Olhar TV

"Verão 90" conquistou o grande público, mesmo com evidentes falhas

Divulgação/ TV Globo

Publicado em 26/07/2019 às 20:30:19 ,
atualizado em 26/07/2019 às 20:46:16

Por: Thallys Bruno

A memória afetiva ditou o tom de “Verão 90”, novela das sete que se encerra nesta sexta-feira. A história de Izabel de Oliveira e Paula Amaral, através da despretensão e da comédia simples, de riso fácil, foi o grande trunfo para elevar a audiência do horário após duas pretensiosas histórias que falharam em seus aspectos. Ainda assim, essa viagem pela década de 1990 não foi perfeita. Pelo contrário: a trajetória da novela teve falhas evidentes em sua condução.

Sua premissa retratava o reencontro dos integrantes do grupo Patotinha Mágica, um grande sucesso infantil dos anos 80. Manuzita (Melissa Nóbrega/Isabelle Drummond), João Guerreiro (João Bravo/Rafael Vitti) e Jerônimo Guerreiro (Diogo Caruso/Jesuíta Barbosa) seguiram caminhos diferentes depois da separação da trupe. Incentivada pela mãe, a garota tentou de tudo até emplacar como apresentadora. No entanto, a mocinha não chegou a ter um drama para chamar de seu. A rivalidade entre os irmãos acabou sobressaindo, em que João foi preso injustamente por uma armação de Jerônimo, movido pela inveja do irmão.

Aliás, os conflitos entre Jerônimo e a mãe, Janaína (Dira Paes) chamaram atenção pela grande semelhança com a relação problemática entre Maria de Fátima (Glória Pires) e Raquel (Regina Duarte) na clássica “Vale Tudo”. É justo mencionar que este tipo de trama não é uma exclusividade de uma ou de outra – trata-se de um clichê universal frequentemente usado pela teledramaturgia.

A certa altura da história, “Verão 90” parecia já não ter um fio condutor que ligasse todos estes núcleos. As tramas pareciam uma sucessão de esquetes quase sempre repetitivas, que sustentaram a novela durante boa parte do seu curso. Outro problema foi a caracterização exagerada, que, mesmo com a proposta de homenagem, pouco tinha a ver com o que foram os anos 90 em si. Não que fosse necessária uma representação fiel, mas ficou evidente que faltou um cuidado maior.

Também pode ser mencionada negativamente a fraca construção dos casais românticos. Quase todos ficaram pelo caminho, como o caso de Diego (Sérgio Malheiros), amigo de João; e Larissa (Marina Moschen), ex-namorada do playboy Quinzinho (Caio Paduan). O namoro entre o garoto negro humilde e a patricinha rica poderia render uma ótima discussão sobre o preconceito social, mas não foi desenvolvido a contento e desperdiçou o talento e a química dos atores.

Quinzinho acabou se envolvendo com Dandara (Dandara Mariana), dançarina de lambada. O relacionamento deles foi o único que ainda teve algum desenvolvimento, mas o machismo constante do herdeiro da PopTV (emissora musical da trama) irritou, bem como a falta de um maior esforço de Quinzinho para se tornar merecedor do amor da bailarina – além da evidente falta de química dos intérpretes.

As autoras também repetiram um vício já visto em “Cheias de Charme” (2012) e “Geração Brasil” (2014): apresentar situações forçadas entre os casais para, perto da reta final, separá-los e reconduzir aos seus pares originais. O caso de Quinzinho e Dandara, inclusive, lembra o de Penha (Taís Araújo) e Sandro (Marcos Palmeira) – a mulher negra empoderada que luta pelo seu espaço, mas termina a novela ao lado do malandro que não a valoriza.

Na proposta caricata da novela, o elenco teve altos e baixos. Cláudia Raia, apesar de repetir trejeitos exaustivamente vistos em sua carreira, usou os mesmos a seu favor na sua composição da espalhafatosa Lidi Pantera. Isabelle Drummond, acostumada aos papeis dramáticos, se entregou com competência ao espírito destrambelhado de Manuzita. Jesuíta Barbosa, oriundo de produtos mais cults, mostrou competência em um tipo popular como o vilão Jerônimo (ainda que ele tenha passado longe das nuances humanizadas prometidas pelas autoras).

Destaque-se ainda Gabriel Godoy, ótimo como o picareta Galdino; Camila Queiroz, que brilhou na pele da perigosa e sensual vilã Vanessa e apagou por completo a insossa Luiza de “Pega Pega”; Totia Meirelles (que também merece elogios pela mexicanizada vilã Mercedes) e Dandara Mariana, que fez sua personagem crescer merecidamente e se tornou um dos maiores destaques do enredo.

Mas também houve desacertos, a começar por Débora Nascimento e sua fraca interpretação para a problemática Gisela; e Klebber Toledo, que também não convenceu na pele do atrapalhado Patrick. Sem falar em inúmeros nomes cujo talento foi desperdiçado: Marina Moschen, Cláudia Ohana, Fabiana Karla, Marcos Veras, Giovanna Cordeiro, Ícaro Silva e Jeniffer Nascimento são alguns exemplos.

Ainda assim, nem isso foi capaz de abalar o sucesso da novela, tanto na audiência quanto na receptividade popular. A opção pela despretensão e pelo humor fácil, beirando ao pastelão, mesclada à memória afetiva, agradou em cheio o grande público. Tanto que é comum encontrar mensagens refutando análises críticas sobre a novela, exaltando o inegável apelo popular do enredo. A receita também surtiu efeito na audiência, terminando com uma média geral de 26 pontos, dois a mais que a antecessora “O Tempo Não Para” (2018-19).

Outros pontos que também merecem elogios são a criativa abertura, fazendo alusão a símbolos conhecidos dos anos 90, como as facas Ginsu, os videogames, bandas da época (como o clássico Nirvana) e o icônico pião da casa própria dos programas de Sílvio Santos. A caprichada trilha sonora também merece destaque pelo repertório de altíssimo nível, de Tim Maia a Paralamas do Sucesso, passando por Lulu Santos, Ultraje a Rigor, Beto Barbosa, Gretchen, Kid Abelha, Barão Vermelho, Information Society, New Kids on The Block, Technotronic, Scatman e Roxette (que teve incluídas nada menos que cinco músicas).

“Verão 90”, por tudo que foi apresentado, teve boas qualidades, mas poderia ter sido mais bem cuidada. A homenagem à década de 1990 poderia apresentar um enredo mais consistente e uma caracterização mais caprichada. No entanto, não se pode negar que a trama teve um grande apelo popular e, mesmo com seus problemas, agradou os telespectadores. A novela não foi tão eficiente em sua forma, mas foi eficaz no conteúdo.


publicidade

TAGS:

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!