Reportar erro
Revolta

Mauro Beting abandona jogo da Champions ao vivo após ofensa racista

Demba Ba, reserva do Istanbul Basaksehir, acusou quarto árbitro de racismo

Mauro Beting abandona transmissão de PSG x Istanbul Basaksehir pela Champions League
Mauro Beting abandona transmissão de PSG x Istanbul Basaksehir pela Champions League - Foto: Reprodução/EI Plus
Paulo Pacheco

Publicado em 08/12/2020 às 18:50:30

Comentarista do Esporte Interativo, Mauro Beting decidiu abandonar a transmissão de Paris Saint-Germain x Istanbul Basaksehir, nesta terça-feira (8), pela Champions League, após o jogador Demba Ba, reserva do time turco, acusar o quarto árbitro por uma ofensa racista. Enquanto os atletas saíam do campo aguardando a definição sobre a continuidade do jogo, o jornalista sentenciou que não trabalharia mais na partida se ela fosse retomada.

Beting acompanhou a revolta do narrador Jorge Iggor e disse que é preciso tomar atitudes como as que os jogadores tiveram: ser intolerante contra os intolerantes.

"A única coisa realmente boa é que os atletas tomaram a atitude que tinham que tomar já há muito tempo em outras situações. Todos os atletas saem, independentemente da cor, porque isso é uma questão de humanidade, questão de respeito. Repito: Amar é fácil, respeitar é mais complicado, e respeito e amor total à atitude dos colegas de Istanbul e Paris Saint-Germain. Hoje foi o marco zero. Claro que isso não se debela de uma hora para outra, mas é com atitudes como essa, com intolerância contra os intolerantes, que a gente vai começar a consertar alguma coisa no futebol", afirmou o comentarista.

Mauro ainda descreveu a quem é racista por que "vidas negras importam", lembrando os séculos de escravidão que repercutem até hoje na estrutura da sociedade: "Desculpe a emoção, porque não dá para falar outra coisa. Todas as vidas importam, mas aquelas que são segregadas e maltratadas há séculos importam mais".

Em seguida, Beting anunciou que não comentaria o jogo se voltasse a ser realizado: "Se a gente conseguiu superar uma pandemia, a gente consegue superar um jogo a mais para depois. Gente, não é uma questão de pontuação, de confronto direto. Aliás, é um confronto direto com a humanidade! É um negócio desumano se a gente continuar o jogo, como aliás, infelizmente, várias vezes aconteceram jogos que não poderiam acontecer ou seguir acontecendo por outras tragédias, problemas físicos, cai o estádio, chuva, neve, excesso de calor. Isso aqui é um excesso de humanidade, o mínimo de humanidade e o mínimo de respeito que a gente quer! Não pode voltar a ter jogo!".

O comentarista prosseguiu: "Repito: se tiver jogo, não vai ter comentarista, e aí, evidentemente, estarei submetido ao que vier, mas eu não comento mais esse jogo. Posso ficar aqui sentado, mas não dá, cara, não dá nem para brincar. Gente, isso não é brincadeira, é muito sério".

O narrador Jorge Iggor fez um forte discurso contra o caso de racismo: "Hoje chegamos ao ponto mais baixo, mais rasteiro, mais inadmissível da intolerância, da estupidez entre as relações humanas. A gente já viu de tudo e tudo é repugnante, tá? Todos os episódios [de racismo] que nós já vimos são repugnantes, são graves e inaceitáveis de jogador ofendendo jogador racialmente, de torcedor usando ofensa racial e de xenofobia de todo o tipo de intolerância que não sei de onde vem, mas isso foi pior. Hoje foi pior. Se alguém duvidava que a gente chegaria ao ponto mais baixo, a gente chegou hoje. Porque o quarto árbitro é uma autoridade, porque tem que aplicar regras, aplicar a lei, ele ofender racialmente um jogador é de dar nojo".

Jorge disse que há muitos casos de ataques raciais ao redor do mundo e criticou quem afirma que não há racismo. O narrador explicou que o preconceito e a intolerância não é "discurso político" e que atinge todos os lugares do planeta.

"Olha o nível que nós chegamos. E ainda vai ter gente dizendo que não há racismo no mundo, que não existe intolerância no mundo. Tem gente que tem a capacidade de usar o cinismo, a petulância de negar o óbvio, de negar a realidade que está nos nossos olhos, que a gente vê todos os dias, que a gente vê nos estádios, que a gente vê no shopping, que a gente vê em qualquer lugar, tá aí pra quem acha que isso é discurso político, de quem acha que isso é balela, que isso é conversa fiada. Quem não sente na pele, fica muito mais fácil achar que isso é conversa fiada. Sinta na pele, perceba os episódios que estamos vendo todos os dias", acrescentou.

"Constate com seus olhos, porque a realidade tá aí. Eu fico feliz com os avanços que tivemos ao longo dos anos, mas eu quando eu vejo um árbitro, uma autoridade cometendo uma barbaridade dessa, eu desanimo. A gente tem muito o que fazer pra mudar isso aí", completou.

Mais Notícias