Reportar erro
Antes e depois

Jornal Hoje 50 anos: Como estão os apresentadores do noticiário da Globo

Telejornal teve diversos âncoras ao longo das cinco décadas

Sandra Annenberg (à direita) e Léo Batista (à esquerda) em foto montagem
Léo Batista e Sandra marcaram o Jornal Hoje - Foto: Montagem
Redação NT

Publicado em 11/04/2021 às 08:24:00

O Jornal Hoje está completando 50 anos em 2021 e por lá passaram grandes nomes do jornalismo brasileiro, como Léo Batista, Leda Nagle, Evaristo Costa, Sandra Annenberg, entre tantos outros. O telejornal soube se reinventar ao longo das últimas décadas e, não por acaso, é líder de audiência há tanto tempo.

Quando foi criado, o objetivo era que o programa fosse uma revista eletrônica tendo como público-alvo as mulheres, tanto que a edição de sábado ficou conhecido por ser experimental e dar espaço a matérias de cultura e comportamento. “O Jornal Hoje nasceu como uma revista, mas, desde o nome, sempre foi um jornal, um noticiário muito quente, muito forte. Hoje, mais do que nunca”, afirmou Claudio Marques, editor-chefe da atração, em entrevista ao Memória Globo.

Com mudanças no pacote gráfico, cenários e até na linha editorial, claro que o Jornal Hoje também trocou de apresentadores - atualmente, Maju Coutinho é quem comanda a produção. O NaTelinha selecionou10 âncoras marcantes do JH para mostrar por onde eles andam atualmente.

Confira:

Léo Batista

O jornalista foi o primeiro apresentador do Jornal Hoje, ao lado de Luís Jatobá e Márcia Mendes. “Para mim, Jatobá está entre os maiores locutores e narradores da história do país, sem sombra de dúvida. Tinha uma voz única, que sempre encantou no rádio e na televisão. Eu o ouvia, em êxtase, na Rádio Belgrano, na BBC e, sempre que eu podia ir ao cinema, no Jornal da Metro. Eu era apaixonado pelo trabalho dele. Tanto que me senti apequenado, não tenho vergonha de confessar, quando fiquei ao seu lado naquela transmissão inaugural do Jornal Hoje”, contou em entrevista ao Memória Globo.

Léo Batista estreou na televisão em 1947 e assinou contrato com a Globo em 1970, sendo um dos criadores do Globo Esporte. Com seu estilo descontraído, conquistou vários fãs e apresentou durante décadas a produção esportiva de segunda a sexta. Até 2019, o jornalista ficava responsável pelas edições de sábado na versão rede e sua voz narrava os gols da rodada no Show do Intervalo nos jogos transmitidos pela emissora.

Ele deixa claro que não tem nenhuma vontade de se aposentar. “Outro dia fiquei imaginando a hora em que eu não puder mais entrar na emissora e falar com os amigos. Evito pensar nisso. Desejo continuar fazendo o meu trabalho. A não ser que achem que fiquei velho demais, que já estou gagá. (risos). Enquanto Deus me der voz e saúde e a TV Globo quiser, eu continuo”, disse ao Memória Globo, em 2016.

Sérgio Chapelin

Foram oito anos no rádio para ter sua primeira oportunidade na TV: “Jornal Hoje”, na Globo. Porém, com boa desenvoltura, ficou pouco tempo no telejornal vespertino e foi promovido ao Jornal Nacional.

“Era aquilo: uma mesinha. Tinham duas bancadinhas muito modestas, duas cadeiras de madeira, sem nenhum estofamento, sem nenhuma sofisticação. E eram ótimas, para o diafragma”.

Com 80 anos, o apresentador tem focado em projetos pessoais. Sua despedida da Globo aconteceu em 2019, depois de décadas comandando o Globo Repórter. Sua última aparição na TV ocorreu no ano passado, em entrevista ao Fantástico. O jornalista apareceu com cabelão e barba longa.

Leda Nagle

Leda Nagle, de 70 anos, ganhou destaque ao comandar as entrevistas do Jornal Hoje. Seu desempenho foi muito elogiado na época e lhe rendeu o comando do telejornal, ocupando a bancada durante uma década, sendo a segunda âncora com mais tempo no ar.

“Eu juntei Hélio Pellegrino,  Fernando Sabino,  Paulo Mendes Campos e Otto Lara Resende, e fiz uma entrevista para o Hoje de sábado. Foi muito prazeroso. Uma conquista para uma jovem jornalista, e um prazer para o telespectador. A minha passagem de um telejornal para outro foi natural, aos poucos, não foi automático, porque uma coisa não implicava o fim da outra”, relatou em entrevista ao Memória Globo, em 2015.

Sua imagem ficou tão vinculada a produção que, quando Leda deixou o Jornal Hoje, ocorreu uma crise de audiência. Ela foi transferida para o RJTV e esteve por lá até 1988, quando aceitou o convite da Manchete para apresentar o Jornal da Manchete.

Em 1996, começou a apresentar o Sem Censura e obteve sucesso na atração, seguindo por lá até 2016, quando foi demitida. Para não ficar longe do público, criou um canal do YouTube e por lá entrevistas grandes nomes da TV, da música e política.

Berto Filho

Berto comandou diversos telejornais da Globo, mas fez muito sucesso no Jornal Hoje na década de 1970. Sua imagem agradou tanto o público, que ele chegou a comandar o Fantástico e o Jornal Nacional na década de 1980. Foi ele o primeiro apresentador do RJTV.

Em 1986, deixa a Globo e fecha contrato com a TV Rio em 1989. Por lá, ele comandou o Polícia Nacional, mas ficou pouco tempo. Durante nove anos, acabou longe da TV, retornando em 1998, ao assinar com a Manchete e seguiu no canal até o seu fim.

Sua morte ocorreu em 2016, aos 75 anos. Os filhos organizavam uma festa de aniversário para comemorar, mas o jornalista não resistiu a uma padecia de câncer na garganta e no cérebro.

Luís Jatobá

Nascido em Alagoas, em 1915, Luis foi médico, jornalista e locutor. Ele morreu aos 67 anos, em Nova Iorque, Estados Unidos. O profissional ganhou reconhecimento por causa das suas locuções em rádios e no cinema, sendo convidado para trabalhar na CBS na década de 1940.

Por lá, era o brasileiro responsável por dar notícias sobre a Segunda Guerra Mundial e comandava os trailers cinematográficos para a companhia Metro Goldwin Mayer. Na década de 1970, comandou o Jornal Globo, ao lado de Hilton Gomes e Nathalia Timberg.

Em 1971, ao lado de Léo Batista e Márcia Mendes, apresenta o Jornal Hoje. Porém sofreu perseguição durante a ditadura militar e, por causa disso, resolveu voltar aos Estados Unidos, gravando trailers de cinema.

Mônica Waldogel

A jornalista, de 66 anos, chamou a atenção da Globo na década de 1980, quando ela era repórter da TV Manchete. Em 1987, assinou contrato com a emissora e passou a cobrir a área de economia em Brasília. Pouco a pouco, foi conquistando espaço no canal, porém, resolveu ir para o SBT em 1992.

Em 1996, voltou para o canal carioca e apresentou o Jornal da Globo. No ano seguinte, com a ida de Fátima Bernardes ao Jornal Nacional, Mônica virou apresentadora do Jornal Hoje, ficando por lá até fevereiro de 1998.

Em 2002, vai para TV paga e comanda o Saia Justa durante 10 anos. Atualmente, tem sido apresentadora do Entre Aspas e do Conta Corrente, além de ser comentarista do GloboNews em Pauta.

Sandra Annenberg

Sandra Annenberg estreou na Globo como Garota do Tempo no Jornal Nacional, em 1991. Antes de assumir a bancada do Jornal Hoje, em 2003, apresentou o Fantástico ao lado de Fátima Bernardes (1993) e um dos destaques foi a edição especial sobre a morte do piloto Ayrton Senna, no ano seguinte.

Ela apresentou o telejornal em 1998, mas deixou a bancada no ano seguinte. De volta ao Brasil em 2003, foi novamente para o JH, desta vez dividindo a bancada com o jornalista Carlos Nascimento. Com a saída do colega no ano seguinte, começava a parceria com Evaristo Costa.

Sandra, de 52 anos, ficou por lá até 2019, sendo a âncora de maior tempo na atração. “É chegada a hora da despedida. Eu tive o privilégio de ter a sua companhia nos últimos 16 anos, nesta bancada. Diariamente nos encontramos aqui ao vivo e a cores, olho no olho. Eu espero ter conseguido levar até você da melhor maneira possível”, disse ao telespectador no seu último dia. Hoje ela está no Globo Repórter.

Evaristo Costa

Evaristo, de 44 anos, sempre sonhou em ser jornalista, tanto que brincava de entrevistar a família desde pequeno. O jornalista começou a carreira no interior de São Paulo e se destacou, tanto que passou a comandar o SPTV no início dos anos 2000. Em 2005, recebeu o convite para ser integrante da bancada do Jornal Hoje.

Junto com Sandra, formou uma das parcerias mais memoráveis da TV brasileira. “Eu cheguei aqui na segunda-feira. Todos sabiam que eu ia ser o apresentador. Todo mundo me deu parabéns, mas eu estava nervoso. Eu estava preocupado com o que ia ter que fazer. Aí comecei a treinar nomes, o que ia apresentar, conversar com as pessoas. Sentei ali e apresentei o jornal. Tenso, com medo de errar. Comecei a me preparar: todos os dias, eu estudava”, relembrou ao Memória Globo.

Com um jeito descontraído e brincalhão, soube dosar com a seriedade e rapidamente se popularizou nas redes sociais. Em 2017, surpreendeu ao anunciar que estava deixando a Globo. Atualmente, o apresentador faz parte do time da CNN Brasil.

Carlos Nascimento

Com 66 anos, Carlos Nascimento estreou na Globo em 1977. Por lá, trabalhou como repórter dos telejornais Bom Dia São Paulo, Globo Rural, Globo Repórter e Jornal Nacional. Ficou muito conhecido por ter feito a cobertura da morte do presidente Tancredo Neves, em 1985.

Teve passagens pela TV Cultura e Record, mas voltou para a Globo em 1990, tornando-se âncora do SPTV. Em 1999, aceitou o convite de apresentar o Jornal Hoje e por lá seguiu até 2004, quando foi contratado pela Band. Seguiu no canal do Morumbi até 2006 e depois assinou com o SBT.

De 2006 a 2011, ficou no SBT Brasil e no Jornal do SBT. Com a reformulação do principal telejornal da emissora, Nascimento ficou apenas com a atração do fim da noite. Em 2013, afastou-se do trabalho por causa de um câncer colorretal e retornou para as suas funções em 2014.

Ele retornou para o telejornal tempos depois. Com a pandemia, Carlos Nascimento chegou a apresentar o início da cobertura do SBT sobre a doença, inclusive participando do Fofocalizando para explicar detalhes sobre o novo coronavírus. Porém, por fazer parte do grupo de risco, saiu da tela em abril e agora está sem emissora.

Dony De Nuccio

Dony De Nuccio estreou na Globo em 2011 como repórter do Jornal da Globo e SPTV. Migrando para a Globo News, no ano seguinte, passou a se destacar no comando do Jornal das Dez, até receber o convite para apresentar o Jornal Hoje em 2017. Além de jornalista, Dony é economista e trabalhou no mercado financeiro por um ano.

O apresentador era o nome mais cotado para assumir o Jornal Nacional numa possível saída de William Bonner. Entretanto, em 2019, ele surpreendeu ao anunciar que estava deixando a Globo. Apesar de ser cogitado em diversas emissoras, Dony deixou claro que não voltaria para o jornalismo.

Neste ano, foi anunciado como o novo apresentador do SBT. No canal de Silvio Santos, o comunicador apresentará o programa Te Devo Essa Brasil. O formato, intitulado nos Estados Unidos de Celebrity IOU, é apresentado pelos irmãos Scoot, conhecidos pela franquia Irmãos à Obra, e terá a participação de um famoso por episódio.



Mais Notícias