Reportar erro
Partiu

Jornalista da CNN foge do Afeganistão em avião com refugiados

Clarissa Ward deixou o país após tomada de poder do Afeganistão

Clarissa Ward
Clarissa Ward saiu do Afeganistão - Foto: Reprodução
Redação NT

Publicado em 21/08/2021 às 10:15:08

A repórter norte-americana Clarissa Ward, da CNN, usou seu perfil do Twitter neste sábado (21) e revelou que deixou a cidade de Cabul, capital do Afeganistão. Ela estava fazendo a cobertura no país mostrando detalhes do retorno ao poder do grupo Talibã nos últimos dias.

“Em nosso vôo e nos preparando para a decolagem”, legendo ela ao postar uma foto no Twitter. Na imagem, é possível ver os refugiados em um avião, mas não contou qual era o destino deles.

Clarissa teve dificuldades para fazer seu trabalho de jornalismo para exibir detalhes do Talibã. Em reportagens ao vivo em um dos telejornais da emissora, ela chegou a pedir para abandonar a transmissão por segurança, pois havia preocupação com alguma ação do grupo radical.

Ela deu uma entrevista exclusiva ao apresentador William Waak, da CNN Brasil. No bate-papo, a profissional relatou que estava com a “sensação de estar no limite” quando questionada sobre a relação do Talibã com os jornalistas de países que ficam no ocidente.

“O Talibã tem sido bem receptivo e cordial com os jornalistas dizendo que podemos sair e fazer nosso trabalho com as reportagens. Mas sempre se tem uma sensação de estar no limite. Com tantos combatentes diferentes, nunca se sabe em quem você vai esbarrar e qual vai ser a reação”, explicou.

Apesar de toda a confusão que vem ocorrendo no Afeganistão, Ward deixou muito claro que passou a usar abaya por conta própria. Ela negou que tenha sido obrigada a usar a vestimenta preta por conta da tomada do poder do Talibã.

Talibã

Após a tomada do Talibã em Cabul, capital afegã, uma série de medidas foram feitas pela organização, como o apagamento de imagens de mulheres nos muros da cidade. Há muita preocupação com o grupo radical, que já retirou no passado os direitos das mulheres e minorias.

TAGS:
Mais Notícias