Reportar erro
Rivais em SP

Boulos acusa Record de cancelar debate para proteger Russomanno

Emissora desistiu de reunir candidatos "pela saúde de colaboradores e convidados"

Guilherme Boulos e Celso Russomanno em debate da Band
Guilherme Boulos e Celso Russomanno em debate da Band - Foto: Montagem/Reprodução/Band
Paulo Pacheco

Publicado em 06/10/2020 às 18:30:01

O cancelamento do debate da Record entre candidatos a prefeito em diversas cidades provocou as primeiras manifestações de concorrentes ao cargo. Guilherme Boulos, representante do PSOL em São Paulo, acusou a emissora de ter desistido do programa para proteger seu contratado, Celso Russomanno (Republicanos).

"Russomanno não precisa fugir dos debates. Ele cancela. Lamentável mais uma emissora se negar ao debate democrático", escreveu o candidato no Twitter, nesta segunda-feira (6).

Russomanno apresenta a Patrulha do Consumidor no Cidade Alerta. Pela candidatura a prefeito, precisou se afastar da TV, porém usa sua fama de "defensor dos consumidores" em sua campanha política.

Record cancela debate por coronavírus

Segundo a Record, o debate previsto para 8 de novembro foi cancelado em função da pandemia de coronavírus. A emissora confirmou o encontro entre os candidatos do segundo turno para 21 de novembro.

"A Record TV preza pela saúde de seus colaboradores e de seus convidados. Por isso, depois de consultar uma comissão de médicos e de técnicos em medicina do trabalho, a emissora entendeu que não há condições de promover o encontro com segurança. O número elevado de candidatos, a presença de assessores políticos (mesmo que limitados a dois por candidato) e o essencial trabalho dos profissionais da emissora tornariam impossível seguir os protocolos sanitários recomendados pelos médicos. E transformariam o evento em um potencial foco de infecção do novo coronavírus", disse a emissora. 

"Importante destacar que a Record TV segue a legislação eleitoral, que assegura a participação em debates, em iguais condições, a todos os candidatos cujos partidos e/ou coligação têm cinco ou mais representantes no Congresso Nacional", completou. 

TAGS:
Mais Notícias