Reportar erro
Colunas

Li Martins desabafa: "Eu sou contra traição, mas agredir é muito pior"

Cantora fala sobre ex-marido, carreira e participação no reality "A Fazenda"

Li-Martins1.jpg
Fotos: Divulgação
Sandro Nascimento

Publicado em 19/04/2016 às 09:27:56

Com música na abertura da novela "Sila - Prisioneira do amor", da Band, a ex-Rouge Li Martins anda comemorando sua boa fase profissional. Já na vida pessoal, a cantora passa por um momento de fragilidade e diz que a única coisa que se arrepende na sua participação em "A Fazenda", foi não ter resolvido seu relacionamento com o músico Matheus Herriez. "Eu sou contra traição, mas agredir é muito pior", disse em entrevista exclusiva a este colunista do NaTelinha.

Li Martins contou que foi um pouco imatura e ingênua em sua participação no reality rural da Record. "Principalmente na questão pessoal. Eu acho que poderia ter resolvido a minha situação aqui fora antes, e não misturar realmente as coisas. Meu único arrependimento foi de não ter entrado com isso resolvido", desabafou em conversa por telefone.

"Agora dentro do programa, eu não me arrependo de absolutamente nada. De nada que falei e que eu fiz. Acho que se não fosse minha questão pessoal aqui fora, eu teria ficado mais tempo dentro do programa", diz a ex-fazendeira.

No reality, Li Martins revelou que foi agredida pelo seu ex-marido, o ex-Br'oz Matheus Herriez. "A gente vive numa sociedade muito machista, infelizmente com a cabeça muita fechada. Eu mesmo era uma pessoa que não entendia como mulheres passavam por situação como a minha e não falavam. Hoje eu entendo. Vejo que apesar da justiça dizer que tem todo o respaldo para proteger, a gente não se sente protegida suficiente, a gente ainda tem medo. Me assusta ver muitas mulheres ainda defenderem o comportamento de homens e acharem que meu comportamento que era errado. Lógico, meu comportamento foi errado. Eu devia ter denunciado e deveria ter feito todo o procedimento que manda o protocolo. Mas entendo que muita mulher não faz. Porque agora e eu estou sofrendo as consequências e estou pagando por isso", diz.  

Sobre os comentários da sua participação na casa, Li Martins se mostrou decepcionada. "Eu vi mulheres da mídia e da imprensa contra mim. Poxa vida, será que você se apaixonar por alguém não pode, mas bater numa mulher, espancar e sair ileso pode? Eu sou contra traição, mas agredir é muito pior", diz, encerrando o assunto.

Sobre um novo relacionamento, a cantora é direta: "Eu passei por um turbilhão de coisas, estou muita fragilizada, eu não sei se estou preparada para um novo relacionamento. O que eu preciso é cuidar de mim e esperar tudo cicatrizar".

Li Martins também desmentiu os boatos sobre um retorno do grupo Rouge. A notícia ganhou força entre os fãs depois que um vídeo foi publicado nas redes sociais mostrando um encontro com as ex-integrantes. "Esse encontro intimo de amigas de 14 anos soou como uma volta do grupo ou que estávamos tramando alguma coisa. Não é nada disso. O vídeo não significa que queremos voltar, mas se surgir um convite ou uma proposta interessante quem sabe?", diz.

O grupo quase voltou em 2012, durante a reunião das ex-integrantes no programa "Fábrica de Estrelas", no Multishow. "Quando o Rick Tavares (empresário musical) convidou a gente para participar do programa, os fãs queriam que fizéssemos apenas um show. Não tinha nada jurídico que nos impedia, mas por uma questão logística e burocrática a gente não conseguiu viabilizar o projeto", lamenta.

Atualmente, a cantora está se dedicando à gravação do seu primeiro trabalho solo e comemora por emplacar a música "Vai Chegar” como tema de abertura da novela turca "Sila - Prisioneira do Amor", exibida na Band. "Estou passando por um momento profissional muito bom na minha carreira, talvez uma das melhores", finaliza.

Adélia vai virar o Celso Russomano da web: "vou falar dos direitos do consumidor"

Adélia já decidiu o que vai fazer depois de participar da edição deste ano do "Big Brother Brasil". A morena vai criar um canal no YouTube para falar dos direitos do consumidor. "Agora se tivesse isso na TV seria maravilhoso. Tanto para mim quanto para a população", diz a advogada.

Nesta entrevista exclusiva, a ex-BBB fala sobre a tentativa de rescindir seu contrato com a Globo e o polêmico cachê de 5 mil reais oferecido pela revista Sexy. Confira:

De tudo que já viu fora da casa, como você faz a leitura do "BBB" agora?

Adélia -
É bem diferente a visão de quem está lá dentro da visão de quem assiste. Se alguém quiser entrar lá e ganhar o jogo, de repente é interessante criar um personagem polêmico, entrar pra causar. Não se preocupe com princípios, com moral, com nada.  Pra quem está lá dentro não é legal conviver com um vilão de novela, mas pra quem assiste é interessante.  

Você mudaria seu comportamento?

Adélia -
Eu não mudaria. Quem não gostaria de um R$ 1,5 milhão? Mas eu não conseguiria me transmutar tanto, só se eu fosse daquele jeito.

Você está curtindo esse momento de ser conhecida?

Adélia -
Eu estou curtindo muito. Eu sei que essa fama de ex-BBB não dura muito. Então, não dispenso uma foto ou um abraço. Tudo isso vai passar e estou achando muito bacana.

O formato do seu bumbum é resultado de um procedimento estético. Tem medo do que aconteceu com Andressa Urach possa acontecer com você?

Adélia -
Eu tenho esse cuidado. A Andressa usou hidrogel. Eu não, o meu é prótese de silicone, igual dos seios, só que no bumbum. O valor é cinco ou seis vezes mais caro, mas eu tinha realmente medo. Antes de fazer, eu pesquisei bastante e comecei a ler os comentários sobre o hidrogel. Eu sempre verifico se o médico faz parte da Sociedade Brasileira de Cirurgias Plásticas. Eu tomei todos os cuidados.

É verdade que você realmente recebeu uma proposta da Record para fazer um quadro sobre os direitos do consumidor e por isso tentou reincidir seu contrato com a Globo?

Adélia -
Isso é boato. Eu não recebi proposta da Record. Mas realmente eu solicitei a rescisão de contrato com a Globo com isenção de multa, independente de ter outra emissora me contratando. De qualquer forma, a Globo não aceitou essa rescisão, só mediante ao pagamento da multa de um milhão e meio de reais. Eu continuo contratada pela emissora por seis meses. Mas qualquer proposta, seja na Globo ou de qualquer emissora que for para trabalhar essa parte dos direitos do consumidor, eu acho esplêndido. Vou criar um canal no YouTube para falar dos direitos do consumidor. Agora se tivesse isso na TV seria maravilhoso. Tanto para mim quanto para a população.

Mas por que você pediu rescisão com a Globo?

Adélia -
Eu não estou fazendo nada na Globo. Então para que eu vou manter um contrato, sendo que eu não estou sendo utilizada? Então não queria ficar numa geladeira e achei interessante ficar livre.

Como estão as negociações para a Sexy?

Adélia -
Existia uma negociação entre meu representante e a Sexy. Eu mesma nunca falei com a revista. De qualquer forma eu sempre deixei claro que não ia sair pelada apenas por sair e dar mídia. Eu quero receber, não dá pra ser uma proposta de 5 mil reais. Interesse eu tenho, a revista também, mas houve um impasse na questão do valor.

*

Eu fico por aqui ou toda hora no Twitter: @sanduba.

Mais Notícias