Reportar erro
Colunas

Estilo novelão e talento de Isabelle Drummond marcam estreia de A Lei do Amor

Antenado

aleidoamorlogo.jpg
Fotos: Reprodução/ TV Globo
Redação NT

Publicado em 03/10/2016 às 22:30:30

Depois de uma novela contemplativa, de texto mais apurado e fotografia belíssima como "Velho Chico", a Globo passa por uma mudança radical no horário das 2h, para tentar marcar o que espera de audiência - algo em torno de 35 pontos. 
 
"A Lei do Amor" é a volta do estilo novelão clássico. O primeiro capítulo, exibido na noite desta segunda-feira (3), mostrou todos os clichês que já são conhecidos amplamente pelo público. E isso não é exatamente ruim. 
 
Dizem que novela é a arte de contar a mesma história milhões de vezes. "A Lei do Amor", neste primeiro momento, fez bem isso. Já na estreia, tivemos um texto político, com tramas maniqueístas, mocinha sofredora, mocinho amoroso, vilã debochada, vilão obscuro e assim segue. 
 
 
O diferencial, por ora, ainda não apareceu exatamente. Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari imprimiram um bom ritmo inicial, com um texto sensível na hora certa, mas forte.
 
O gancho final com o barraco depois da morte do pai de Helô (Isabelle Drummond) na prisão é um excelente gancho para o próximo dia. Souberam captar o público neste sentido.
 
 
A direção de Denise Saraceni segue um padrão que ela já vem colocando nos últimos tempos, como "Passione", por exemplo. Competente, com uma força impressionante para cenas com textos de tensão. 
 
O grande destaque deste primeiro capítulo, sem dúvida nenhuma, foi Isabelle Drummond. Cada dia mais bonita e a cada trabalho mais talentosa, ela mandou no capítulo, colocando emoções certas para a mocinha.
 
 
Chay Suede também segue competente como mocinho, mas manteve seu padrão dos últimos trabalhos. Nada muito diferente - o que não quer dizer que ele foi necessariamente ruim. 
 
 
Magnólia, grande vilã da trama, interpretada por Vera Holtz, apareceu com poucos momentos, mas tem um excelente potencial para crescer. Tem um quê de Carminha, de "Avenida Brasil": sarcástica, voraz, religiosa, manipuladora. É para se observar e muito nos próximos tempos. 
 
[galeria]
"A Lei do Amor" ainda tem muito o que dizer, ainda mais porque falamos de uma primeira fase que vai até sexta-feira (7). Mas se a primeira impressão é que fica, ela realmente agradou, pelo menos para ver o segundo capítulo.
 
Esperemos que agrade durante os próximos meses. Elementos para isso tem de sobra. 
 
 
Gabriel Vaquer escreve sobre mídia e televisão há vários anos. No NaTelinha, é responsável por reportagens variadas e especiais. Ainda assina as colunas "Antenado", sobre TV aberta, e "Eu Paguei pra Ver", sobre TV por assinatura. Converse com ele. E-mail: gabriel@natelinha.com.br / Twitter: @bielvaquer
 
Mais Notícias