Coluna do Sandro

Roberto Justus afagou empresários sobre coronavírus, mas se jogou no abismo como artista

Nas redes sociais, o empresário sofre de grande índice de rejeição após opinar sobre isolamento social

Roberto Justus afagou empresários sobre coronavírus, mas se jogou no abismo como artista
Divulgação

Publicado em 01/04/2020 às 04:59:00 ,
atualizado em 01/04/2020 às 13:09:47

Por: Sandro Nascimento

O empresário e apresentador Roberto Justus, querendo amenizar o impacto negativo das suas declarações sobre ser favorável a reabertura do comércio e o isolamento vertical em tempo de coronavírus, retornou às redes sociais no último final de semana e disse que foi mal compreendido pelo público.

"As pessoas foram muito injustas comigo porque sou uma pessoa que pensa sim no ser humano, que preza pelas pessoas e sempre se preocupou em ser íntegro e correto com todos", disse Justus na postagem.

E completou em outro trecho: "Acho que foi bom colocar em prática métodos urgentes para conter a proliferação da doença. Analisando e pesquisando porque a gente vai aprendendo todo dia, passei a acreditar que a melhor forma realmente é esse isolamento momentâneo, principalmente para evitar um colapso no sistema de saúde. Esse que talvez seja o maior problema neste momento, que pode causar muito mais mortes".

Mas antes da repercussão, Roberto Justus, que aguarda o sinal verde para gravar a nova temporada de O Aprendiz na Band, tinha outra opinião sobre o tema.

"Não ter aglomerações? Ok! Não ter jogos de futebol, as grandes festas, shows? Ok! Não é pra botar muita gente junta. Mas vamos isolar nossos idosos e as pessoas que têm problemas de saúde para que não se contaminem e vamos liberar o resto. Porque o saudável, quando pega o vírus, para ele é uma gripe, não é uma coisa tão grave pra quem é saudável e tem boa imunidade. E ele ainda vai criar anticorpos", defendeu.

Como fica o artista Roberto Justus?

Roberto Justus foi uma dos publicitários mais geniais do mercado brasileiro. Criou campanhas e impulsionou inúmeras marcas. Porém, ele não foi capaz de fazer a gestão da própria imagem como artista neste momento que o mundo enfrenta uma pandemia. Ele afagou seus amigos empresários, mas se distanciou do público e se jogou num abismo como artista.

A coluna não está avaliando sua opinião, mas faz um questionamento de postura dele como um produto de mercado. Se a declaração de Roberto Justus é certa ou errada, o futuro e a história irão contar.

Mas fica a dúvida. Numa época de tanta censura aos meios de comunicação que não pode críticas abertas a determinadas camadas da sociedade, será que anunciantes vinculados ao Aprendiz vão se perfilar tão independentes e arrojados como Justus sobre convicções econômicas? Muitos já mudaram o discurso e quem ficou de calça-curta?

Será que se Roberto Justus estivesse ainda trabalhando no meio publicitário, ele indicaria para seus clientes patrocinarem um programa de Roberto Justus, um artista alinhado com Bolsonaro e que ganhou alto índice de rejeição por opiniões sobre métricas de mortes de seres humanos nas redes sociais?




publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!