Reportar erro
Mudança

Repórter da CNN é obrigada a usar véu após tomada pelo Talibã no Afeganistão

Profissionais da comunicação tiveram que mudar suas roupas no país

Repórter da CNN com roupa casual; Repórter da CNN com véu
Repórter da CNN é obrigada a usar véu após tomada pelo Talibã no Afeganistão - Foto:Reprodução
Redação NT

Publicado em 16/08/2021 às 17:31:00

Poucas horas depois da tomada do Talibã (movimento fundamentalista islâmico nacionalista extremo), no domingo (15), repórteres e correspondentes mulheres que trabalham no país foram obrigadas a usar véu para cobrir todo o corpo, só deixando o rosto à mostra. Durante as transmissões dos canais sobre os últimos acontecimentos no país, as jornalistas já apareciam com o traje típico das mulheres muçulmanas.

Clarissa Ward, correspondente da CNN no Afeganistão, que faz entradas ao vivo para o canal a todo momento, mudou sua roupa. Se antes a jornalista usava um figurino mais casual, agora ela é vista no vídeo com uma roupa toda preta, cobrido do pescoço aos pés, além do lenço na cabelo, para os fios não serem mostrados.

Após a tomada do Talibã em Cabul, capital afegã, uma série de medidas foram feitas pela organização, como o apagamento de imagens de mulheres nos muros da cidade.

Já em Cuba, Dina Stars, repórter independente e youtuber que vem fazendo a cobertura dos protestos contra o governo cubano, foi presa enquanto estava fazendo participação no programa Todo es Mentira, veiculado no canal Cuatro, na Espanha. A repórter estava conversando com a âncora Marta Flinch, dando notícias da manifestação popular na ilha latina quando ela foi detida por policiais em seu própria casa.

Repórter é destratado por político

O repórter Lucas Lobo, profissional da Rede Amazônica, afiliada da Globo no Norte do país, foi hostilizado enquanto fazia reportagem denunciando um suposto caso de corrupção. Na sexta-feira (9), o jornalista usou as redes sociais para contar que foi destratado por Herivaneo Seixas, ex-prefeito de Humaitá (AM), enquanto fazia uma matéria sobre um suposto superfaturamento de testes de Covid-19 na gestão do político.

Mais Notícias