Izabel de Oliveira

Autora de Cheias de Charme fecha com a HBO e vai fazer novela para o streaming

Ela havia deixado a Globo após encarar dois fracassos no Ibope


Cena de Cheias de Charme
Autora de Cheias de Charme fechou com a HBO - Foto: Reprodução/Globoplay

A HBO Max segue contratando para investir em seu recém-criado departamento de dramaturgia, sob o comando de Mônica Albuquerque e Silvio de Abreu e o mais novo nome da plataforma é Izabel de Oliveira. Co-autora de Cheias de Charme (2012) e que deixou a Globo recentemente. A novelista já teve seu primeiro projeto aprovado na empresa e deve estrear em 2023.

Segundo apurou o NaTelinha, desde que deixou a Globo, Izabel vinha desenvolvendo um projeto para uma novela de época, mas que explorasse o início do tráfico de drogas nos morros do Rio de Janeiro. A sinopse chegou a ser apresentada para algumas emissoras, mas a negociação avançou com a HBO Max, quando os executivos que trabalharam com ela na emissora carioca se empolgaram com a criação.

Izabel já assinou contrato com a plataforma de streaming e deverá comandar a terceira novela da HBO Max, já que a primeira é Segundas Intenções e a segunda é uma nova versão de Dona Beija, eternizada pela TV Manchete nos anos 80.  Ela já está escrevendo blocos de capítulos e a montagem de elenco está prevista para o segundo semestre.

O último trabalho da autora na Globo foi Verão 90 (2019), que não obteve altos índices de audiência para a Globo na faixa das 19h e que ela dividiu com Paula Amaral. Antes, ela havia assinado com Filipe Miguez, parceiro do fenômeno Cheias de Charme, Geração Brasil (2014), que estreou com muita expectativa, mas amargou os piores índices da história da faixa até então.

Cheias de Charme, Izabel de Oliveira e Carlos Lombardi

Autora de Cheias de Charme fecha com a HBO e vai fazer novela para o streaming

O projeto de Izabel de Oliveira para a HBO Max não tem nada a ver com Cheias de Charme. O sucesso de 2012, maior Ibope da faixa das 19h da Globo na última década, foi tal qual Avenida Brasil pensada para o momento daquele ano, com a ascensão da classe C. Agora, a ideia é uma produção dos anos 70.

A novela vai contar como o tráfico tomou o poder das favelas no Rio de Janeiro, roubando o lugar ocupado pelos bicheiros. O tema é o mesmo de Pecado Mortal (2013), novela de Carlos Lombardi para a Record.

Mais Notícias