Quarta Parede

5 motivos para maratonar A Vida e a História de Madam C.J. Walker, na Netflix

Série com Octavia Spencer é boa pedida para feriadão e quarentena

5 motivos para maratonar A Vida e a História de Madam C.J. Walker, na Netflix
Octavia Spencer brilha em minissérie da Netflix na pele de mulher que fez fortuna fabricando cosméticos para mulheres negras - Fotos: Divulgação/Netflix

Publicado em 18/04/2020 às 11:00:00 ,
atualizado em 18/04/2020 às 22:10:15

Por: Walter Felix

A Vida e a História de Madam C.J. Walker, que estreou na Netflix no fim de março, é uma boa pedida para maratonar neste feriadão ou durante a quarentena. Protagonizada por Octavia Spencer, a minissérie (originalmente intitulada Self Made) é ambientada no início do século 20 e narra a trajetória real de Sarah Breedlove, a primeira mulher a se tornar milionária nos EUA por conta do próprio trabalho.

Pobre e sem perspectivas, Sarah eleva sua autoestima ao conhecer uma fabricante de cosméticos para mulheres negras. Fascinada pela linha para cabelos, ela se oferece para revender o produto, mas tem sua oferta rejeitada. Assim, descobre por conta própria uma fórmula para cabelos crespos e investe no ramo, disposta a ascender no mundo dos negócios.

Confira, a seguir, 5 motivos para maratonar A Vida e a História de Madam C.J. Walker:

1- Perfeito casamento entre atriz e personagem

Octavia Spencer já é um bom convite para conferir qualquer produção. Sarah não poderia ser defendida por outra atriz senão essa, veterana no humor e com igual talento para o drama. Na série, ela brilha como uma protagonista que sofre constantes humilhações - por ser negra, por ser mulher e por não seguir o padrão de beleza de sua época - e usa cada descrédito como motor para seguir adiante.

2- Texto leve, mas cirúrgico

A minissérie discute questões sociais latentes nos EUA do início do século 20, mas que perduram nos dias atuais. Histórias de racismo e misoginia costumam render bons dramas, mas a série foge de uma abordagem lacrimosa. Ao contrário, por vezes recorre ao humor para levantar tais questões. Em diversas cenas, o espectador ouve verdades dolorosas, floreadas pelo histrionismo da personagem principal.

3- Empreendedorismo e superação sem pieguices

A trajetória de Sarah Breedlove até se tornar uma influente ativista política e social pode ser lida como uma jornada de empreendedorismo e superação - termos, hoje, bastante saturados. A produção da Netflix, contudo, foge das armadilhas comuns aos filmes e séries que apostam nesses filões. Ainda que enfoque a trajetória vitoriosa da personagem real, passa longe de endeusá-la e exibe, com igual importância, suas falhas e derrotas.

4- Trilha sonora foge do esperado

O caminho mais óbvio seria recorrer ao jazz, que nasceu na comunidade afro-americana justamente no período em que a história é ambientada, entre 1908 e 1918. A aposta para a trilha sonora, contudo, foi em uma seleção eclética e atual, que vai do pop ao hip hop. A música da série ajuda a costurar a história, além de escapar das obviedades.

5- Curta duração

Com apenas quatro episódios, a produção se destaca no imenso catálogo da Netflix por ir direto ao ponto, evitando enrolações sem que isso comprometa o desenvolvimento dos personagens. Mesmo com a curta duração, há tempo de se conhecer figuras interessantes além da protagonista - como sua filha Lelia (Tiffany Haddish, divertida) e Addie (Carmen Ejogo, na foto acima, ótima como vilã).




publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!