar repercussão nas redes sociais. A produção ainda sofreu críticas por erros em algumas edições e pela falta de sintonia entre o trio de comunicadores.

O TV Fama estreou em 1999, mas passou a focar nas notícias do mundo dos famosos em 2000. No ano seguinte, Nelson Rubens se tornou o apresentador oficial e seguiu por lá até o começo deste ano. Com mais de duas décadas no ar, a produção chegou a ser uma das maiores audiências da emissora e responsável por inspirar outras atrações com o mesmo estilo.

Só que há um bom tempo o programa não consegue chamar atenção de tempos atrás e tentou se reformular em 2020, quando Leo Dias ficou responsável pelo conteúdo. Mas ele deixou o canal por discordâncias com a direção. Agora a nova mudança não funcionou, tanto que Lígia Mendes e Júlio Rocha já deixaram a produção.

Confira:

Excesso de apresentadores

Lígia Mendes e Alinne Prado possuem anos de experiência como apresentadoras, enquanto Júlio Rocha teve sua primeira experiência no comando de um programa. O ator recebeu críticas e acabou durando pouco mais de um mês. Na última segunda-feira (7), Lígia seguiu o mesmo caminho que o ex-colega.

Era nítida a dificuldade na distribuição de pautas e um acabava atropelando o outro. Não foi a primeira vez que um programa tentou contar com três comunicadores – o Se Joga é o exemplo mais recente – e acabou não dando certo. Mesmo com a saída de Júlio, Lígia e Alinne continuavam tendo dificuldades e acabavam interrompendo uma com a outra. 

Para piorar a situação, houve momentos que o público sentiu certo desconforto dos apresentadores um com o outro. O maior exemplo foi o fato de Júlio Rocha pedir para que as colegas dessem as mãos para mostrar união e Mendes se recusou, relembrando que todos estavam passando por uma pandemia. O trio não deu liga no ar.

Medo de criticar

O TV Fama sempre optou por seguir um estilo mais light, onde os apresentadores não costumavam dar opiniões, mas as reportagens buscavam polêmicas sobre as vidas dos artistas. Só que a nova versão do programa não conseguiu ter bombas sobre as celebridades e ainda passou a exagerar nos elogios.

Com muito “confete” em torno dos famosos, os apresentadores não se aprofundaram nos debates. Enquanto o Fofocalizando e o Hora da Venenosa repercutem por declarações polêmicas dos seus integrantes, a produção da RedeTV! acabou ficando para trás por evitar se indispor com os artistas.

Influenciadores não chamam a atenção

A internet atinge boa parcela da população brasileira, mas nem todo influenciador é, necessariamente, famoso, principalmente para o público da TV aberta. O problema que o TV Fama tem exagerado. No dia 7 de junho, por exemplo, a edição dedicou pouco mais de dois minutos numa reportagem sobre Tays Reis, ex-namorada do MC Biel.

Na sequência, foram mais três minutos para Carlinhos Maia. Apesar do influencer ter mais de 20 milhões de seguidores e já ter aparecido em quadros de programas dominicais, não é uma figura tão cativa na memória das pessoas que estão na TV.  O target da TV aberta sabe quem é Gkay?

Falta de eventos

Um dos maiores triunfos do TV Fama era as entrevistas com famosos em eventos e festas dos famosos. Com a pandemia da Covid-19, isso não tem acontecido e o programa não conseguiu encontrar um formato que  substitui-se as declarações bombásticas das celebridades,

A atração optou por exibir stories que os artistas fazem no Instagram ou repercutir informações que o público acompanhou na web ao longo do dia. A falta de criatividade para ter um diferencial em substituição por não ter os eventos tem prejudicado o TV Fama desde o começo de 2020 e acabou contaminado o novo formato.

Falta de agilidade e identidade

Conforme dito acima, a produção tem exibido stories de artistas, mas a situação fica ainda mais grave quando há notícias que passam no programa dias depois de repercutirem em todas as mídias. No dia 31 de maio, Rafa Kalimann e Caio Castro foram criticados por uma publicação polêmica nas redes sociais.

Essa informação só passou no TV Fama em 1° de junho, ou seja,  no dia seguinte da repercussão da notícia em todo país. Lígia e Alinne até se esforçaram, mas o “timing” havia passado.

Outro ponto que fez o novo TV Fama não ter sucesso é a falta de identidade. Sem os eventos e a saída de Nelson Rubens do comando da produção, o público acabou rejeitando. O apresentador segue aparecendo no programa, mas com um espaço reduzido, dialogando com Alinne e Lígia na escalada da atração ou no final.  E sempre  sendo interrompido pelas apresentadoras. O público não conseguiu se identificar. 



Mais Notícias