Reportar erro
Sandro Nascimento

Atriz sobre perda de contrato vitalício com a Record: era pra eu ter um troço

E mais: Micael Borges e o lançamento que ninguém viu; empresa que criou o "SuperStar" tentar trazer novo "The Voice Kids"

marinamiranda_3ccb5b471b1bed2e1aaa0f524aaf2349828232e6.jpeg
Foto: NaTelinha
Sandro Nascimento

Publicado em 05/04/2016 às 07:30:07

Com o arrendamento do Recnov para a produtora Casablanca, a Record demitiu mais de 500 funcionários no final de 2015. Entre eles estava a atriz Marina Miranda, de 85 anos, que teve seu contrato vitalício cancelado pela emissora.

No dia 22 de novembro, a atriz foi chamada para comparecer ao Recnov, quando recebeu a triste notícia do então diretor de elenco da Record, Fernando Rancoleta.

"Quando eu cheguei na Record, vi que estava tudo revirado e tinham móveis no meio da rua, achei estranho. O Rancoleta foi muito gentil e ficou com medo de me dar a notícia. Queriam medir até minha pressão. Então, prevendo o que viria, comecei a perguntar o que estava acontecendo. Foi quando ele me disse que a Record no Rio estava fechando e por economia eu estava sendo despedida. O Rancoleta ainda me disse para não ficar zangada porque a Globo iria me ajudar", disse Marina Miranda, que sentiu um tom de ironia falar aquilo da Globo.

Logo em seguida, a atriz conta que deram todos os documentos da rescisão para assinar. "Na hora eu fui assinando, não tinha advogado. O que poderia fazer? Os papéis estavam todos prontos. Me disseram depois que eu deveria ter lido. Não deu tempo, assinei sem ler", revela Marina Miranda para este colunista.

A veterana atriz se mostra decepcionada por eles não terem dado a oportunidade para levar um advogado ou alguém do sindicato para auxiliá-la na rescisão, já que no telefonema apenas pediram para comparecer ao Recnov. "Quando eu cheguei em casa eu pensei: 'Meu Deus, eu não era vitalícia? Meu Deus, pra que eu fui assinar se era vitalícia?'", conta visivelmente emocionada.

O contrato vitalício que Marina Miranda tinha com a Record foi um compromisso que a direção assumiu junto com a imprensa, após sua participação no programa de Sônia Abrão.

"Eu achei que foi uma coisa sem coração. Se eu tivesse uma emissora nunca mandaria embora alguém com 85 anos e com contrato vitalício. No dia que completei 10 anos de emissora eles me mandaram embora. A Record podia ter me mandando um telegrama ou uma carta me avisando. Mas foi de supetão, me pegaram desprevenida. Era para eu ter um troço mesmo", disse ela, que hoje se encontra desempregada.

"Estou à disposição para trabalho. Eu perdoo que eles que fizeram comigo. Eu estou viva graça a Deus. Faço votos para abrirem uma porta pra mim, pelo menos para eu pagar meu plano de saúde", desabafa.

Marina também falou sobre seu salário na Record: "Disseram que eu ganhava 8 mil reais, quem me dera. No final não chegava nem a 4 mil reais. Minha situação não tá fácil, ficar desempregada aos 85 anos é complicado. Não estou me lamentando, estou pedindo emprego pra fazer graça pra vocês (humor). Eu quero emprego e mais nada".

Marina Miranda atuou em produções como "Dona Xepa" (1977), "Dancin'Days" (1978), "Vereda Tropical" (1984), "Mandala" (1987), "Trapalhões" (1979 - 1987), "Prova de Amor" (2005), "Caminhos do Coração" (2007), "Os Mutantes - Caminhos do Coração" (2008), "Promessas de Amor" (2009) e "Balada, Baladão" (2010).

 

Micael Borges e o lançamento que ninguém viu

O novo clipe do ex-"Rebelde" Micael Borges saiu do ar misteriosamente. O YouTube informa que retirou o vídeo por reivindicação de direitos autorais da produtora musical Midas Estúdios, empresa que pertence a Rick Bonadio.  

Procurada por esta coluna, a assessoria de imprensa de Micael Borges prometeu uma resposta no dia 28 de março, mas não chegou nada até o momento.

Já a assessoria da Midas Estúdios respondeu que não conseguiu entrar em contato com Rick Bonadio devido a uma viagem do empresário. A pergunta que fica, nos dias de hoje: como alguém fica sem contato? O mistério continua.

Empresa que criou o "SuperStar" tentar trazer novo "The Voice Kids"

A produtora israelense Keshet DCP, criadora do reality musical "Rising Star" (SuperStar, no Brasil), está tentando emplacar no país um novo formato musical com crianças. O nome do reality é "Master Class ".

Após testes, algumas crianças são selecionadas para entrarem numa escola musical. Lá, elas ficam sob a responsabilidade de professores de música. O público pode acompanhar o desenvolvimento artístico de cada uma delas, mas sem eliminação.

Diante do sucesso do "The Voice Kids" nas tardes de domingo, logo, logo o formato deve desembarcar em terras tupiniquins. As conversas já foram iniciadas.

Record nega pedido da Casablanca

A Casablanca pediu para a Record exibir o logotipo da produtora nos créditos finais no programa da Xuxa, o que foi negado. Ninguém entendeu, afinal o programa do Gugu, desde o primeiro programa, exibe nos créditos final do logotipo da produtora GGP.


 

Mais Notícias