Reestruturação?

Extinção de jornal e demissões geram clima de incerteza e tensão no SBT

Funcionários temem que emissora passe por reestruturação

Extinção de jornal e demissões geram clima de incerteza e tensão no SBT
"SBT Notícias" foi extinto e clima é de tensão no canal

Daniel César
i

Daniel César

Daniel César é jornalista formado, pós-graduado em linguística e em roteiro de televisão, com mestrado em Literatura. Trabalha com o universo da televisão desde 2010 e já fez cursos de dramaturgia com nomes como Carlos Lombardi e Thelma Guedes.

Publicado em 14/06/2019 às 06:30:18 Atualizado em 14/06/2019 às 12:29:55 com Fabrício Falcheti

O clima no SBT anda tenso após a emissora decidir extinguir o "SBT Notícias" e demitir as apresentadoras Analice Nicolau e Karyn Bravo, nessa quinta-feira (13). Os funcionários temem que o canal faça uma reestruturação ainda mais rígida no departamento de jornalismo.

Segundo apurou o NaTelinha, nos corredores da Anhanguera não se fala de outro assunto que não a possibilidade de haver uma onda de demissões no setor. O objetivo seria enxugar a folha de pagamento em meio à crise econômica que o país atravessa em 2019.

Muita gente teme que sobre para outros nomes da casa. Karyn Bravo e Analice Nicolau contavam com a simpatia de Silvio Santos, além de estarem no SBT há muitos anos.

A reportagem ouviu várias fontes que afirmaram que não é possível cravar qual o futuro da reestruturação do SBT. Há diretores que entendem ser necessário cortes radicais e que, inclusive, outros apresentadores também possam sofrer. 

Não seriam os casos de Dudu Camargo e Marcão do Povo, que, pelo contrário, ganharão mais tempo com o “Primeiro Impacto” - o noticiário matinal começará às 4h, seguindo até 10h.

Quem tem sentido tensão maior são os profissionais da área técnica. Câmeras, produtores e membros de baixão escalão do jornalismo entendem que o SBT pode decidir cortar custos e enxugar ainda mais a já enxuta equipe que cobre as notícias pelo canal.

A reestruturação do jornalismo aconteceu na mesma semana em que o Instituto Reuters divulgou pesquisa com brasileiros que elegeu a emissora como a mais confiável fonte de notícias do Brasil em 2018.

Uma fonte da emissora revelou que existe um estudo de impacto sendo realizado a fim de verificar a possibilidade de um enxugamento da folha de pagamento do jornalismo, devido ao fato do mercado publicitário ter pisado no frio.

Procurado, o SBT informou que não vai comentar o assunto.

Crise nas emissoras

O SBT não é a única atingida com a crise que o Brasil enfrenta. Recentemente, a RedeTV! viveu uma onda de demissões e tensão de seus funcionários, classificada pela emissora como um reequacionamento. A crise atingiu tal ponto que o canal de Marcelo de Carvalho optou por abortar o projeto de construir um complexo de dramaturgia.

Quem também enfrentou um problema de faturamento no início do ano foi a Band. Além da queda de receitas, a emissora paulista travou uma disputa por poder que quase provocou a mudança de seu presidente, além de uma série de desligamentos.

A Record não chegou a realizar demissões em massa neste ano, porém a emissora pertencente a Igreja Universal sofreu uma importante baixa em seu jornalismo. Douglas Tavolaro, então vice-presidente de jornalismo, aceitou proposta da CNN Brasil, sendo substituído por Antônio Guerreiro.

A Globo não tomou decisão radical de demitir seus funcionários em massa. Porém, a emissora da família Marinho vem buscando se adequar aos problemas financeiros enfrentados pelo país. Boa parte de seus medalhões teve de renegociar salários, inclusive nomes do jornalismo.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!