Luto

Com doença de Parkinson, Cecil Thiré morre aos 77 anos

Ator teve grandes papéis na TV

 Com doença de Parkinson, Cecil Thiré morre aos 77 anos
Cecil Thiré faleceu - Foto: Reprodução

Redação NT

Publicado em 09/10/2020 às 14:31:00,

O ator Cecil Thiré faleceu nesta sexta-feira (9), aos 77 anos, enquanto dormia em sua casa no Humaitá, Rio de Janeiro. Ele enfrentava a doença de Parkinson há alguns anos e não atuava na televisão desde o fim de Máscaras (2012), na Record. Filho da atriz Tônia Carrero, o artista dirigiu obras no teatro e no cinema, além de ter papéis marcantes na TV, como Mário Liberato em Roda de Fogo (1987).

continua depois da publicidade

O primeiro trabalho de Cecil aconteceu aos 18 anos, quando ele foi assistente de direção de Ruy Guerra, no filme Os Fuzis. No ano seguinte, trabalhou no curta-metragem Os Mendigos. A partir dali, seguiu na profissão durante décadas e ainda desempenhou sua função como artista plástico.

Teve papéis marcantes na TV, como o vilão Mário Liberato em Roda de Fogo. Também foi o assassino misterioso Adalberto, de A Próxima Vítima (1995). Transferiu-se para Record em 2006 e seguiu no canal até 2012, quando atuou pela última vez em Máscaras.

continua depois da publicidade

Cecil deixa sete netos e quatro filhos. Ele sofria com Parkinson há alguns anos e seu estado de saúde preocupou ao aparecer na cerimônia de cremação da sua mãe, em março de 2018. Na ocasião, Leonardo Thierry, sobrinho de Tônia, explicou que o ator não estava muito bem.

“Ele perdeu a capacidade de andar e em certas horas do dia fala muito mal. Cecil ficou muito abalado com a morte da mãe. As fotos que foram feitas no velório refletem a tristeza do momento. Os pacientes com Parkinson reagem muito mal ao estresse emocional”, contou Leonardo ao jornal Extra.

continua depois da publicidade

Cecil Thiré e sua doença

Muitos apontaram que Cecil tinha a mesma doença que sua mãe, mas o sobrinho negou a informação na época. Ele relatou que Carrero morreu com hidrocefalia oculta. Ele explicou que a Tônia não conseguia mais andar no fim da vida, mas se manteve lúcida até o fim da vida.

Já a doença de Parkinson é conhecida pela degeneração progressiva dos neurônios produtores do neurotransmissor dopamina, que estão relacionados ao domínio sobre o movimento do corpo. Essa destruição das células nervosas atinge diversos cantos do cérebro.

continua depois da publicidade