Preterida

Após fiasco, Globo não comercializa O Sétimo Guardião internacionalmente

O Sétimo Guardião chegou ao fim em 2019 envolvida em polêmicas nos bastidores e também em direitos autorais

Após fiasco, Globo não comercializa O Sétimo Guardião internacionalmente
José Loreto, Marina Ruy Barbosa e Bruno Gagliasso em O Sétimo Guardião - Divulgação/TV Globo

Publicado em 01/02/2020 às 08:23:20

Por: Thiago Forato

Produção que se viu envolvida em polêmicas de direitos autorais e rodeada por escândalos nos bastidores, O Sétimo Guardião foi preterida pela Globo no mercado internacional.

A primeira feira de TV realizada em 2020 foi a NATPE, entre os dias 19 e 21 de janeiro. A Globo levou suas principais produções do ano passado, tais como Bom Sucesso, A Dona do Pedaço, Órfãos da Terra, Ilha de Ferro, dentre outras, mas não cogitou comercializar o folhetim escrito por Aguinaldo Silva.

A resposta para isso é óbvia. A novela foi um fracasso e obteve uma média geral de 28,8 pontos, 4 a menos que sua antecessora, Segundo Sol, que anotou 33,4.

Não só isso, mas pesou também toda a polêmica sobre os direitos autorais da trama. No dia 02 de janeiro, a Globo anunciou que não renovaria o vínculo com o veterano novelista, que deixa a emissora após 40 anos.

Vale lembrar, no entanto, que a obra é exibida pela Globo Internacional em Portugal, por exemplo. O que a emissora não está fazendo é "empacotá-la" e vendê-la, gerando mais dinheiro ao Grupo.

Público não comprou a ideia

O Sétimo Guardião foi duramente criticada por escalar um casal sem química (Marina Ruy Barbosa e Bruno Gagliasso) e ter uma história central que não fazia sentido, como manter a fonte de água com poderes especiais em segredo ou porque os líderes da irmandade não podiam ter relacionamentos amorosos. O público não comprou a ideia e a falta de justificativa para essas e outras questões.

O NaTelinha apurou ainda que não há a menor chance da novela ser exportada internacionalmente. A Globo tem como grande fonte de receita justamente a venda de suas telenovelas. A Dona do Pedaço, por exemplo, sua sucessora, já foi vendida a dezenas de países e foi um sucesso na NATPE realizada há duas semanas.

Procurada, a Globo diz que a seleção de produtos que oferece em seu catálogo internacional obedece a critérios de negócios, necessidades do mercado e à adaptação dos títulos em outras línguas.

Ainda de acordo com o canal carioca, esse conjunto precisa fazer sentido para a composição de oferta para oferecer conteúdo, e é isso que define quando cada obra chega ao mercado internacional.




publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!