Reportar erro
Todos na cadeia

Pega Pega: Cena política brasileira interferiu no final dos ladrões da trama

Autora se recusou a repetir na ficção o script de impunidade da vida real

João Baldasserini, Nanda Costa, Marcelo Serrado e Thiago Martins na novela Pega Pega, em reprise na Globo
Agnaldo, Sandra Helena, Malagueta e Júlio cumprem pena no fim de Pega Pega e têm final feliz - Foto: Reprodução/Globo
Walter Felix

Publicado em 08/08/2021 às 11:00:00

Pega Ladrão foi o primeiro título pensado para Pega Pega, novela de Claudia Souto exibida originalmente em 2017 e atualmente em reprise na Globo. No entendimento da emissora, o primeiro nome soaria de mau gosto em uma época em que os escândalos de corrupção proliferavam nos noticiários. Meses depois, a cena política voltou a interferir na produção quando a autora precisou decidir o final que seria dado aos ladrões da trama.

Em Pega Pega, o roubo de 40 milhões de dólares do luxuoso hotel Carioca Palace dá o pontapé inicial da história. Calhou que os criminosos – Malagueta (Marcelo Serrado), Sandra Helena (Nanda Costa), Agnaldo (João Baldasserini) e Júlio (Thiago Martins) – caíssem nas graças do público, suplantando o casal romântico central, Eric (Mateus Solano) e Luiza (Camila Queiroz).

Só que nem a popularidade os salvou de uma punição no desfecho da história. Em entrevista há quatro anos, Claudia Souto revelou que não podia deixar os ladrões, ainda que simpáticos, saírem impunes. “Pelo menos na ficção, temos que acreditar que isso é possível”, disse, na ocasião, citando uma frase dita pelo ator Marcelo Serrado em conversa com ela.

Em entrevista ao canal da jornalista Leda Nagle no YouTube, a novelista explicou que desenvolveu a sinopse de Pega Pega em 2012, antes dos escândalos mais recentes de corrupção e roubo de dinheiro público. “Tinha vontade de tocar nesse assunto, mas virar o foco para nossa população, que também é famosa pelo ‘jeitinho’”, comentou.

“Chorei feito uma criança”, revelou autora de Pega Pega sobre cena de julgamento no último capítulo

Pega Pega: Cena política brasileira interferiu no final dos ladrões da trama

Avisei de cara que não seria uma novela sobre impunidade, mas sobre escolhas éticas e as consequências. E todo mundo pagou pelo que fez”, detalhou Claudia Souto. Contudo, ela afirmou que caiu no choro ao assistir, dos bastidores, à gravação do julgamento em que os quatro ladrões são condenados. “Chorei feito uma criança”, disse.

“Falei para os quatro atores: ‘Gente, eu não queria condenar vocês’, porque eles são tão queridos… Pelo crime que eles cometeram, poderiam ter como pena trabalho comunitário, mas, no momento que a gente está vivendo no país, eles tinham que ser presos. Pelo menos na ficção”, frisou a escritora.

No fim, o juiz interpretado por Daniel Dantas (em participação especial) distribui as penas de acordo com a participação de cada um no roubo: Júlio pega apenas 2 anos de prisão; Agnaldo e Sandra Helena são condenados a 4 anos; e Malagueta, mandante do crime, ficou com 8 anos. Por serem réus primários, podem pedir condicional após cumprirem um terço da pena.

Devidamente punidos pela Justiça, os quatro retornam à cena após uma passagem de tempo e finalmente têm um final feliz: Júlio se casa com Antônia (Vanessa Giácomo); Agnaldo e Sandra Helena também ficam juntos; e Malagueta se acerta com Maria Pia (Mariana Santos), com quem vai viver em um paraíso tropical, riquíssimos.


Fique por dentro dos próximos capítulos de Pega Pega e outras produções acessando o canal de Novelas do NaTelinha.

Quer saber mais? Confira o resumo semanal da novela Pega Pega de 09/08/2021 a 14/08/2021.



Mais Notícias