Reportar erro
Leucemia

Por que a doença de Camila em Laços de Família é tão grave

Filha de Helena descobriu a doença nesta semana na novela

Cena de Laços de Família com Camila ficando careca por causa da leucemia
Na novela Laços de Família, Camila enfrenta uma leucemia - Foto: Reprodução/Globoplay
Daniel César

Publicado em 05/02/2021 às 06:49:00

Nesta semana, a reprise de Laços de Família no Vale a Pena Ver de Novo exibiu a descoberta de que Camila, personagem vivida por Carolina Dieckmann, está com leucemia, e a partir de agora a novela exibirá uma corrida contra o tempo para tentar salvar a filha de Helena (Vera Fischer). Mas afinal, o que é a leucemia e por que a doença que acometeu a personagem criada por Manoel Carlos no ano 2000 é tão grave?

Leucemia é um tipo de câncer que afeta o sangue ou os glóbulos brancos, conhecidos como leucócitos e que são responsáveis pela defesa do nosso organismo contra infecções. A palavra foi repetida algumas vezes pelo médico que passou a atender Camila, o hematologista especialista no assunto.

Para compreender é necessário enxergar a questão de um modo mais técnico. Livros especializados em leucemia explicam o tema e mostram que as células do sangue são produzidas na medula óssea que é um líquido gelatinoso na parte interna e central dos ossos, conhecido como tutano. Existem três tipos de células: Hemácias, os glóbulos vermelhos, Leucócitos, chamados de glóbulos brancos e as plaquetas.

A leucemia é uma doença dos leucócitos. Isso significa dizer que as células mães, dentro da medula óssea, sofrem uma mutação, ou seja, uma alteração no seu DNA, e se transformam em células doentes, conhecidas como blastos, que passam a se multiplicar de forma anormal. Existem diferentes tipos de leucócitos, com funções diferentes no sistema imunológico: Linfócitos, Granulócitos e Monócitos. Os neutrófilos, basófilos, eosinófilos e monócitos surgem a partir de células-tronco mieloides. Já os linfócitos se originam a partir de células-tronco linfoides.

Além de favorecer infecções, o excesso de leucócitos doentes também compromete a produção dos glóbulos vermelhos, o que pode resultar em anemia, e de plaquetas, resultando em hematomas ou sangramentos. Assim, os sintomas mais comuns da leucemia são: febres de causa não explicada; infecções; anemia (palidez, cansaço, fraqueza ou tontura); aangramentos (por ex: no nariz ou nas gengivas); manchas roxas ou pontos vermelhos na pele; dor óssea; aumento dos gânglios linfáticos, baço e fígado. Se a doença afetar o Sistema Nervoso Central, podem surgir dores de cabeça, náuseas, vômitos, visão dupla e desorientação.

Qual o tratamento da leucemia?

Por que a doença de Camila em Laços de Família é tão grave

Quando um paciente, como a Camila de Laços de Família, é diagnosticada com a doença, é necessário iniciar o tratamento. O próprio médico da novela sequer deixou a personagem voltar para casa para iniciar tudo. Para entender, o objetivo é destruir as células doentes para que a medula óssea volte a produzir células normais, ao mesmo tempo em que as complicações da doença são controladas. Nos últimos anos foram obtidos grandes avanços com a quimioterapia, os transplantes de medula óssea e as terapias-alvo.

No caso da filha de Helena, como a trama já mostrou em suas outras exibições, será necessário o transplante de medula ósseo, que é basicamente: O paciente recebe células-tronco formadoras do sangue de um doador compatível (alogênico). Às vezes, são usadas células retiradas do cordão umbilical. Quando não existe irmão ou parente próximo compatível, pode-se tentar uma busca no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome).

Leucemia é grave?

Por que a doença de Camila em Laços de Família é tão grave

O desespero de Helena ao saber da doença da filha não é por acaso, já que a leucemia é o 9º tipo de câncer mais comum entre homens e o 11º entre as mulheres no Brasil. É também o tipo mais frequente em crianças e adolescentes. Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), são estimados cerca de 10.800 novos casos de leucemia por ano, e cerca de 6.300 mortes em decorrência da doença.

Isso significa dizer que 58% das pessoas acometidas pela doença acabam morrendo, por isso as chances de Camila não são tão altas quanto ela pensa, ainda que exista a possibilidade de se encontrar um doador compatível. É justamente isso que transformou o drama da personagem num dos mais emocionantes e que chamou a atenção de praticamente todos os brasileiros.

Mais Notícias