Reportar erro
Nova operadora

Conar suspende campanha da Nextel com o "ruivinho do comercial"

Nextel contratou João Cortês para estrelar suas campanhas

joaocortesnextel_f70b0adc947688f56f1ef0b77006bcb65879b4ed.jpeg
Reprodução
Thiago Forato

Publicado em 15/03/2018 às 11:03:38

Há alguns dias, a Nextel, operadora de telefonia móvel, estava veiculando uma campanha publicitária com o ator João Cortês, ex-garoto propaganda da Vivo.

A inserção acabou suspensa pelo Conar porque a entidade entende que a ação podia trazer prejuízos e danos ao público ou às marcas envolvidas. Neste caso, às concorrentes da Nextel.

No ar nos intervalos da TV e também nas redes sociais, o comercial satirizava as concorrentes Tim, Claro e Oi. Em dado momento, um homem perguntava: "Você não é ruivo da... ?". "Era! Era! Agora não sou mais", dizia o ator.

Em 2013, João contracenou com diversas personalidades em campanhas para a Vivo, como Grazi Massafera, Marina Ruy Barbosa, Luiz Felipe Scolari (Felipão), Rubens Barrichello e Fábio Porchat.

A popularidade do rapaz fez com que ele participasse em um episódio da série "Os Experientes" (2014) e da novela "Sol Nascente" (2016-2017).

O comercial ainda pode ser visto aqui.

Procurada pelo NaTelinha, a assessoria de imprensa da Nextel enviou o seguinte comunicado:

"A Nextel tem como princípio a veiculação de campanhas publicitárias claras e transparentes, que respeitam o consumidor, a concorrência e a regulamentação do setor.

A operadora esclarece que o uso da expressão 'melhor operadora de celular do Brasil' em sua atual campanha tem como base a pesquisa Melhores Serviços, realizada pelo Jornal O Estado de S. Paulo em parceria com o Blend New Research - HSR que pelo terceiro ano consecutivo apontou a Nextel como líder do ranking de telefonia móvel do país.

A Nextel ressalta que tal informação estava devidamente identificada nas peças publicitárias na forma de cartela ('Melhor operadora de celular do Brasil. Fonte: Prêmio Estadão') e texto jurídico e informa que está à disposição para prestar os esclarecimentos necessários ao órgão regulador".