Reportar erro
Colunas

"A Regra do Jogo" tem ritmo de série, mas peca ao não saber se apresentar

Território da TV

romero-aregradojogo-0909.jpg
Divulgação/TV Globo
Redação NT

Publicado em 22/09/2015 às 14:37:35

A novela que até agora ostenta o menor Ibope da faixa das nove (antiga das oito, quase das dez) da Globo definitivamente não é a de menor qualidade ali mostrada. Supera boa parte das tramas exibidas recentemente no mesmo horário nos mais variados aspectos. Como, então, explicar a aparente rejeição do público?

A combinação de horário recebido em baixa e fenômeno de audiência em andamento na emissora concorrente traz uma boa explicação. Essa dobradinha fez com que os telespectadores nem mesmo dessem a primeira chance antes de rejeitarem a trama de "A Regra do Jogo".

Inovações como a caixa cênica e belas interpretações como as de Giovanna Antonelli e Alexandre Nero de lado, vendo o folhetim no aspecto "macro", o motivo para a generalizada falta de interesse, que não ocorre somente em São Paulo, pode ser outro.

Apesar do andamento eletrizante em que cada capítulo realmente faz a diferença, ao melhor estilo dos seriados estadunidenses, falta outro elemento fácil de ser detectado nas produções dos Estados Unidos: o fio da meada da história.

Em poucas palavras, uma sinopse do que e com quem se passa a trama principal é algo facilmente identificável por qualquer fã que deseje convencer alguém a dar uma chance para sua série preferida. Como fazer isso com "A Regra"?

São vários bons núcleos que já começam a se cruzar, mas ainda meio que de forma gratuita. Os motivos, intenções e passado dos personagens parecem pouco claro. A história já é cativante para quem a comprou, mas não se vende para os demais. E a publicidade, bem sabemos, é a alma do negócio.

O xadrez pensado por João Emanuel Carneiro terá que andar mais rápido para definir claramente os objetivos de suas peças e assim trazer também o telespectador tradicional. Mesmo que só após ele mudar de canal com o fim da novela da Record (quem diria que esse tempo chegaria!).

 

No NaTelinha, o colunista Lucas Félix mostra um panorama desse surpreendente território que é a TV brasileira.

Ele também edita o https://territoriodeideias.blogspot.com.br e está no Twitter (@lucasfelix)


 

Mais Notícias