Reportar erro
Novos tempos

Por estratégia, Globo some com "plim plim" da programação

globologo_dd86f109ab4f639cb0611bf5340b68e7c5d357bc_b0c0266fc4aa1e4c7f1d8416c3e507b858f07c91.jpeg
Divulgação
Sandro Nascimento

Publicado em 07/06/2018 às 06:00:29

Por estratégia de programação, o maior símbolo da Globo será cada vez menos ouvido por seus telespectadores: o ruído do "plim plim".

Ao longo dos anos, apostando em produzir conteúdo próprio, o canal carioca vem diminuindo a quantidade de filmes e séries em sua grade, em contrapartida, a famosa vinheta que marca a passagem de ida e volta dos breaks comerciais dos "enlatados" diminui na mesma proporção.

Além disso, o "plim plim" também é utilizado nas vinhetas interprogramas, vídeos de identificação da emissora que separaram uma atração da próxima. Com o intuito de tentar diminuir a migração para a concorrência, a Globo está suprimindo sua icônica chamada e colando um programa no outro.

Nesta semana, o canal montou uma estratégia e estendeu a duração do "Vale Pena Ver de Novo" para exibir os capítulos finais de "Celebridade" e o início de "Belíssima". Como consequência da decisão, a "Sessão da Tarde" deixou de ser exibida. Com isso, a vinheta do "plim plim" só pode ser ouvida durante a madrugada, quando a Globo exibe o "Corujão" e as séries "Ponto Cego" e "Lendas do Amanhã". A única exceção foi na segunda-feira com a "Tela Quente".

Aos sábados, isso já acontece há algum tempo, a vinheta que remete à imagem do canal dos Marinhos só é inserida quando o "Supercine" entra para o intervalo, na madrugada de domingo. E neste dia é onde o "plim plim" é mais utilizado, nos breaks da "Temperatura Máxima", "Domingo Maior" e "Sessão de Gala".

Nos anos 80 e 90, a emissora possuía diversos espaços dedicados a produtos estrangeiros, dentre eles "Sessão Aventura", "Terça Nobre", "Sessão de Sábado" e as inúmeras séries que predominavam a grade dominical. Havendo com isso uma presença maior da vinheta.

Atualmente, o "plim plim" é utilizado em campanhas institucionais da Globo, como em "100 Milhões de Uns".

A história

Segundo o Memória Globo, o ruído do "plim plim" foi criado em 1971 por Mauro Borja Lopes, conhecido na emissora como Borjalo. Ele atendeu a um pedido do Boni, na época diretor da Globo, que desejava uma vinheta que pudesse ser ouvido a longas distâncias e que fizesse o telespectador retornar para a frente da televisão.

Antes disso, de forma repentina, os filmes e seriados da Globo eram cortados quando precisa ocorrer o break comercial. Em seu começo, o som do "plim plim" era um "bip bip", mas 1973, Hans Donner modificou para o ruído que conhecemos até hoje.

TAGS: