Interferência da Igreja

Record veta Exu da Grande Rio e ignora Carnaval nos telejornais

Carnaval ficou de fora da tela da Record


Celso Freitas e Exu da Grande Rio em montagem
Exu, da Grande Rio, não teve notícias nos telejornais da Record - Foto: Divulgação/Montagem
Por Thiago Forato

Publicado em 27/04/2022 às 11:20:04,
atualizado em 27/04/2022 às 14:02:27

A Record fingiu que o Carnaval 2022 na avenida não existiu. As campeãs, Grande Rio no Rio de Janeiro e Mancha Verde em São Paulo, não tiveram espaço nos telejornais da casa nessa terça-feira (26). O motivo teria sido religioso, já que a emissora é comandada pela Igreja Universal do Reino de Deus e viu Exu, do Candomblé, conquistar o título na capital fluminense.

Durante os noticiários como o Cidade Alerta e Jornal da Record, a Grande Rio e a Mancha Verde foram sumariamente ignoradas. O canal de Edir Macedo apenas citou nos últimos dias que houve um acidente no "Carnaval fora de época" e que culminou na morte de uma menina de 11 anos em um carro abre-alas. Ela ficou imprensada entre um posto e a alegria da escola, perdendo a perna direita durante uma complexa cirurgia.

Como a Grande Rio venceu celebrando Exu, uma das entidades mais adoradas das religiões de matriz africana, a Record teria optado por não noticiar. Como não falaria do Carnaval no Rio de Janeiro, escolheu também não falar da folia paulista que teve a Mancha Verde como campeã, com o tema Planeta Água, para não gerar comparativos.

Procurada para comentar a razão da omissão dos fatos mais importante do dia em seus principais telejornais, a Record não se manifestou até o fechamento desta matéria. Caso o faça, ela será atualizada.

Record foi adquirida por Igreja Universal há 23 anos

Record veta Exu da Grande Rio e ignora Carnaval nos telejornais

Desde 1989, a Record é de propriedade de Edir Macedo, fundador da IURD (Igreja Universal do Reino de Deus). Ainda que a igreja tenha se mantido "longe" das decisões da emissora durante seu auge, entre 2004 e 2015, ela voltou a atuar forte nos bastidores desde a explosão das novelas bíblicas, especialmente em Os Dez Mandamentos (2015), quando a filha de Edir Macedo passou a interferir nos textos da trama e a titular, Vivian de Oliveira, passou a ficar insatisfeita. Ela deixou a casa em 2018.

A emissora era propriedade de Silvio Santos e Paulo Machado de Carvalho. Cada um detinha 50% das ações. A formalização da venda ocorreu apenas em abril de 1990. Parte dessa história é retratada no filme Nada a Perder (2018).

Devido a inúmeras burocracias no Congresso Nacional, a concessão da Record só foi transferida à Macedo em fevereiro de 1994, há 28 anos.

Participe do nosso grupo e receba as notícias mais quentes do momento.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Participe do grupo
Mais Notícias