Pronunciamento

Joanna fala sobre agressão de namorada à mãe: "Fui envolvida por preconceito"

Karen Keldani, companheira da cantora, foi flagrada em episódio de violência

 Joanna fala sobre agressão de namorada à mãe: "Fui envolvida por preconceito"
Karen Keldani, ao lado da cantora Joanna (primeira foto), agrediu a mãe, Nely Habib - Foto: Montagem/Reprodução/Instagram/Arquivo pessoal

Paulo Pacheco

Publicado em 27/11 às 19:54:17

A cantora Joanna se manifestou pela primeira vez após ter seu nome envolvido na briga da família de sua namorada, Karen Keldani, que agrediu a mãe, dona Nely Habib, de 66 anos. O caso aconteceu em junho, porém o vídeo (veja abaixo) só foi divulgado na última segunda-feira (23) pelo cunhado da artista, Fábio Keldani, para proteger sua genitora da própria filha.

continua depois da publicidade

"De forma direta e transparente, como sempre trato com vocês, explico que meu nome foi indevidamente envolvido em gravíssimas acusações e que de modo algum correspondem à verdade dos fatos", afirmou Joanna nesta sexta, em vídeo divulgado em seu perfil no Instagram.

"Lamento profundamente o ocorrido e esclareço que se trata de um caso em que estou sendo envolvida por motivos de preconceito e injustiça. A minha vida e a minha carreira têm sido pautadas pela luta contra preconceitos e por uma agenda de defesa dos direitos de todos, sempre com princípios éticos e morais. Não podemos concordar com nenhum tipo de violência e nem com atitudes de intolerância que afrontem o respeito às diferenças", prosseguiu a cantora.

continua depois da publicidade

Joanna ainda disse que acionará a Justiça contra quem a envolveu na briga familiar: "Serão devidamente desconstruídas nas esferas competentes cível e criminal e a verdade será restabelecida".

O caso de agressão

Em imagens captadas por câmeras de segurança do edifício onde a sogra de Joanna vive, em Copacabana (zona sul do Rio de Janeiro), Karen entra no condomínio e encontra Nely, acompanhada do neto de seis anos. A filha empurra a mãe em uma das pilastras do prédio, ela fica caída no chão, ensanguentada. Fábio Keldani aparece no vídeo socorrendo a mãe.

continua depois da publicidade

Nely ficou internada no CTI (Centro de Terapia Intensiva) de um hospital na capital fluminense, com traumatismo craniano e crises de convulsão. Recebeu alta médica quatro dias depois para prosseguir a recuperação em casa, em função da pandemia de coronavírus.

A sogra de Joanna registrou boletim de ocorrência e solicitou medida protetiva contra a filha. Em setembro, a juíza auxiliar Claudia Leonor Jourdan Gomes Bobsin, da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio), decidiu que Karen deve se afastar da mãe por, no mínimo, 300 metros.

continua depois da publicidade

Joanna transformou a namorada, diz cunhado  

A briga na família se intensificou, segundo o filho de Nely, quando a irmã, que também é cantora, começou a se relacionar com Joanna, há dois anos. Karen teria desviado parte do dinheiro das contas da tia-avó, Lody, de 90 anos, que recebe aposentadoria do Ministério da Fazenda de R$ 25 mil por mês.

"Joanna fez a família da minha irmã se destruir. Era casada, traiu o marido e o expulsou da casa para botar a namorada. Não falamos com ela porque foi um absurdo o que ela fez. Não é homofobia. Não gostamos da Joanna porque ela transformou a minha irmã em uma cobra", desabafou o cunhado ao NaTelinha.

continua depois da publicidade

"Como ela começou a fazer plásticas depois de conhecer a minha irmã? Obviamente que foi com o dinheiro da tia. Há pouco mais de um mês, Karen não parou, fez ameaças. Precisamos que seja feita Justiça e que ela pare. Enquanto ela não recuperar o dinheiro da minha tia, não irá sossegar", complementou Fábio Keldani.

Além de cantora, Karen ocupa o cargo de assistente II da Funarj (Fundação Anita Mantuano de Artes do Estado do Rio de Janeiro), vinculada à Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa. Procurada pelo NaTelinha a respeito do flagrante de agressão da funcionária pública contra a mãe, a assessoria do órgão informou que "repudia e condena toda e qualquer espécie de violência e está acompanhando os acontecimento relativos ao caso em questão". 

continua depois da publicidade

A reportagem entrou em contato com Joanna e Karen Keldani, porém não obteve retorno até a conclusão deste texto.

 

TAGS: