Reportar erro
Cancelado

Cassius Zeilmann se despede emocionado do "SBT Notícias": "Meu último tchau"

Jornalista se livrou da demissão e ficará no SBT como repórter

 Cassius Zeilmann se despede emocionado do "SBT Notícias": "Meu último tchau"
Cassius Zeilmann dando seu último tchau no "SBT Notícias" - Foto: Reprodução/SBT

Naian Lucas

Publicado em 14/06/2019 às 15:53:00

Nesta sexta-feira (14), o apresentador Cassius Zeilmann se despediu emocionado no ar do “SBT Notícias”, após a emissora decidir cancelar o jornalístico, aumentando em mais duras horas o “Primeiro Impacto”. Sem a função de ancorar a atração, o jornalista retornará ao cargo de repórter.

“Muito obrigado pelo carinho e pela companhia nesses últimos três anos”, disse. Cassius revezava o comando do programa com Karyn Bravo e Analice Nicolau, demitidas na última quinta (13).

“Lembre-se: quando alguém pedir o melhor esforço, dê sempre o seu coração. Faça tudo com amor. Aqui vai o meu último tchau!", acrescentou o jornalista, visivelmente emocionado, contudo, não chegou a chorar.

A decisão do SBT teria ocorrido por corte de gastos e também visando um aumento de receita no "Primeiro Impacto", que passará a ir ao ar das 4h às 10h30, com Dudu Camargo e Marcão do Povo.

Com essas mexidas, o clima é tenso na emissora. Conforme apurado pelo NaTelinha, nos corredores da Anhanguera não se fala de outro assunto que não a possibilidade de haver uma onda de demissões no setor.

Muita gente teme que sobre para outros nomes da casa, que no mínimo podem sofrer reajustes salariais, movimento iniciado pela Globo.

Confira a despedida de Cassius Zeilmann:

Crise nas emissoras

O SBT não é a única atingida com a crise que o Brasil enfrenta. Recentemente, a RedeTV! viveu uma onda de demissões e tensão de seus funcionários, classificada pela emissora como um reequacionamento. A crise atingiu tal ponto que o canal de Marcelo de Carvalho optou por abortar o projeto de construir um complexo de dramaturgia.

Quem também enfrentou um problema de faturamento no início do ano foi a Band. Além da queda de receitas, a emissora paulista travou uma disputa por poder que quase provocou a mudança de seu presidente, além de uma série de desligamentos.

A Record não chegou a realizar demissões em massa neste ano, porém a emissora pertencente a Igreja Universal sofreu uma importante baixa em seu jornalismo. Douglas Tavolaro, então vice-presidente de jornalismo, aceitou proposta da CNN Brasil, sendo substituído por Antônio Guerreiro.

A Globo não tomou decisão radical de demitir seus funcionários em massa. Porém, a emissora da família Marinho vem buscando se adequar aos problemas financeiros enfrentados pelo país. Boa parte de seus medalhões teve de renegociar salários, inclusive nomes do jornalismo.

Mais Notícias