Reportar
erro
Zé Carlos Machado

Abraão de Gênesis reconhece preconceito com novelas bíblicas: "A Record é a única que se atreve"

"É um trabalho intenso e extenso, como de fato foi", relembra o ator


Zé Carlos Machado como Abraão em Gênesis com semblante assustado
Zé Carlos Machado como Abraão em Gênesis - Fotos: Divulgação/Record TV
Por Thiago Forato

Publicado em 07/08/2021 às 09:15:00

Escolhido para como Abraão de Gênesis, Zé Carlos Machado vem emplacando consecutivas novelas bíblicas na Record desde 2015, quanto interpretou Seti I em Os Dez Mandamentos. O ator reconhece que existe o preconceito com os folhetins do gênero, assim como qualquer outro que se aventure a tratar de temas considerados espinhosos. "Claro que existe preconceito, assim como existe preconceito com novelas não bíblicas, mas que tratam de assuntos polêmicos. [...] A Record é a única que se atreve", resume em entrevista exclusiva ao NaTelinha. 

Antes de encarnar Abraão, Machado fez um teste como qualquer outro ator. "Quando recebi o convite, obviamente, levei um susto. Fiquei em um misto de surpresa e gratidão, coração pulou, bateu mais forte. E a respiração se alterou. De fato, foi uma emoção bastante grande e vi a missão que tinha. Vi a dimensão dessa figura e falei: 'vem muito trabalho'. É um trabalho intenso e extenso, como de fato foi", explica.

O ator viu a evolução das novelas bíblicas de perto, e reconhece que não tem conhecimento de alguma outra empresa que faça produções do gênero no mundo neste formato. "A Record é a única que se atreve a pegar esse material bíblico e desenvolver uma dramaturgia", destaca o veterano.

Apesar disso, Machado questiona o formato novela como um todo. "Ela já perdeu um pouco de sua potência, apesar de atingir muitas pessoas, mas o mundo mudou muito. É difícil hoje em ficar na frente de uma televisão diariamente. A oferta é muito grande. Na série, com menos episódios, você pode tratar o mesmo tema e não é tão desgastante. É muito trabalho para pouco resultado É um resultado do qual, para a dramaturgia, para o ator, precisa de muito empenho", compara.

As dificuldades e referências em Gênesis

Abraão de Gênesis reconhece preconceito com novelas bíblicas: \"A Record é a única que se atreve\"

Para Zé, se não houver dificuldade em qualquer trabalho, não há graça. "Ele tem que ser difícil, tem que ser desafiador. Veja só, estamos nesse momento olímpico, quando o jogo é mais vibrante? Quando tá difícil, quando a disputa é grande. Quando a menina do skate tem que subir, descer, dar piruetas, desce, se desequilibra, se encontra, cai de novo, levanta. O que quero dizer com isso? Tem várias [dificuldades]. Tem que descobrir qual a linguagem vamos estabelecer, a maneira de se falar, a roupa que você está usando, porque não estamos acostumados com o figurino. O movimento dentro daquele figurino, o trabalho textual...", acrescenta.

O veterano conta que a Bíblia foi o primeiro lugar onde se debruçou para se inspirar e foi até em busca de um teólogo e arqueólogo para ajudar na composição do personagem. "Li Gênesis inteiro. Reli. Tinha lido muita coisa. Devo dizer que minha formação, por mais que eu tenha hoje, uma não religiosidade, mas tenho espectro e espiritualidade, não sei se é assim que se fala. Então, obviamente que a Bíblia foi a minha referência principal. Vi outras coisas bíblicas. Séries não vi, mas vi outros filmes bíblicos."

Amado pelo elenco infantil de Gênesis, comemora: "Abraão é um personagem muito solar, ele gosta muito de criança. Graças a Deus, porque gosto muito de criança. Gosto da criança que tenho dentro de mim. Tenho que acessá-la, porque viver não é fácil. Nesses últimos meses, então, não tem sido absolutamente nada fácil".

"Com tanta criança no elenco, podendo trocar com minha criança interior, sou eu que gosto mutio deles. Eles que são queridos pra mim. Estabelecemos empatias que vai fora de cena, porque a gente vai levar isso pra cena e foi muito rico, toda essa empatia, todo esse elenco maravilhoso. Nem vou ficar citando nomes, porque são todos muito queridos. Cada um que vejo na minha frente, vejo um sorriso escancarado e às vezes... Fico muito emocionado porque eles me ajudam a me transbordar de alegria. Remetem a memória dos meus filhos que já estão grandes. Vi nessas crianças o mesmo olhar que tenho com o trabalho. O ouvir é muito importante. Espero que eu tenha sido uma boa referência", almeja.

Prova do amor que as crianças de Gênesis sentem por ele, o elenco infantil da trama falou sobre o paizão que Zé Machado é e de todo amor que sentem por ele. Confira o depoimento das crianças com exclusividade ao NaTelinha sobre o intérprete de Abraão neste Dia dos Pais: